Publicidade

Posts com a Tag Câmara dos Deputados

sexta-feira, 6 de novembro de 2015 Congresso | 14:29

Servidores da Câmara preparam ato contra gestão Cunha

Compartilhe: Twitter
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e sua mulher, Cláudia Cruz. (foto: Luciana Lima)

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e sua mulher, Cláudia Cruz. (foto: Luciana Lima)

Revoltados com o tratamento recebido ao chegarem ao trabalho nesta sexta-feira (6), funcionários da Câmara dos Deputados já preparam um ato contra as medidas ordenadas pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para a próxima terça-feira (10).

A manifestação está marcada para as 10 horas no Espaço do Servidor, ao lado da Biblioteca da Câmara.

Além disso, para mostrar a inviabilidade de ter que passar por revista para se chegar ao trabalho, os servidores combinaram que entrarem todos pela Chapelaria, acesso principal da Câmara, por onde chega a maior parte dos deputados, inclusive o presidente, que tem sua vaga de garagem privativa no local.

Nesta sexta-feira, funcionários tiveram que passar por detectores de metal e raio X para entrarem na Câmara. A medida, tomada pela Direção da Câmara, ocorreu depois que um manifestante atirou sobre Cunha uma “chuva de dólares” com sua foto impressa nas cédulas.

Cunha é acusado pelo Ministério Público Federal de manter contas na Suíça pelas quais teriam passado dinheiro proveniente de propina do esquema investigado pela Operação Lava Jato. Informações prestadas pelo Ministério Público da Suíça apontam sua mulher, a jornalista Cláudia Cordeiro Cruz, como titular de contas que o beneficiam e que teriam recebido recursos ilegais.

 

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 22 de setembro de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 15:11

Picciani tem dificuldades em entregar a Dilma PMDB apaziguado

Compartilhe: Twitter
Leonardo Picciani (foto: divulgação)

Leonardo Picciani (foto: divulgação)

Integrantes da bancada do PMDB na Câmara, rebeldes ao governo, tem reclamado que, no último mês, desde que o líder, deputado Leonardo Picciani (RJ), deu início a um diálogo mais próximo com a presidente, ele não tem realizado a tradicional reunião semanal da bancada das terças-feiras.

Na semana passada, Picciani chegou a chamar os deputados para o costumeiro encontro, mas, diante do atraso de uma hora e meia, muitos parlamentares decidiram não esperar, irritados.

Picciani marcou reunião para esta terça-feira, quando terá que apaziguar os ânimos da bancada, enfurecida com o veto da presidente Dilma Rousseff ao nome do deputado e ex-ministro Saraiva Felipe, para comandar o Ministério da Saúde.

Felipe esteve a frente da pasta no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no entanto, gestão marcada por seu envolvimento com a chamada Máfia das Sanguessugas. Ele teria nomeado como sua assessora uma ex-funcionária da empresa Planam, Maria da Penha Lino. A Planam era o centro da investigação do esquema que envolvia emendas parlamentares e fraudes em licitações.

A sugestão foi levada a Dilma pelo líder como sugestão para a reforma ministerial que deverá ser anunciada nesta quarta-feira.

Perante a bancada, o líder tem passado a ideia de fragilidade ao não conseguir emplacar o indicado. Já o governo teme que a articulação com Picciani acabe azedando ainda mais a relação com a Câmara e, principalmente com o PMDB. Isso porque, integrante do Planalto já enxergam que a Picciani exerce uma liderança “outorgada” pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ).

Agora, como interlocutor privilegiado do Planalto, teme que ele não tenha a ascendência necessária para entregar o que Dilma espera: uma bancada menos rebelde.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 18 de setembro de 2015 Congresso, Governo, Partidos, Política | 15:02

Governo conta com Cunha para barrar impeachment, mas teme articulação da oposição

Compartilhe: Twitter
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff. (Foto: Divulgação)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilma Rousseff. (Foto: Divulgação)

As devoluções, arquivamentos e postergações de decisão sobre os pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, por parte do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), são visto pelos auxiliares mais próximos da presidente como sinais de que ele não dará prosseguimento ao processo de impeachment, de forma monocrática, competência garantida ao presidente da Câmara, pela Constituição Federal.

No entanto, o governo teme que, diante de uma provável negação de Cunha, deputados de oposição, e até mesmo de partidos da base rebeldes ao governo, consigam aprovar recurso, dando início, em Plenário, à tramitação.

