Publicidade

Arquivo da Categoria Governo

segunda-feira, 24 de agosto de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 15:49

Para peemedebistas, sinalização Temer é de “desembarque próximo”

Compartilhe: Twitter
Michel Temer (Foto: Marcello Casal Jr./ABr)

Michel Temer (Foto: Marcello Casal Jr./ABr)

As movimentações do vice-presidente, Michel Temer (PMDB-SP) no sentido de deixar bem claro seu descontentamento com o governo e a disposição em entregar à presidente Dilma Rousseff a função de articulador político passaram um sinal para o meio político, principalmente para peemedebistas rebeldes, de que “o desembarque está próximo”.

O PMDB já prepara sua convenção partidária para o dia 15 de novembro em Brasília. Entre os deputados do partido, boa parte seguidora do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a tese majoritária é de rompimento com o governo petista.

Deputados do PMDB defendem que foi Temer quem defendeu a aliança na Convenção e que Temer é quem segurava a insatisfação.”O rompimento é o  caminho natural do PMDB e a postura de Temer, ao querer entregar a articulação, é uma sinalização importante e que terá  efeito na convenção”, disse ao Poder Online, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

Temer se reuniu com Dilma para entregar suas funções de articulador do governo, assumida logo após o ministro Pepe Vargas (PT-RS), atual ministro de Direitos Humanos, ser defenestrado do Planalto, onde era ministro da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), por exigência da bancada do PMDB da Câmara.

A decisão de ficar ou não na articulação vazou de forma meio dúbia, já que Temer, continuaria cuidando das questões mais importantes, enquanto seu auxiliar, Eliseu Padilha, atual ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), continuaria com o rame-rame da negociação de cargos e emendas parlamentares. Ou seja, o que mudou foi o clima. Temer continuaria cuidando do que sempre cuidou. A presidente teria agora é que  encontrar alguém para substituir Padilha até 1º setembro, quando ele deve passar a se dedicar exclusivamente à sua pasta titular.

“Se o PT não deixou Temer cuidar do micro, vai deixar cuidar o macro?”, questionou o deputado.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 13 de agosto de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 20:07

Senadores sugerem que Dilma não fique a reboque de Renan na relação com Congresso

Compartilhe: Twitter
Randolfe Rodrigues (Foto: Divulgação)

Randolfe Rodrigues (Foto: Divulgação)

Ao se reunir com um grupo de senadores na noite desta quinta-feira (13), a presidente Dilma Rousseff aceitou a sugestão dada pelo grupo de ir ao Congresso falar sobre a situação de crise pela qual passa o país e o seu governo. Dilma se referiu ao Senado como um “poder moderador” nestes tempos de crise e se mostrou aberta ao diálogo.

“Encontramos uma presidente que não esperávamos encontrar. Primeiro, ela não transparecia preocupação ou tensão com o momento político pelo qual estamos passando. Além disso, ao contrário de falar, ela mais ouviu”, relatou o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), que integra o grupo autodenominado “independente”.

Como forma de reverter a crise política, os senadores sugeriram que Dilma não fique a reboque do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e que apresente uma nova agenda de propostas que seja complementar à Agenda Brasil, apresentada por Renan. “Algo que tenha sido pensado pelo governo”, sugeriu Randolfe.

“Ela chegou a questionar se a agenda do PMDB não contemplava. Respondemos: Não contempla. A senhora precisa construir outra, ouvindo os movimentos sociais, a oposição e outras forças políticas”, disse o senador.

Autor: Tags: , , , , ,

Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 19:27

Senadores “independentes” se apresentam a Dilma como alternativa no Senado

Compartilhe: Twitter
Senador Cristovam Buarque (PDT-DF), vai ao Planalto com grupo de senadores "independentes"

Senador Cristovam Buarque (PDT-DF), vai ao Planalto com grupo de senadores “independentes”

O grupo de senadores que se autodenomina “independente” está reunido neste momento com a presidente Dilma Rousseff para se apresentar como “alternativa” de diálogo diante das dificuldades que o governo vem enfrentando no Congresso.

Fazem parte do encontro os senadores Acir Gurgaz, líder do PDT no Senado, Cristóvam Buarque (PDT-DF), Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), João Cabiberibe (PSB-AP), Lasier Martins (PDT-RS), Lídice da Mata (PSB-BA) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

O encontro havia sido pedido ao vice-presidente Michel Temer, responsável pela articulação política, em carta enviada no início da semana.

Temer não respondeu e na quarta-feira (12) a assessoria da presidente retornou marcando o encontro que é considerado estratégico para reforçar o contraponto que o governo vem construindo no Senado, à oposição declarada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Ao Planalto, o diálogo ainda servirá para minimizar os efeitos das dissidências da base anunciadas pelo PDT e pelo PTB da Câmara, sob a influência de Cunha.

Tal como fez o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que sugeriu a chamada “Agenda Brasil”, os independentes chegaram ao Planalto com outra agenda que deverá servir de ponto de partida para a aproximação.

Entre as propostas estão as que tratam da reforma política e ainda as que envolvem o compromisso de que o ajuste fiscal não atingirá conquistas sociais e investimentos em infraestrutura.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 12 de agosto de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 16:59

Almoço de Temer é visto como aval para nomeção de Filippelli na SRI

Compartilhe: Twitter
Foto: Brizza Cavalcante - Agência Câmara

Tadeu Filippelli (foto: Brizza Cavalcante – Ag.Câmara)

Integrantes da bancada do PMDB da Câmara saíram do almoço, chamado pelo vice-presidente Michel Temer, nesta quarta-feira (12), com a impressão de que o encontro serviu muito  mais para cacifar o anfitrião, deputado Tadeu Filippelli (PMDB-DF), como um possível futuro ministro das Relações Institucionais do governo, do que para apaziguar a bancada da Câmara, seguidora do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), opositor declarado do governo.

Peemedebistas, que há duas semanas cobravam de Temer que ele entregasse a função de articulador do Planalto, durante o almoço disseram ao vice que, caso ele queira se livrar da função, terá o apoio da bancada.

Temer tem como auxiliar na articulação com o Congresso, o atual ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB-RS), que também teria confidenciado a intenção de sair da função.

No almoço, Temer lembrou a frase polêmica dita há uma semana e se disse mal interpretado ao defender a  necessidade de “alguém” para unir o país. O vice chegou a se auto elogiou diante da bancada, dizendo que foi o primeiro do governo ao reconhecer e a falar abertamente sobre a existência de uma crise. O vice chegou a ler sua frase completa para tentar convencer os presentes que não foi infeliz na declaração que suscitou desconfiança entre petistas.

 

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 6 de agosto de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 18:35

Em crise com a Câmara, Dilma chama presidente do Senado ao Palácio

Compartilhe: Twitter
Renan Calheiros (foto: Clarissa Oliveira)

Renan Calheiros (foto: Clarissa Oliveira)

 

Em meio a crise política que ronda o governo, a presidente Dilma Rousseff chamou o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para uma conversa no início da noite desta quinta-feira (6), no Palácio do Planalto.

A reunião não está prevista na agenda oficial da presidente.

O apoio do senador é considerado um contraponto importante às movimentações do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que durante o recesso parlamentar, se declarou oposição ao governo.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 5 de agosto de 2015 Brasil, Eleições, Governo, Partidos, Política | 19:36

Eleições municipais devem apressar ida de Cid e Ciro para PDT

Compartilhe: Twitter

roberto-claudio-prefeito-490x356A definição sobre a ida dos Cid e Ciro Gomes para o PDT tem sido considerada mais urgente devido as eleições municipais de 2016. Aliado de primeira hora dos irmãos cearenses, o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, é candidato à reeleição e terá que cumprir a legislação eleitoral que exige pelo menos um ano de filiação ao uma legenda para uma candidatura.

Com isso, Roberto Cláudio precisa ter sua legenda já definida até o início de outubro deste ano.

O prefeito e os irmão Gomes consideram arriscado permanecer no PROS, legenda criada e comandada por Eurípedes Júnior. Nos bastidores, aliados dizem que não querem correr o risco de ficarem em um partido que poderá negociar alianças e sacrificar a possibilidade de candidatura própria.

Além disso, nas contas do grupo político comandado por Cid e Ciro, a migração levará prefeitos e cerca de 10 deputados do PROS para o PDT. Os mais otimistas falam em cerca de 20 parlamentares contando com outras legendas.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 3 de agosto de 2015 Brasil, Governo, Justiça, Política | 14:09

Por “razões de segurança”, governo esconde paradeiro de Levy

Compartilhe: Twitter

Com a invasão do prédio do Ministério da Fazenda por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) nesta segunda-feira (3), a assessoria do ministro da Fazenda, Joaquim Levy decidiu não divulgar seu paradeiro. Aos jornalistas que insistiam em saber onde está Levy, a assessoria alegou “razões de segurança” para não dar informações.

