Publicidade

Posts com a Tag 2014

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013 Eleições, Partidos, Política | 21:51

Padilha e Mercadante preparam vitrine em São Paulo

Compartilhe: Twitter

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha (PT), que esteve presente nas comemorações do aniversário de São Paulo, se reúne no sábado (26) com a equipe do secretário municipal da Saúde, José de Filippi Júnior. As equipes do ministério e da prefeitura vão acertar o planejamento da rede Hora Certa, promessa de campanha do prefeito Fernando Haddad (PT), de ampliação do atendimento ambulatorial e exames.

De olho em 2014, Padilha entregou 84 ambulâncias do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para renovar a frota da cidade e anunciou o investimento de R$ 70 milhões para a construção de 16 UPAs (Unidade de Pronto Atendimento) 24 horas em São Paulo.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante (PT), também entrou na leva de anúncios para a cidade. Haddad anunciou a doação de dois terrenos para a construção de um campus da Universidade Federal de São Paulo na zona leste e de um campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia na zona noroeste da cidade.

Mercadante afirmou que já autorizou a criação dos cargos de professores e de técnicos administrativos para o campus da Unifesp na zona leste.

Autor: Tags: , , , ,

segunda-feira, 19 de novembro de 2012 Partidos | 10:00

PRB caça reforços e vai ao divã por 2014 em encontro estadual

Compartilhe: Twitter

O PRB já fixou uma meta para a eleição de 2014: quer eleger 15 deputados federais (em 2010, foram oito eleitos pela legenda).

Mas o partido pretende angariar reforços para cumprir sua missão.

O presidente nacional da legenda, Marcos Pereira, garante que mantêm conversas com diversos políticos “experimentados” para convencê-los a embarcar.

Perguntado quem seriam os alvos do interesse do PRB, Pereira faz mistério, mas afirma que no encontro estadual que o partido fará em São Paulo, no dia 25 de janeiro, apresentará alguns desses novos quadros experimentados.

Além do reforço, o PRB pretende aproveitar o encontro para um reflexão profunda sobre as eleições deste ano e o início do esforço motivacional para a corrida eleitoral de 2014.

Pereira faz sua reflexão das lições que 2012 ensinou, com a derrota de Celso Russomanno em São Paulo:

— Ficou claro que ir para uma campanha desse peso sem recursos e sem tempo de TV é algo temerário.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 1 de novembro de 2012 Política | 07:30

Montaria pronta

Compartilhe: Twitter

A possível saída de cena dos irmãos Gomes da disputa pelo governo do Ceará em 2014 (ver nota anterior), coloca o “cavalo encilhado” na frente do senador Eunício Oliveira (PMDB) para disputar o governo do Estado já nas próximas eleições.

O atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado tem mandato até 2019.

Autor: Tags: , ,

domingo, 28 de outubro de 2012 Eleições | 21:45

Tragédia de Serra é a glória de Aécio

Compartilhe: Twitter

O líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo (PE), diz que o senador Aécio Neves (PSDB-MG) sai das eleições municipais deste ano como grande articulador do partido e com musculatura para  disputar a sucessão da presidente Dilma Rousseff.

“O Aécio viajou o país inteiro e se habilitou como principal nome para 2014”, disse o deputado, que elogiou a análise do maior cardeal do partido, o ex-presidente Fernando Henrique, pregando renovação no ninho tucano.

A tragédia de José Serra, derrotado em São Paulo,  força mudanças na correlação de forças no PSDB. Deixa Aécio praticamente sozinho para disputar a indicação do partido, especialmente porque o governador paulita Geraldo Alckmin tem dito que sairá candidato à reeleição.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 8 de outubro de 2012 Eleições | 10:20

Heloísa Helena é a mais votada de Maceió e já trabalha para 2014 com Marina Silva

Compartilhe: Twitter

O chamado Chapão de Alagoas — que reuniu o prefeito Cícero Almeida (PEN) e os senadores Renan Calheiros (PMDB) e Fernando Collor de Mello (PTB) em torno da candidatura de Ronaldo Lessa (PDT) ao comando da capital do Estado –, amarga mais um problema além de ter perdido a eleição.

É que a ex-senadora Heloísa Helena (PSol) foi reeleita vereadora com a maior votação da capital do Estado.

Heloísa é uma potencial candidata a cargo majoritário em 2014. Tanto pode ser para governadora como para o Senado, concorrendo contra Collor ou Renan.

E terá como cabo eleitoral uma provável candidata à Presidência da República: Marina Silva.

No dia 26 de setembro, inclusive Marina esteve em maceió e afirmou, durante um comício, que se Heloísa fosse a mais votada, “da Câmara de Veradores fará um eco para o Brasil”.

Veja o discurso de Marina e confira se já não começou a aliança para 2014:

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 7 de outubro de 2012 Eleições | 20:23

Eduardo Campos se prepara para viajar o país no segundo turno e diz que PSB agora “é um partido adulto”

Compartilhe: Twitter

Considerado o maior vitorioso nessas eleições municipais, com seu candidato, Geraldo Júlio, eleito em primeiro turno para prefeito do Recife, o governador e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, está nesse momento indo ao encontro da imprensa para uma entrevista coletiva na qual fará um balanço das eleições.

No meio do caminho teve a notícia de outras vitórias, como a eleição do correligionário Márcio Lacerda em Belo Horizonte.

Também no meio do caminho, Eduardo Campos falou pelo telefone com a coluna.

Ele insiste que não é candidato em 2014. Mas admite que o seu PSB encorpou e agora “é um partido adulto”, que não estará “a reboque do PT” e que ele próprio pretende viajar o país, neste segundo turno, para ajudar seus aliados.

Poder Online — Pronto para disputar as eleições de 2014?

Eduardo Campos — Nada disso. Estou pronto para continuar ajudando a presidenta Dilma Rousseff a fazer o Brasil voltar a crescer e superar os problemas impostos pela crise internacional. Ocorreram agora as eleições de 2012. Ninguém vai tratar neste momento de 2014. Está muito distante.

Poder Online — Mas o que se fala é que, com o desempenho do PSB nessas eleições, o senhor se credencia a disputar a Presidência.

Eduardo Campos — O desempenho do PSB nessas eleições credencia o partido e entrar na fase adulta. É isto o que ocorreu agora nessas eleições. Nós crescemos. Saímos da adolescência. Somos um partido adulto.

Poder Online — E como fica a relação com o PT nesta fase?

Eduardo Campos — Fica como sempre esteve. Uma relação de respeito, de companheirismo. O que ocorreu nestas eleições, apenas, é que mostramos que o PSB é um partido com identidade própria. Que não tem condições de estar a reboque de nenhum outro partido, mesmo que seja aliado como o PT.

Poder Online — E como fica em Pernambuco, depois das animosidades ocorridas na campanha do Recife?

Eduardo Campos — Vamos voltar a ter a relação cordial e fraterna que sempre tivemos. O Geraldo Júlio vai procurar o PT. O partido tem muitos integrantes aqui do Diretório da capital que são próximos do Geraldo e do PSB. Vamos convidá-los a conversar. O PT já integra e continuará integrando a base do governo do Estado. Enfim, vamos em frente.

Poder Online — O senhor vai viajar o país no segundo turno?

Eduardo Campos — Vou sim. Onde os aliados me chamarem, eu vou. Onde o PSB precisar de mim, sou um soldado do partido.

Poder Online — E isso não é campanha para 2014?

Eduardo Campos — Nada disso. Estamos em 2012.

Autor: Tags: , ,

Eleições | 13:38

Vitórias em São Paulo, Recide e Belo Horizonte pouco influirão em 2014, diz Marcos Coimbra

Compartilhe: Twitter

Artigo do presidente do Instituto Vox Populi de pesquisas eleitorais, o sociólogo Marcos Coimbra, publicado hoje no jornal Correio Braziliense:

Três destaques

Sem desmerecer nenhuma, nestas eleições, o interesse nacional se concentrou em apenas três cidades.

Hoje à noite, saberemos o que nelas aconteceu – bem como em todas.

As eleições dos prefeitos de São Paulo, Belo Horizonte e do Recife motivaram mais discussões, receberam maior cobertura jornalística e foram mais atentamente acompanhadas que as outras. Mas não por ser as mais importantes.

É bom para qualquer partido, grupo político ou pretendente a candidato presidencial terminar a eleição como “vitorioso” nessas cidades. O que não quer dizer que seja inequívoco o significado da expressão “vitória”.

Tampouco é óbvio o impacto que sair-se bem nas três tem na política nacional ou estadual. Já tivemos tantas combinações de resultados que não faz sentido imaginar que só uma hipótese exista.

Em Belo Horizonte, por exemplo, o PT venceu a eleição de prefeito em 1992 com Patrus Ananias e o PSDB elegeu Eduardo Azeredo para o governo mineiro dois anos depois. O mesmo se repetiu em 2004 e 2006, com Fernando Pimentel e Aécio. O fato de o PT ter o prefeito da capital não foi garantia de sucesso na disputa seguinte para o governo do estado.

Assim como ocupar o Palácio da Liberdade não levou o PSDB à prefeitura da cidade.

Quanto às eleições presidenciais, a pouca vinculação entre escolhas locais, estaduais e nacionais fica evidente se lembrarmos que, em 2010, Marina Silva venceu o primeiro turno em Belo Horizonte, apesar do tamanho que PT e PSDB têm na cidade e em Minas.

A força de Eduardo Campos em Pernambuco não aumenta se o candidato que indicou, Geraldo Julio, vencer a eleição no Recife – hoje ou no segundo turno. Nem diminui se não.

