Publicidade

quarta-feira, 21 de novembro de 2012 Brasil, Congresso | 15:30

Roberto Freire provoca conterrâneo

Compartilhe: Twitter

As pressões para que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, manifeste alguma vontade de se transformar em uma alternativa à corrida presidencial de 2014 já não partem mais apenas de seu partido, o PSB, ou dos possíveis dissidentes da base aliada no Congresso.

“Se ele se descolar do governo, podemos começar a conversar. Já seria um bom caminho andado”, diz o conterrâneo de Campos, deputado Roberto Freire (PPS). O gesto de Campos forçaria o PPS a também se descolar do PSDB.

Freire diz que não seria necessário nem o PSB ir para a oposição, o que poderia parecer oportunismo. “Oposição ao governo eu já faço. Basta ele se tornar independente”, acrescenta.

Na base aliada aumenta o cordão dos descontentes. “Nós estamos desconfortável no governo. A bancada e o partido não se sentem no governo”, diz o deputado Giovanni Queiroz (PDT-PA).

Ex-líder, Queiroz diz que menos de 20% do PDT nacional apoiam Brizola Neto como ministro do Trabalho. Segundo ele, Brizola ocupa a Esplanada por conta e risco do ex-deputado Carlos Araújo, ex-marido da presidente Dilma. O PDT também aguarda um sinal de Campos.

Autor: Tags: , , , ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

Os comentários do texto estão encerrados.