Publicidade

Posts com a Tag Aloizio Mercadante

quarta-feira, 5 de novembro de 2014 Governo | 06:00

Tudo sobre o novo ministério passa por Aloizio Mercadante

Compartilhe: Twitter
O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, se licencia do cargo para integrar campanha de Dilma. (Foto: Agência Brasil)

O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, se licencia do cargo para integrar campanha de Dilma. (Foto: Agência Brasil)

Quem acompanha de perto as negociações para a recomposição do ministério no segundo mandato de Dilma Rousseff diz que as negociações sobre indicações deram mais um gás no ministro Aloizio Mercadante.

Tudo o que está sendo discutido passa pelo chefe da Casa Civil.

 

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 29 de outubro de 2014 Governo | 09:00

Para oposição, Dilma faz cortina de fumaça em torno da indicação para a Fazenda

Compartilhe: Twitter
A presidente Dilma Rousseff. (Foto: Alan Sampaio / iG Brasília)

A presidente Dilma Rousseff. (Foto: Alan Sampaio / iG Brasília)

Integrantes da oposição avaliam que a presidente Dilma Rousseff decidiu criar uma cortina de fumaça em torno do Ministério da Fazenda. A tese é que a presidente decidiu deixar correr solta a especulação de que a vaga poderia ir para nomes como o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, ou o ex-secretário da pasta Nelson Barbosa, justamente para desviar as atenções das articulações que estão em andamento.

A aposta é que a presidente estaria pensando mesmo em um nome menos político e mais ligado ao mercado para o posto.

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 7 de outubro de 2014 Eleições | 18:20

Mercadante se licencia do ministério para integrar campanha de Dilma

Compartilhe: Twitter
O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, se licencia do cargo para integrar campanha de Dilma. (Foto: Agência Brasil)

O ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, se licencia do cargo para integrar campanha de Dilma. (Foto: Agência Brasil)

O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, vai se licenciar do cargo para integrar o comando da campanha da presidente Dilma Rousseff.

Dilma deu a notícia aos petistas nesta tarde, quando se reuniu a portas fechadas com candidatos eleitos, para fazer um diagnóstico da eleição e alinhar a estratégia do segundo turno.

Leia também: PT convoca reunião em Brasília para discutir segundo turno

 

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 27 de maio de 2014 Eleições | 06:00

Desgaste de Haddad antecipa disputa pela prefeitura em 2016

Compartilhe: Twitter

Embora ainda esteja mais concentrado na corrida eleitoral deste ano, o PT de São Paulo já começa, discretamente, a discutir o cenário para a prefeitura em 2016. O motivo da antecipação do calendário é um só: a popularidade baixa do prefeito Fernando Haddad.

Leia também: Lula manda Fernando Haddad sair do gabinete e ir para a rua

Haddad: desgaste antecipa disputa pela vaga (foto: Paduardo/Futura Press)

Haddad: desgaste antecipa disputa pela vaga (foto: Paduardo/Futura Press)

O desgaste da administração municipal já alimenta nos bastidores a tese de que, se não houver uma recuperação da imagem do ex-ministro da Educação, o PT pode optar por não lançá-lo à reeleição. Automaticamente, nomes começaram a circular internamente como opções para a vaga.

O primeiro deles é o da ex-prefeita Marta Suplicy. Enquadrada pelo ex-presidente Lula, ela se retirou do páreo para a corrida municipal em 2012 e acabou sendo alocada no Ministério da Cultura. Mas o mandato de Marta no Senado termina no mesmo ano e a expectativa da direção petista é de que ela não deve demorar para se movimentar mais abertamente nesse sentido.

O segundo nome citado é o do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. Mesmo tendo se firmado como um dos homens mais poderosos do governo Dilma, há no partido quem acredite que ele estaria disposto a abrir mão do espaço na administração federal para concorrer em São Paulo. Dizem que o ministro “sonha” com um cargo importante no Executivo e não se negaria a concorrer, se recrutado pelo partido para a disputa.

