Publicidade

terça-feira, 26 de março de 2013 Sem categoria | 20:15

Após polêmica, Telhada altera justificativa de homenagem à Rota

Compartilhe: Twitter

A instauração da Comissão Municipal da Verdade, na tarde desta terça-feira (26) na Câmara Municipal, foi marcada pela polêmica do projeto do vereador coronel Telhada (PSDB) para homenagear o batalhão das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota).

Vereadores do PT, PSD e PSOL afirmaram, durante a sessão, ser contrários à proposta de conceder a Salva de Prata — homenagem da Casa cedida em sessão solene pelos relevantes serviços prestados a sociedade – à Rota, conforme antecipou o Poder Online no dia 21 de março.

Na justificativa do projeto, Telhada diz que a Rota se destacou no que a Polícia Militar chama de campanha do Vale do Rio Ribeira do Iguape, em 1970, “para sufocar a Guerrilha Rural instituída por Carlos Lamarca”. Ele também cita “campanhas de guerra”, como os feitos da companhia chamada Boinas Negras que atuou durante a ditadura militar perseguindo guerrilheiros da esquerda como Carlos Lamarca e Carlos Marighella. O texto da proposta foi copiado do site da Polícia Militar.

Ivan Seixas, coordenador da Comissão Estadual da Verdade, presente na sessão, manifestou ser contrário à homenagem. “A Rota foi criada pela ditadura para reprimir movimentos populares. Não podemos permitir isso”.

Procurado pelo Poder Online, Telhada não quis se manifestar. O vereador Mario Covas Neto (PSDB) afirmou que a intenção de seu colega é de homenagear seus subordinados e não especificamente a atuação da instituição durante o regime militar.

Covas Neto foi quem recebeu a missão de conversar com Telhada para sugerir a mudança no texto para apaziguar os ânimos dos oposicionistas ao projeto. A assessoria do coronel confirmou que a nova justificativa será apresentada na quarta-feira (27).

“O Telhada é um cara razoável, um sujeito ponderado, que aceitou o pedido. E pela formação dele, militar, sei que recuar de uma posição, aceitar uma ponderação, é entendido como sinal de fraqueza. Foi um gesto de grandeza e harmonizou a Casa”, afirmou Covas Neto.

O projeto de Telhada foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça no dia 21 de março. Ele ainda será avaliado pela comissões de Educação, Cultura e Esportes e Orçamento e Finanças, para depois ser votado pelos vereadores. Se aprovado, será feita uma sessão solene para a homenagem.

Autor: Tags: , ,