Publicidade

terça-feira, 9 de abril de 2013 Política | 11:00

Comissão de Anistia devolverá naturalidade brasileira a chinês perseguido pelo regime militar

Compartilhe: Twitter

Uma decisão inédita em casos de perseguição política deve ser tomada nesta terça-feira pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça: a devolução da naturalidade brasileira ao chinês Peter Ho Pen, preso duas vezes (em 1971 e em 1973) e depois expulso do país pela ditadura militar.

Nascido em Hong Kong, Pen formou-se em engenharia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1970. Havia se naturalizado na década de 1960, quando a família veio para o Brasil.

Em 1971, quando a repressão apertou o cerco ao movimento estudantil, suspeito de colaborar com a subversão, foi preso no interior de um ônibus, no campus universitário, levado para uma delegacia e torturado. Ficou um ano incomunicável e depois foi libertado.

Em 1973, foi preso novamente depois que a polícia encontrou um cheque seu com militantes do PC do B de Porto Alegre. Pen disse que apenas emprestara dinheiro para amigos que estavam sem condições de aluguel. Mesmo assim, passou mais uma temporada preso, seu documento de brasileiro naturalizado foi cassado e acabou expulso do país.

A origem de Pen atiçou a paranoia dos órgãos de repressão: a China era, à época, o destino de dezenas militantes do PC do B que treinaram guerrilha no exterior para organizar a Guerrilha do Araguaia.

Autor: Tags: , ,

Nenhum comentário, seja o primeiro.

Os comentários do texto estão encerrados.