Publicidade

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 Cidades, Militares, Política | 22:10

Delegado que prendeu assessor da Comissão da Verdade é transferido

Compartilhe: Twitter

Um dos dois agentes da ditadura que ainda atuam na polícia de São Paulo, Carlos Alberto Augusto -conhecido como Carlinhos Metralha e Carteira Preta (o outro é Dirceu J.C. Gravina)- foi transferido do Deinter 2 (Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo de Campinas) para a delegacia de Itatiba (interior de SP).

Augusto, que é delegado de polícia de segunda classe, foi lembrado pelo assessor da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo, Ivan Seixas, na primeira audiência do ano, na segunda-feira (18), na Assembleia Legislativa.

Seixas e o pai foram presos e levados para o Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) em 1971, quando ele tinha 16 anos. Foi torturado ao lado do seu pai, que morreu.

Augusto foi quem encaminhou Seixas para uma das salas de tortura e contou a ele, no caminho, que Devanir José de Carvalho, o Comandante Henrique, foi morto para que ele não se transformasse em um novo Bacuri, companheiro de Marighella na Ação Libertadora Nacional (ALN).

“Você sabe que a gente matou ele (Comandante Henrique) aqui, né? Ele cuspiu no (delegado Sérgio Paranhos) Fleury e o doutor decidiu matá-lo para que ele não virasse o novo Bacuri. E vai acontecer o mesmo com você”, disse o delegado de Itatiba para o atual assessor da Comissão da Verdade na época.

Autor: Tags:

Nenhum comentário, seja o primeiro.

Os comentários do texto estão encerrados.