O assunto foi objeto de conversa da presidente Dilma com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na quinta-feira, no Palácio da Alvorada. Os dois se encontraram com o objetivo de traçar estratégia para enfrentar a deterioração do cenário político das últimas semanas, inclusive a eminência de um processo de impeachment a ser deflagrado na Câmara.

Na semana passada, a oposição levantou uma questão de ordem tratando deste assunto, que deve ser respondida por Cunha na próxima segunda-feira (21). Ao receber o principal pedido até agora, assinado pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior, Cunha disse que primeiro responderia a questão de ordem, depois decidiria sobre ele sem, no entanto, falar de prazos. Enquanto isso, a ordem no governo é negociação intensa no Congresso, principalmente na Câmara.

Dilma escalou seus ministros mais habilidosos para a função, entre eles o de Comunicação, Ricardo Berzoine, que também finaliza o novo desenho da Esplanada a ser anunciado na próxima quarta-feira (23); da Defesa, Jaques Wagner; além do chefe do Gabinete Pessoal da presidente, Giles Azevedo, que tem conseguido resultados importantes na negociação com a ala do PMDB mais rebelde da Câmara.

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 24 de agosto de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 18:34

Temer chama base para habitual reunião de articulação

Compartilhe: Twitter
O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB). Foto: Agência Brasil

O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB). Foto: Agência Brasil

A contar pela agenda do vice-presidente, Michel Temer, as pautas da Câmara ou do Senado fazem parte dos assuntos da “macropolítica”, que continuarão sob sua responsabilidade.

Temer enviou aos líderes da Câmara, nesta tarde, o convite para a habitual reunião da terça-feira (25), quando se define as estratégias do governo para a semana na Câmara. A reunião ocorrerá no Gabinete da Vice Presidência.

Além disso, de acordo com interlocutores do vice, ele continuará participando das reuniões da coordenação política no Planalto.

Na prática, a função desempenhada na articulação política pelo vice-presidente permanecerá quase inalterada, já que o governo finalizou a fase de nomeações de cargos nos segundo e terceiro escalão, tarefa que era desempenhada principalmente pelo ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB-RS).

Os trabalhos do governo agora se voltam, principalmente, para o corte de pastas, anunciado pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa. Nas negociações para os cortes, a presidente Dilma Rousseff contará com a ajuda do vice nas definições

 

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 13 de agosto de 2015 Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 19:27

Senadores “independentes” se apresentam a Dilma como alternativa no Senado

Compartilhe: Twitter
Senador Cristovam Buarque (PDT-DF), vai ao Planalto com grupo de senadores "independentes"

Senador Cristovam Buarque (PDT-DF), vai ao Planalto com grupo de senadores “independentes”

O grupo de senadores que se autodenomina “independente” está reunido neste momento com a presidente Dilma Rousseff para se apresentar como “alternativa” de diálogo diante das dificuldades que o governo vem enfrentando no Congresso.

Fazem parte do encontro os senadores Acir Gurgaz, líder do PDT no Senado, Cristóvam Buarque (PDT-DF), Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), João Cabiberibe (PSB-AP), Lasier Martins (PDT-RS), Lídice da Mata (PSB-BA) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

O encontro havia sido pedido ao vice-presidente Michel Temer, responsável pela articulação política, em carta enviada no início da semana.

Temer não respondeu e na quarta-feira (12) a assessoria da presidente retornou marcando o encontro que é considerado estratégico para reforçar o contraponto que o governo vem construindo no Senado, à oposição declarada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Ao Planalto, o diálogo ainda servirá para minimizar os efeitos das dissidências da base anunciadas pelo PDT e pelo PTB da Câmara, sob a influência de Cunha.

Tal como fez o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que sugeriu a chamada “Agenda Brasil”, os independentes chegaram ao Planalto com outra agenda que deverá servir de ponto de partida para a aproximação.

Entre as propostas estão as que tratam da reforma política e ainda as que envolvem o compromisso de que o ajuste fiscal não atingirá conquistas sociais e investimentos em infraestrutura.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

terça-feira, 30 de junho de 2015 Congresso | 19:02

Líder do governo faz cálculos e estima 217 votos contra redução da maioridade

Compartilhe: Twitter

O líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), está fazendo contas sem parar para saber se será possível impedir a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição 171/93, que estabelece a redução da maioridade penal para 16 anos em casos de crimes hediondos, homicídio doloso, lesão corporal grave e lesão corporal seguida de morte.

