Publicidade

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013 Política | 07:00

Trabalhadores, jovens e até bebê foram vítimas da ditadura

Compartilhe: Twitter

A Comissão da Verdade do Estado de São Paulo traçou o perfil dos mortos e desaparecidos políticos no Brasil no período de 1964 a 1985. Após uma análise extensiva dos dados, chegou à conclusão de que a maioria das vítimas do regime era composta por trabalhadores e jovens.

Investigação:  Comissão da Verdade formaliza parecer sobre morte de Rubens Paiva

EUA: Comissão da Verdade de São Paulo liga diplomatas americanos ao regime militar

Das 437 pessoas que constam no dossiê feito pela Comissão de Familiares dos Mortos e Desaparecidos Políticos (258 mortos e 179 desaparecidos), 248 (o que corresponde a 56% do total) eram trabalhadores, 125 estudantes e 35 militares.

Entre os trabalhadores, a maioria era formada por operários (55), mas da lista também constam camponeses (40), professores (23), bancários (17), jornalistas (12), advogados (9), engenheiros (6) e religiosos (3).

O perfil também mostra que a maioria das vítimas da ditadura militar (232) era formada por jovens entre 0 e 30 anos. Há um bebê de três meses na relação.

Autor: Tags: