Publicidade

terça-feira, 26 de maio de 2015 Congresso | 16:54

Rodrigo Maia critica Reforma Política sugerida pela OAB: “o texto é ruim”

Compartilhe: Twitter

Presidente da comissão especial da Reforma Política, o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) apresentou um relatório alternativo ao texto apresentado por Marcelo Castro (PMDB-PI), relator da proposta na comissão.

Ao detalhar o conteúdo de seu texto, Maia criticou a proposta de reforma política sugerida pelo OAB. “O texto é ruim”, resumiu ele.

De acordo com Maia, o texto sugerido pela OAB pioraria as relações entre correligionários na disputa por cadeiras na Câmara.

Assista:

Autor: Tags: , , ,

Congresso | 16:45

Chico Alencar critica tramitação da Reforma Política: “Golpe”

Compartilhe: Twitter

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) criticou a dissolução da comissão especial da Reforma Política antes que o relatório do deputado Marcelo Castro (PMDB-PI) pudesse ser votado.

Alencar ironizou a manobra ao dizer que Castro foi “castrado”. “O golpe começou ontem com a dissolução da comissão especial que queria votar seu relatório e que pela primeira vez na história do parlamento foi esvaziada pelo  seu próprio presidente (Rodrigo Maia)”.

Segundo Alencar, a ordem de votação dos ítens da reforma no Plenário da Câmara poderá favorecer a aprovação do chamado distritão, sistema que transforma a eleição de deputados federais numa disputa majoritária.

Assista:

Autor: Tags: , , ,

Política | 12:59

Raupp encerra giro com dirigentes em busca de apoio contra o “distritão”

Compartilhe: Twitter
O senador Valdir Raupp (PMDB-RO).

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO)

O senador Valdir Raupp (PMDB-RO) deve encerrar hoje sua rodada de conversas com dirigentes partidários em busca de apoio para combater a aprovação do distritão, previsto na votação da reforma política.

O distritão, defendido por correligionários de peso de Raupp, como o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (RJ), e o vice-presidente da República, Michel Temer, transforma a eleição de deputados em disputa igual a que ocorre hoje por cadeiras no Senado. Acaba a proporcionalidade, institui uma disputa de todos contra todos e são eleitos os mais votados.

Ontem, Raupp esteve com o o presidente do PT, Rui Falcão, e hoje encontra-se com o Ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD).

Ele já esteve com o presidente Nacional do DEM, José Agripino, e com o presidente do PSDB, Aécio Neves.

A votação da reforma política começa hoje na Câmara.

Autor: Tags: , , , , , ,

Política | 11:35

Russomanno é elogiado por parceria em votação do ajuste fiscal na Câmara

Compartilhe: Twitter
Celso Russomanno (Foto: AE)

Celso Russomanno (Foto: AE)

Se o governo comemorou o cumprimento da primeira parte da missão de aprovar o ajuste fiscal no Congresso, com a aprovação das Medidas Provisórias na Câmara, alguns nomes foram destacados nos bastidores como grandes parceiros nessa tarefa.

Um deles é do deputado Celso Russomanno (PRB-SP), que foi elogiado por seu apoio nas reuniões da base e por cobrar coerência dos aliados nos acordos construídos.

Curiosamente, Russomanno tem planos bem claros para o próximo ano. Disputará a prefeitura da Capital paulista enfrentando o petista Fernando Haddad.

Se em 2015 Russomanno é considerado parceiro entre articuladores petistas, deverá ser em 2016 uma dor de cabeça para o PT manter sua posição à frente do Executivo municipal de São Paulo.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 25 de maio de 2015 Política | 20:19

Dilma quer alternativa para poder vetar fim do fator previdenciário

Compartilhe: Twitter

Certo de que o fim do fator previdenciário será aprovado no Senado, junto com a Medida Provisória 664, a comissão de ministros criada para debater a questão da previdência no Planalto recebeu da presidente Dilma Rousseff a missão de apresentar uma alternativa para permitir que ela vete o fim do fator.

Na avaliação do governo, não dá para a presidente somente vetar, sem que se apresente uma solução para diminuir o crescente déficit da previdência no país.

O prazo é curto. Até o final do mês, a medida precisa ser votada no Senado para que não perca a validade. Além disso, o governo prefere que o Senado não faça mudanças na medida que motivem sua volta para apreciação na Câmara.

Apesar de o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ter garantido que colocaria a emenda em votação de forma ágil, tudo que Dilma não quer é  ficar nas mãos de Cunha neste assunto.

Fazem parte da comissão os ministros da Previdência, Carlos Gabas; do Planejamento, Nelson Barbosa; da Casa Civil, Aloizio Mercadante; das Comunicações, Ricardo Berzoini; da Fazenda, Joaquim Levy, e da Secretaria Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto.

“Não dá para ser contra o fator previdenciário e colocar alguma coisa em seu lugar”, disse o ministro Nelson Barbosa, sem falar, no entanto, da intenção de veto.

“Não adianta ser bonzinho agora para lá na frente esse sistema ruir”, disse o ministro Gabas. “Sobre a sanção (do fator previdenciário), não temos nenhuma definição sobre a posição do governo. Ao final da votações é que o governo vai analisar a posição a ser adotada”, disse Gabas.

Autor: Tags: , , , , , , ,

Política | 18:40

Dilma espera inaugurar sequencia de “agendas positivas” em junho

Compartilhe: Twitter

A presidente Dilma Rousseff quer vencer logo a fase de desgaste com as votações do pacote fiscal no Congresso e com os anúncios de cortes para inaugurar uma sequência de “agendas positivas” em junho.

O governo tem preparado para o próximo mês quatro lançamentos que os interlocutores da presidente consideram capazes de ajudar a melhorar a imagem.

Além do pacote de concessões de obras em infraestrutura, Dilma também quer lançar em junho em eventos pomposos, o Plano Safra, a terceira fase do programa habitacional Minha Casa Minha Vida e um programa de incentivo às exportações, cujo desenho está sendo finalizado.

As medidas de ajuste que estão no Senado precisam ser votadas até o final deste mês para que não percam a validade.

Autor: Tags: , , , , , ,

Brasil | 15:51

Índios fazem protesto em frente ao Palácio do Planalto

Compartilhe: Twitter

Um grupo de índios interrompeu o tráfego de veículos na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto.

Apesar da ausência da presidente Dilma Rousseff, que está a caminho do México, o grupo demanda uma audiência com ela para tratar da questão da demarcação.

A polícia foi acionada e está no local buscando uma forma de liberar as pistas.

Assista:

Autor: Tags: , ,

sexta-feira, 22 de maio de 2015 Política | 17:21

“Não é mais que uma gripe”, diz Barbosa sobre ausência de Levy

Compartilhe: Twitter

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, minimizou a ausência da Fazenda, Joaquim Levy, na coletiva de anúncio do corte de R$69,9 bilhões no Orçamento deste ano. “Não leiam isso como mais que uma gripe”, disse Barbosa. “O ministro Levy esteve conosco todo tempo detalhando este corte. Este esforço fiscal é de todo governo”, justificou.

Antes do anúncio, Levy defendia um valor acima de R$ 70 bilhões e de até R$ 80 bilhões.

 

 

Autor: Tags: , , ,

Economia, Sem categoria | 16:21

Levy falta a anúncio do Orçamento

Compartilhe: Twitter

ausencia_levyEsperado para o anúncio do contingenciamento no Orçamento deste ano, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não apareceu para a entrevista coletiva que daria ao lado do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa.

Em meio a rumores de que o pedido da cabeça do ministro, feito por senadores aliados do governo, teria funcionado, assessores explicaram que o motivo da ausência foi uma forte gripe.

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 21 de maio de 2015 Congresso | 15:41

Após beijo na Câmara, Malafaia diz que gays se dizem perseguidos para conseguir dinheiro do governo

Compartilhe: Twitter

 

Em meio às acusações de censura por parte da Presidência da Câmara ao XII Seminário LGBT e depois do beijo da cantora Daniela Mercury em sua mulher, Malu Verçosa, na abertura do evento, o pastor Silas Malafaia, que participava de um seminário evangélico no Senado, disse que “já não tem mais graça” acusarem os evangélicos de ódio contra homossexuais.

Segundo o líder religioso, esse discurso virou uma forma dos grupos defensores de direitos de gays conseguirem recursos do governo.

O seminário ocorreu a contragosto do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Cunha se recusou a enviar convites oficiais aos participantes, como é de costume. “Este é um seminário da Câmara”, protestou a deputada Erika Kokay (PT-DF), uma das participantes do encontro.

Os veículos de comunicação da Câmara, segundo os organizadores, não puderam divulgar o seminário e muito menos a foto de Daniela e sua mulher em uma cena de carinho, imagem escolhida para a divulgação do evento.

Assista:

Autor: Tags:

  1. Primeira
  2. 10
  3. 18
  4. 19
  5. 20
  6. 21
  7. 22
  8. 30
  9. 40
  10. 50
  11. Última