Ao lado do deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), que é contrário à redução da maioridade, Guimarães rabisca um papel em que faz uma espécie de projeção de votos em cada uma das bancadas. Segundo os cálculos do líder, 217 deputados votarão contra a redução da maioridade penal.

Noves fora, se as contas de Guimarães estiverem corretas, a PEC 171/93 será derrotada. O quórum da sessão ainda não está próximo do máximo, de 513 deputados. Se realmente 217 votarem contra o texto, a PEC em tese poderia receber somente 296 votos. Para ser aprovada na Câmara, uma PEC precisa de no mínimo 308 votos.

Ainda assim, o líder continuou sua consulta entre os colegas e ao encontrar  Silvio Costa (PSC-PE), perguntou ao vice-líder do governo o que ele achava.

Costa disse que tudo depende do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “O problema é o Cunha esperar o quórum melhorar. Com esse quórum, dá para ganhar, mas se ele ficar segurando até ter 500 deputados, aí acho que não dá”, opinou Costa.

A lista de Guimarães tem votos em todos os partidos, inclusive na oposição, como no DEM e no PSDB.

Autor: Tags: , , , , , ,

Brasil, Congresso, Governo, Partidos, Política | 14:22

Lula é contra fim da reeleição e aumento de mandato de chefe do Executivo

Compartilhe: Twitter
Os ex-presidentes da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foto: Ricardo Stuckert / PR

Os ex-presidentes da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Foto: Ricardo Stuckert / PR

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ser contra o fim da releição, medida aprovada pela Câmara, e única proposta da reforma política colocada em votação pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que deverá ser confirmada no Senado.

Lula citou os Estados Unidos e vários outros países democráticos desenvolvidos que adotam a reeleição, em café da manhã com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

O ex-presidente também disse que é contra aumentar o mandato do chefe do executivo para cinco anos.

Ao argumentar, o ex-presidente fez um alerta aos peemedebistas, lembrando os tempos de Fernando Henrique Cardoso e disse que qualquer governante, que chegar  ao fim do mandato com uma aprovação razoável, deverá aprovar de novo a reeleição e acabar ficando 10 ou 12 anos no poder.

Autor: Tags: , , , , , ,

quarta-feira, 17 de junho de 2015 Congresso | 20:45

Feliciano improvisa cartaz para responder a provocações de manifestantes

Compartilhe: Twitter

Ao dirigir-se para o Plenário em que estava sendo realizada a discussão sobre a diminuição da maioridade penal, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) foi alvo dos manifestantes que protestavam contra a redução.

Já dentro do Plenário, Feliciano resolveu improvisar para responder às provocações e produziu um pequeno cartaz.

“A molecada lá fora disse para eu pegar Jesus e colocar num lugar que não tenho coragem de falar para você, dizendo que não os represento. Escrevi isso aqui para eles”, disse Feliciano exibindo o pequeno cartaz onde lia-se “4º + votado do Brasil”.

Assista:

Autor: Tags: , ,

terça-feira, 16 de junho de 2015 Congresso | 15:28

Clubes pedem e deputado adia leitura do relatório final da MP do Futebol

Compartilhe: Twitter

O deputado Otávio Leite (PSDB-MG) resolveu adiar por mais um dia a leitura do relatório final sobre a MP do Futebol.

A MP do Futebol cria uma série de obrigações para os clubes para que eles possam aderir a um programa do parcelamento de dívidas.

Segundo estimativas, a dívida dos clubes com a União chega a algo próximo de R$ 4 bilhões.

“É mais um dia, o prazo está apertando? Sim. É verdade, mas no meu entendimento é como se fosse a última volta do ponteiro. Depois de ouvi-los farei a leitura do relatório”, disse o relator. “De amanhã não passa”, prometeu. “É óbvio que eles devem estar querendo umas facilidades a mais”, acrescentou o deputado tucano.

Assista:

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 10 de junho de 2015 Congresso | 18:31

Misses desfilam na Câmara no Senado em dia de votações e gás de pimenta

Compartilhe: Twitter

Enquanto os protestos contrários a redução da maioridade penal eram reprimidos com gás de pimenta pela polícia legislativa, na comissão especial, um grupo de misses, uma de cada estado brasileiro, se dedicou a desfilar pelos plenários da Câmara e do Senado. Bem na hora do protesto, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu recebê-las e, segundo uma das representantes, desejar sorte.

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última