Publicidade

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 Governo | 15:27

Para Dilma, Eduardo Campos deixou de ser solução e virou problema

Compartilhe: Twitter

Governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos costuma gabar-se de ter ouvido da própria presidenta Dilma Rousseff, no início do governo, que ele era um aliado que não trazia problemas, “só soluções”.

Mas isso mudou.

Desde que começou a se aproximar do tucano Aécio Neves — que insinua um constante convite ao PSB para indicá-lo ou ao ex-deputado Ciro Gomes à vaga de vice em sua chapa presidencial — Eduardo Campos tornou-se uma ameaça para a coligação com o PT.

E também trouxe problemas com o aliado PMDB, cujo presidente licenciado da legenda e vice-presidente da República, Michel Temer, vê nos movimentos de Campos uma estratégia para desbancá-lo do posto de vice na chapa pela reeleição de Dilma em 2014.

Agora com as denúncias em torno do ministro da Integração, Fernando Bezerra, indicado para o cargo pelo governador de Pernambuco, Dilma está sendo obrigada a bater de frente com a mídia novamente.

 E teve o xadrez da reforma ministerial tumultuado: É pior tirar o ministro na reforma em meio às denúncias, ou bancá-lo apesar de tudo?

Por tudo isso, Campos deixou de ser solução e transformou-se num problema para o Palácio do Planalto.

Autor: Tags: , , ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

Os comentários do texto estão encerrados.