Publicidade

sexta-feira, 26 de julho de 2013 Partidos | 18:00

Novo grupo no PT prega combate à corrupção e punição de petistas

Compartilhe: Twitter

Criado com a pretensão de se transformar na segunda maior força dentro do PT, um grupo integrado por nomes como o ex-presidente da Câmara Marco Maia (PT-RS) e o líder do governo Arlindo Chinaglia (PT-SP) se apresenta para a eleição interna do partido com um discurso em favor do combate à corrupção, inclusive dentro do próprio partido.

A chapa inscrita pelo grupo no chamado Processo de Eleições Diretas (PED) do PT foi batizada de Partido é para Todos. Na tese apresentada para a eleição, o grupo diz que o PT deve “dar um tratamento específico e diferenciado à temática da corrupção”.

Leia também: Ala majoritária do PT vê ‘descolamento da militância’ e cobra ‘democratização das comunicações’

“Uma coisa é a solidariedade a companheiros e companheiras frente a armações e acusações falsas. Outra é a timidez e o constrangimento de agir perante erros notórios de petistas numa dada frente institucional. A inação das instâncias dirigentes do partido, seja para defender ativamente militantes injustamente atacados, seja para tomar medidas disciplinares cabíveis, quando isso se colocar, tem ajudado a nos empurrar para a vala comum da pior tradição política brasileira”, afirma o documento. O texto não faz qualquer menção direta ao escândalo do mensalão. 

O grupo, que apoiará a reeleição do atual presidente do partido, Rui Falcão, avalia que tem chances de superar o grupo Mensagem ao Partido na eleição interna. A Mensagem, como ficou conhecida a corrente, foi criada pelo hoje governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, no auge da crise do mensalão, em 2005.

Saiba mais: Marco Maia lidera articulação para criar novo grupo dentro do PT

Autor: Tags: , , ,