Embora com menos força, um terceiro nome aparece entre os cotados – o do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. Com pouco respaldo interno no PT, ele sempre teve dificuldade de viabilizar uma candidatura a um cargo no Executivo, apesar de ter se colocado diversas vezes à disposição do partido. Mas parte do comando petista acredita que, por ter comandado o ministério por vários anos, ele agora viria com uma marca importante na área de segurança pública, o que jogaria a seu favor na disputa interna.

 

 

 

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 11 de abril de 2014 Governo | 07:30

Com troca na articulação, Mercadante vira low profile

Compartilhe: Twitter
Aloizio Mercadante (Foto: Cesar Ogata)

Aloizio Mercadante (Foto: Cesar Ogata)

Quem transita bem no Palácio do Planalto explica a recente discrição do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante.

O plano é deixar claro que não haverá nenhum tipo de sobressalto na relação entre sua pasta e a nova articulação política do governo.

Recém-alocado na Secretaria de Relações Institucionais, o deputado Ricardo Berzoini deu outro perfil para a pasta, argumenta um petista bem articulado no governo.

O acordo, segundo ele, foi simples: trabalho conjunto, mas com cada macaco no seu galho.

Autor: Tags: , ,

domingo, 23 de março de 2014 Congresso | 07:00

‘Nem precisa de articulação para evitar’, diz Vicentinho sobre CPI da Petrobras

Compartilhe: Twitter
Vicentinho (foto: divulgação)

Vicentinho (foto: divulgação)

Às vésperas de uma semana decisiva para o Congresso Nacional, o deputado federal Vicentinho (SP), líder do PT na Câmara, adota um discurso para lá de otimista.

Sobre a tentativa de instalar com urgência uma CPI para investigar as recentes denúncias contra a Petrobras, incluindo a compra da Refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, o líder petista é ousado em dizer que que “nem precisa de articulação para evitar”. “É uma tentativa eleitoreira, de desgaste. Até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso já se posicionou contra a instalação de uma CPI, nesse momento”, diz.

A confiança do discurso de Vicentinho se estende também para a votação do Marco Civil da Internet. O petista acredita no esvaziamento do chamado Blocão e na solução da crise entre governo e base aliada. “Diria que 80% já está com a gente”, afirma ele.

Poder Online – Qual a estratégia do PT na Câmara para enfrentar a CPI da Petrobras?
Vicentinho –
Só o que existe é uma tentativa – que eu considero vã – de instalar essa CPI. Mas existe uma fila grande de CPIs para serem instaladas antes e eles não vão conseguir passar na frente. Esse pedido de urgência não tem o menor cabimento. Nem precisa de articulação para evitar. Essa história da Petrobras é um caso de oito anos atrás, que já está muito bem resolvido. É uma tentativa eleitoreira, de desgaste. Até o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso já se posicionou contra a instalação de uma CPI nesse momento. E a base também, eles já estão quase todos conosco.

A base está voltando? É o fim do blocão, então?
É a volta de quem nunca deveria ter saído, na verdade. Eu não posso te dizer quem, mas eu diria que 80% já está com a gente.

Mas essa crise ainda vai ter impacto nas eleições de 2014? A oposição vai conseguir se aproveitar disso?
Olha, eu espero que não. No Parlamento, a gente já sente que tem cada vez mais uma proximidade, prova disso é a votação do Marco Civil da Internet, na semana que vem, que já demonstra que a maioria está junta.

Como vai ser a votação de terça-feira? Tem algum artigo específico que teve de ser negociado?
A votação deve ser quase por unanimidade. Tem uma ou outra questão que ainda podem ser discutidas, como os datacenters, por exemplo. Mas da neutralidade a gente não abre mão. Existe um entendimento da importância histórica para o planeta, desse projeto, inclusive por deputados da oposição.

E com relação à Medida Provisória 627, sobre a tributação de multinacionais brasileiras no exterior, já existe algum consenso?
Ainda não. Na segunda-feira, haverá uma reunião com os técnicos das bancadas dos partidos e do Ministério da Fazenda para cristalizar bem as divergências e o entendimento do que é prioritário. A partir disso, devemos ter a votação na Comissão Especial, para depois ir ao Plenário.