Se vier a sofrer uma derrota (o que não parece provável), o governador continuará a principal liderança do estado. Se ganhar, apenas confirmará algo que ninguém discute.

E ele, mais que qualquer pessoa, sabe que não será o resultado do Recife que o tornará um presidenciável viável.

E São Paulo?

Não há exemplo maior da desconexão entre as eleições de prefeito e as outras que a vitória de Celso Pitta em 1996. O PSDB estava no governo do estado e na presidência da República, mas foi derrotado pelo herdeiro de Paulo Maluf.

Permanece no Palácio dos Bandeirantes desde 1994, apesar das mudanças na administração da capital.

Lula perdeu e ganhou eleições presidenciais com o PT na prefeitura. E as derrotas tucanas desde 2006 nada tiveram a ver com quem lá estava.

O que as eleições nas três cidades têm é importância política e simbólica. Nas sucessões estaduais e nacionais, não são decisivas.

O “grande duelo” deste ano, que ocorreria em São Paulo, tendo Lula de um lado e o PSDB do outro, não aconteceu – pelo menos por enquanto, pois não se pode excluir um segundo turno entre os dois. Celso Russomano alterou o jogo.

Qualquer que seja o resultado final, PT e PSDB sofreram com isso. Se um dos dois não estiver no segundo turno, mais que o outro. Mas nenhum terá a vitória que desejava.

No Recife, o PSDB ganha, mesmo se Daniel Coelho não vencer. Fez a coisa certa apostando na renovação, o que, em política, costuma gerar dividendos, se não no curto, no longo prazo. E o PT errou, confundindo-se em conflitos internos que impediram a manutenção da aliança com Eduardo Campos. Só por isso não estão juntos e não por “estratégia do PSB”, como alguns, equivocadamente, interpretam.

Quanto a Belo Horizonte, em qualquer cenário, o PT sai fortalecido da eleição. Pela primeira vez em vários anos, está unificado.

Mas não é mais hora de imaginar o que pode acontecer.

Autor: Tags: , , , , , , ,

Eleições | 13:05

Derrota de Lessa atrapalha projetos de Renan e Collor para 2014

Compartilhe: Twitter

Obrigado a desistir de sua candidatura à Prefeitura de Maceió por conta de o Tribunal Regional Eleitoral ter-lhe negado registro, o ex-governador Ronaldo Lessa (PDT), por ironia do destino, votou numa escola chamada Patinho Feio.

Ele acompanhou pela cidade no dia da votação o seu susbtituto na chapa,  Jurandir Bóia (PDT).

Lessa integrava o chamado Chapão de Maceió, unindo-o ao atual prefeito Cícero Almeida (PEN) e aos senadores Fernando Collor de Mello (PTB) e Renan Calheiros (PMDB).

Sua provável derrota hoje embola o jogo em Alagoas para 2014.

O grupo lançaria a candidatura de Renan a governador, e Fernando Collor para disputar a reeleição para o Senado.

Teria Lessa com o controle da máquina da capital, que conta com grande parte do eleitorado do Estado, contra a máquina do governador tucano Teotônio Vilela, que deverá concorrer ao Senado.

Agora, com o favoritismo de Rui Palmeira (PSDB) para prefeito, os tucanos devem controlar em 2014 as máquinas do governo do Estado e da capital.

Portanto, Téo tende a se tornar um candidato fortíssimo para o Senado e, seu candidato à sucessão, idem.

Autor: Tags: , , , , , , ,

sexta-feira, 5 de outubro de 2012 Eleições | 14:01

Eduardo Campos já prepara reaproximação com o PT para o segundo turno

Compartilhe: Twitter

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), jádá como certo que o candidato do PT a prefeito do recife, Humberto Costa, não chegará ao segundo turno.

Por conta disso, prepara como sua principal empreitada do pós 7 de outubro convencer o ex-presidente Lula a levar Humberto a apoiar o candidato do PSB, Geraldo Júlio, no caso de um disputa contra neo-tucano Daniel Coelho.

Campos quer fazer o milagre de juntar Humberto Costa, o ex-prefeito João Paulo e o atual prefeito João da Costa em torno de Geraldo Júlio

Tudo em nome da “velha amizade” PSB-PT…

Afinal, o PT não quer o seu apoio à reeleição de Dilma Rousseff em 2014?

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 25 de setembro de 2012 Eleições | 12:16

Pedro Taques pavimenta candidatura a governador do Mato Grosso

Compartilhe: Twitter

Candidato a prefeito de Cuiabá pelo PSB, Mauro Mendes revelou à imprensa local que seu partido planeja apoiar para governador de Mato Grosso, em 2014, o senador Pedro Taques (PDT), em aliança com o também senador Blairo Maggi (PR).

Estrela da CPI do Cachoeira, Taques já detém o controle de seu partido no Estado, antes disperso. Em aliança com o PR e o PSB se tornaria mesmo um candidato fortíssimo.

Autor: Tags: , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última