Publicidade

domingo, 12 de abril de 2015 Congresso | 08:00

Sob crítica por causa da terceirização, Paulinho dispara contra o PT: ‘Mentem para a população’

Compartilhe: Twitter

O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical, anda penando nas redes sociais para explicar o apoio ao projeto que regulamenta a terceirização, cujo texto-base foi aprovado nesta semana no Congresso. O sindicalista minimiza as críticas. Diz que há “um ou outro desinformado”. E todo o resto é “gente do PT e da CUT”.

“E o PT e a CUT estão mentindo para a população”, diz Paulinho. Segundo ele, o projeto garante direitos aos trabalhadores terceirizados, que hoje “estão abandonados”. Confira a entrevista:

O senhor passou a ser duramente atacado nas redes sociais, por conta da posição favorável ao projeto da terceirização. Como líder sindical, como o senhor se sente no alvo dos ataques? 
Minha participação em toda a negociação relacionada a esse projeto foi de acordo com a posição adotada pelas centrais sindicais. Das seis centrais sindicais, quatro concordaram que eu apresentasse emendas ao projeto, de forma a garantir que sejam corrigidos os erros e respeitados os direitos dos trabalhadores. E, uma vez incluídas essas emendas, eu, naturalmente, passei a apoiar a proposta. Ter qualquer posição diferente não faria sentido.

Paulinho da Força Sindical (Foto: Leonardo Prado/Agência Câmara)

Paulinho da Força Sindical (Foto: Leonardo Prado/Agência Câmara)

Que erros essas emendas corrigiram?
Este é um projeto com 23 artigos, dos quais 19 tratam de direitos dos trabalhadores. Trouxemos 12,7 milhões de trabalhadores que não tinham proteção alguma para uma estrutura com proteção. Agora, eles têm direitos. Também garantimos direitos aos trabalhadores que forem fruto de terceirizações futuras. Minhas emendas dão garantia, por exemplo, de que os trabalhadores terceirizados terão a mesma convenção coletiva da categoria a que pertenciam. Também reafirmam que a empresa tem que estar previamente registrada na categoria certa. E – uma que ainda não foi votada – torna a empresa solidária. Ou seja, a empresa que contrata tem que garantir o cumprimento dos direitos dos trabalhadores, sob pena de pagar a conta duas vezes. Ainda garantimos que, em até 10 dias após a terceirização, a tomadora do serviço informe ao sindicato a operação. Isso repassa ao sindicato a tarefa de fiscalizar.

Mas isso, na sua visão, dá mais proteção que a CLT? 
Com isso, o trabalhador terceirizado terá a mesma proteção que trabalhadores normais. Hoje, o que os trabalhadores têm para fiscalizar é só o Ministério do Trabalho, que está em frangalhos.

Mas, no seu Facebook, por exemplo, é uma enxurrada de críticas. 
Ali é gente do PT e da CUT. Eles querem atacar os adversários. Eu conto ali: de 10, 9 são do PT. Só um ou outro é algum desinformado. Mas eu não me guio pelo Facebook. Me guio pela rua. Cheguei no aeroporto outro dia e quase perdi o voo porque as pessoas queriam tirar foto comigo, falar sobre o projeto.

As pessoas na rua elogiaram o projeto para o senhor? 
Claro. A verdade é que hoje dois de três trabalhadores são terceirizados e estão absolutamente abandonados. E o PT e a CUT estão mentindo para a população. Vamos fazer reuniões com sindicatos, vamos explicar exatamente do que se trata.

Autor: Tags: , ,