A reunião da bancada do PT com o ex-presidente Lula, marcada para esta semana, pode ajudar a resolver a crise com a base aliada de uma vez por todas?
A conversa não vai mais ser nesta semana, porque o Lula terá de viajar e está muito cansado, mas pode ser na segunda-feira que vem. Será uma reunião com ele, o [Aloizio] Mercadante e o Rui Falcão. Eles acompanham melhor a conjuntura nacional e com certeza contribuirão para os posicionamentos da bancada, na Câmara. Inclusive sobre assuntos como Petrobras e as eleições de 2014, que fazem parte dessa conjuntura.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 19 de março de 2014 Governo | 07:00

Em meio à crise, PSD ameaça mais uma vez abandonar base aliada

Compartilhe: Twitter

Foi durante reunião da bancada do PSD na Câmara que o líder do partido, Moreira Mendes (RO), recebeu o telefonema do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, confirmando uma conversa entre o governo e o partido para esta manhã.

O telefonema veio bem na hora em que o deputado federal Walter Tosta (MG) questionava a relação do partido com o Planalto.

“Confesso que não me vejo aqui em 2015. Mesmo votando sempre com o governo, não tive nenhuma emenda aprovada. Perdi R$ 14,4 milhões”, queixou-se Tosta, “não entendo o que o PSD faz hoje no governo federal”, critica ele.

Moreira Mendes deu razão ao companheiro e aproveitou para convidá-lo ao encontro com Mercadante, marcado para hoje cedo.

Assista:

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 18 de março de 2014 Congresso | 20:00

Fechado acordo para aprovar PEC que prorroga zona franca de Manaus

Compartilhe: Twitter
Bancada do AM se reuniu com Mercadante (foto: divulgação)

Bancada do AM se reuniu com Mercadante (foto: divulgação)

A bancada do Amazonas no Congresso se reuniu com líderes de diversos partidos e com o ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) e garantiu apoio para votar e aprovar a Proposta de Emenda à Constituição 506-A/2010, que prorroga por mais 50 anos os benefícios fiscais da Zona Franca de Manaus, na quarta-feira.

“Pela lei atual, a zona franca sobrevive até 2023 e nove anos é um período curto para as empresas, que têm de fazer investimentos muitos pesados, se mudarem”, afirmou a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que participou das negociações.

No ano passado, o PSDB apresentou uma emenda que pedia a extensão dos benefícios fiscais do setor de informática por mais 50 anos e a PEC foi retirada de pauta. Só agora, os líderes entraram em acordo para vota o benefício ao setor em separado, após a PEC.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 6 de março de 2014 Política | 15:07

Presidente do PMDB planeja esboçar reforma ministerial em reunião com Mercadante

Compartilhe: Twitter

O presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (PMDB-RO), tem dito a aliados que não definirá nada a respeito da reforma ministerial antes de falar como o vice-presidente Michel Temer, que está em viagem e retorna a Brasília no sábado.

Raupp deve se reunir no final dessa tarde com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, para tratar do teme em busca de um caminho para por fim à crise entre o PMDB e o governo.

Apesar de não ter planos de bater o martelo hoje, o dirigente do PMDB espera sair do encontro com um esboço mais claro a respeito das posições que o serão oferecidas pelo Planalto para então fechar o assunto com Temer.

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014 Governo | 09:00

Um futuro para Aloizio Mercadante

Compartilhe: Twitter
Aloizio Mercadante (Foto: AE)

Aloizio Mercadante (Foto: AE)

Quem circula bem no governo acredita que a permanência de Aloizio Mercadante na Casa Civil pode não ser tão longa assim. Diante da perspectiva de saída de Guido Mantega no governo no ano que vem, há quem avalie que a presidente Dilma Rousseff pode optar por transferir Mercadante para a Fazenda.

A ideia não deve soar muito mal aos ouvidos de Mercadante. Afinal, ele já sonhou com o posto lá atrás, quando o então presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva montava seu primeiro governo.

Isso tudo por causa da tese de que Dilma pode trazer outro petista para a Esplanada, que se encaixaria bem na Casa Civil uma vez encerrado o ano eleitoral: o governador da Bahia, Jaques Wagner.

Autor: Tags: , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. Última