Publicidade

quarta-feira, 8 de abril de 2015 Política | 07:00

Marta sonhava em viabilizar debandada do PT rumo ao PSB

Compartilhe: Twitter

Em uma das primeiras conversas que teve com o PSB para discutir seus planos de deixar o PT, a senadora Marta Suplicy disse à direção da legenda que gostaria de tentar levar consigo vários de seus colegas para o partido que a recebesse como pré-candidata à Prefeitura de São Paulo em 2016. A conversa ocorreu na época da corrida eleitoral do ano passado, bem antes de Marta deixar o Ministério do Turismo e disparar contra o governo da presidente Dilma Rousseff.

Marta Suplicy (Foto: Agência Senado)

Marta Suplicy (Foto: Agência Senado)

Nessa reunião, comandada pelo presidente do PSB paulista, Márcio França,  Marta apresentou uma lista de nomes que acreditava serem bons candidatos para a migração: ali estava a família Tatto.  Mais especificamente,  os irmãos Enio, Arselino  e Jilmar Tatto.

Os Tatto são considerados peça-chave em campanhas eleitorais do PT em São Paulo. Têm forte influência em colégios estratégicos, como a região de Capela do Socorro, na zona sul da capital paulista. Mas o PT tratou de amarrar bem a família quando elegeu o prefeito Fernando Haddad.

Hoje, Arselino é líder do governo na Câmara Municipal. Jilmar é secretário dos Transportes do prefeito petista, ou seja, comanda uma das pastas mais fortes da administração municipal.

De acordo com o PT, não há motivo algum para preocupação. A chance de os Tatto deixarem o partido com Marta é zero.

*Com Luciana Lima, iG Brasília

 

Autor: Tags: , , , , , , , ,