Publicidade

quinta-feira, 19 de março de 2015 Governo | 15:25

PT agora busca receita para evitar que o MEC caia nas mãos do PMDB

Compartilhe: Twitter

A declaração dada nesta manhã pela presidente Dilma Rousseff de que não fará uma reforma ministerial, mas sim uma “troca pontual” na equipe, foi imediatamente entendida no Planalto como um recado de que ela não cederá às pressões por uma mudança profunda no núcleo político do governo. Assim, as atenções voltaram-se imediatamente para o orçamento graúdo do Ministério da Educação.

A presidente Dilma Rousseff. (Foto: Alan Sampaio / iG Brasília)

A presidente Dilma Rousseff. (Foto: Alan Sampaio / iG Brasília)

Hoje mesmo, o PT começou a discutir alternativas para tentar recuperar a pasta e evitar que ela caia nas mãos do PMDB. Uma conversa que rodou nesta manhã no Planalto incluía a possível transferência de Ricardo Berzoini para o MEC, com a entrega do Ministério das Comunicações para o PMDB.

Qualquer mudança nesse sentido pode envolver também a Secretaria de Comunicação Social. Enquanto o Planalto comanda sondagens para trocar o comando da Secom, também voltaram a circular versões divergentes sobre o destino das gordas verbas de publicidade do governo.

Há cerca de duas semanas, o próprio ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender nos bastidores que esses recursos sejam administrados pelo Ministério das Comunicações. A ideia, entretanto, rodava tendo em vista a permanência de Berzoini no comando da pasta.

Se vingarem as sugestões feitas hoje no Planalto, a troca no ministério já não seria tão pontual assim. Seriam alterados os comandos do MEC, das Comunicações e da Secom. Sem contar a articulação política do governo, que continua sendo apontada como um dos prováveis focos de uma mudança no ministério.

De qualquer forma, o clima no Planalto é de forte pressão para que Dilma acelere as conversas e acerte o quanto antes as novas indicações, mesmo que sejam de fato feitas poucas alterações no time. Auxiliares da presidente dizem torcer para que tudo se resolva até o fim de semana, para, quem sabe, anunciar a nova equipe na segunda-feira. Mas quem é próximo da presidente admite que rapidez em decisões sobre o ministério nunca foram sua prioridade.

 

Autor: Tags: , , , ,