Publicidade

sábado, 9 de julho de 2011 Partidos | 06:04

Vaccarezza: “Mensalão não prejudicou o PT em nada”

Compartilhe: Twitter

Cândido Vaccarezza

Líder do governo na Câmara, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) afirmou que o julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal — previsto para o ano que vem — não deve prejudicar o PT nas eleições municipais de 2012.

“Esse fato não é novo. Já tivemos três eleições com a história do mensalão sendo discutida e badalada, e não prejudicou [o PT] em nada”, disse.

Em entrevista ao Poder Online, Vaccarezza afirmou que, diferente das últimas eleições, o ex-presidente Lula não vai intervir em favor dos réus.

Poder Online: O PT tinha expectativa que o procurador Roberto Gurgel pedisse para o STF inocentar outros réus do mensalão, além de Luiz Gushiken?

Vaccarezza: Não, nenhuma expectativa. Estamos aguardando o julgamento do Supremo. E confiamos no STF. Todos os fatos comprovam que não houve utilização de dinheiro público nem interferência do governo. O que houve foi caixa 2. E tem que ser punido como caixa 2, não como um crime maior. Na minha avaliação, os personagens que participaram já pagaram mais do que o tamanho do erro.

Poder Online: O julgamento do STF, que deve ocorrer justo no ano que vem, não vai prejudicar o PT e o governo nas eleições municipais?

Vaccarezza: Esse fato não é novo. Já tivemos três eleições – a de 2006, 2008 e 2010 — com essa história do mensalão sendo discutida e badalada, e não prejudicou [o PT] em nada. O povo soube separar o que é denúncia e o que é julgamento real. Aliás, a derrota dos que exploraram o tema foi fragorosa. Teve partido que até mudou de nome.

Poder Online: Mas, na época, o Lula interveio diretamente.

Vaccarezza: Não tinha como não intervir. O Lula, inclusive, foi candidato em 2006, e ganhou a eleição.

Poder Online: O Lula entrará na defesa dos réus para diminuir o efeito do julgamento nas eleições?

Vaccarezza: Toda vez que foi perguntado sobre o mensalão, o Lula respondeu. Agora, ele não vai entrar nesse assunto, porque não é um assunto de campanha, é um assunto do Supremo Tribunal Federal. Não é adequado levarmos as emoções ao julgamento.

Poder Online: O deputado Daniel Almeida, do PCdoB baiano, criticou a “ferocidade do PT” nas eleições em relação aos aliados. Qual sua opinião sobre essa divergência?

Vaccarezza: Respeito e entendo, mas quero fazer aliança com o Daniel Almeida onde for possível, porque essas alianças do PT e PCdoB têm sido muito positivas para ambos. É bom deixarmos para o PSDB a briga interna. Nossa relação é de afinidade e busca de acordo entre todos os aliados.

Autor: Tags: , , , , , , ,