Os sem terras chegaram ao ministério por volta das 5h30 tomaram o prédio. Nesta segunda, nenhum funcionário pode entrar para trabalhar. Os manifestantes carregam faixas de “fora Levy” e alegam que o ajuste fiscal do governo paralisou a reforma agrária. Eles prometem ficar no prédio até obter uma sinalização do governo de retomada dos assentamentos.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 1 de julho de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 22:22

Serra vai à Câmara para influenciar votação sobre maioridade penal

Compartilhe: Twitter
Serra no plenário da Câmara, durante votação da redução da maioridade penal

Serra no plenário da Câmara, durante votação da redução da maioridade penal (Luciana Lima)

As discussões sobre a redução da maioridade penal na Câmara mobilizou senadores nesta quarta-feira, ao ponto de alguns deles atravessarem os salões para defenderem seus pontos de vista.

O tucano José Serra (SP) foi cuidadoso ao dizer a militantes contrários à redução que não podia interferir no trabalho dos deputados. Vim procurar o Jutahy, disse o tucano, ao chegar, referindo-se ao baiano Jutahy Magalhães, seu grande aliado.

Serra é autor do projeto de lei que modifica o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Sua proposta aumenta o tempo de internação para crimes hediondo e é defendida como uma alternativa ao texto da Câmara que reduz a maioridade.

A presença de Serra no Plenário da Câmara, durante a discussão, no entanto, irritou o líder do PSDB, Nilson Leitão (MT) que reclamou com colegas de bancada. “Ele está lá no canto defendendo suas ideias”, reclamou o líder. “Isso não pode”, disse Leitão, que havia orientado a bancada a votar a favor da redução.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) reagiu, defendendo o tucano: “Pode sim”, disse a petista. “Quem sabe ele não traz uma boa influência.

Serra na Câmara é recebido por petistas, contrários a redução da maioridade penal (Luciana Lima)

Serra na Câmara é recebido por petistas, contrários a redução da maioridade penal (Luciana Lima)

Para os petistas, a presença de Serra significou ajuda, já que o partido está disposto a aprovar sua proposta no Senado. O senador tucano foi cercado ainda pelo deputado Alessandro Molon (PT-RJ), também contrário à emenda.

Na votação de terça-feira, quando o texto base foi rejeitado por cinco votos de diferença,  as dissidências do PSDB foram fundamentais para a rejeição. Dos 51 tucanos que participaram da votação, Betinho Gomes (PE), Eduardo Barbosa (MG), João Paulo Papa (SP), Mara Gabrilli (SP) e Max Filho (ES) votaram contra o relatório apresentado pelo deputado Laerte Bessa (PR-DF).

Autor: Tags:

terça-feira, 30 de junho de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política, Sem categoria | 14:43

Sarney diz a Lula que ele tem que palpitar

Compartilhe: Twitter
Sarney: "Lula tem que palpitar"

Sarney: “Lula tem que palpitar”

Em uma postura mais conciliadora, bem distante das críticas que vinha fazendo à política econômica, e em meio a “ressaca” após o vazamento das críticas que comparavam a presidente Dilma Rousseff ao “volume morto” do Sistema Cantareira,  o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva confidenciou aos peemedebistas que iria parar de dar palpite no governo.

Prontamente, o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP), que participou do café da manhã na casa do presidente do Senado, Renan Calheiros (PDMB-AL) reagiu, pedindo a palavra. Sarney olhou nos olhos de Lula e defendeu que ele tem que palpitar.

“Você é a maior liderança política deste país na atualidade. Tem que palpitar sim”, defendeu Sarney.

Do café da manhã com Lula participaram, além de Sarney e o anfitrião, os senadores, Romero Jucá (PMDB-RR), Eunício Oliveira (PMDB-CE), Jorge Viana (PT-AC) e Delcídio Amaral (PT-MS).

Autor: Tags: , ,

Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 14:22

Lula é contra fim da reeleição e aumento de mandato de chefe do Executivo

Compartilhe: Twitter
Os ex-presidentes da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foto: Ricardo Stuckert / PR

Os ex-presidentes da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foto: Ricardo Stuckert / PR

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ser contra o fim da releição, medida aprovada pela Câmara, e única proposta da reforma política colocada em votação pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que deverá ser confirmada no Senado.

Lula citou os Estados Unidos e vários outros países democráticos desenvolvidos que adotam a reeleição, em café da manhã com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

O ex-presidente também disse que é contra aumentar o mandato do chefe do executivo para cinco anos.

Ao argumentar, o ex-presidente fez um alerta aos peemedebistas, lembrando os tempos de Fernando Henrique Cardoso e disse que qualquer governante, que chegar  ao fim do mandato com uma aprovação razoável, deverá aprovar de novo a reeleição e acabar ficando 10 ou 12 anos no poder.

Autor: Tags: , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 3
  3. 4
  4. 5
  5. 6
  6. 7
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última