Publicidade

Posts com a Tag censura

quarta-feira, 14 de outubro de 2015 Congresso | 08:41

Cunha tira do ar programa premiado da TV Câmara

Compartilhe: Twitter
O presidente de Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Foto: Alan Sampaio / iG Brasília

O presidente de Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Foto: Alan Sampaio / iG Brasília

O diretor-executivo da Secretaria de Comunicação da Câmara, Claudio Lessa, nomeado pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha, decidiu retirar do ar o programa Participação Popular, uma das principais atrações da TV Câmara.

A última edição foi ao ar na sexta-feira (9), para surpresa da equipe do programa que já conta com 300 edições e no ano passado ganhou o prêmio engenho de Comunicação na categoria Inovação. Não houve aviso da decisão, nem para a equipe nem para os telespectadores, que ao assistir o programa não sabiam que seria o último.
O apresentador Fabrício Rocha, que é servidor de carreira da Câmara, é filiado ao PSOL. Este é o motivo alegado nos bastidores.Lessa é também funcionário de carreira da Câmara e mantém um blog dirigido a críticas ao PT.
O PSOL encabeça o rol de partidos que pede a saída de Cunha da Presidência da Câmara, principalmente depois da divulgação de detalhes das movimentações das contas de seus parentes na Suíça, investigada pela Operação lava Jato. A representação entregue pelo PSOL e pela Rede ao Conselho de Ética da Câmara, nesta semana, conta com 48 assinatura.
De acordo com os últimos levantamentos da TV Câmara, o programa está entre os três com maior audiência da TV Câmara, ao lado de Brasil Caipira e Câmara Ligada.
O programa é o que tem a linha mais popular da grade já que o público participa com perguntas e comentários a partir de links espalhados por Brasília ou em outras capitais. O formato ainda permite participações por e-mail, pelo telefone gratuito da Câmara e pelas redes sociais por meio do twitter ou facebook. No estúdio, dois convidados participam dos debates e um deputado é ouvido pelo telefone.
Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 17 de setembro de 2015 Congresso, Justiça | 19:42

Para defazer suspeitas de censura, Cleber Verde garante espaço ao PSOL na TV Câmara

Compartilhe: Twitter

Net_Deputado_Cleber_VerdeO secretário de comunicação da Câmara, deputado Cleber Verde (PRB-MA), tratou de desfazer o desconforto gerado pelas suspeitas de “veto” nos veículos da Câmara, a deputados do PSOL e outros parlamentares críticos à atuação do presidente da Câmara Eduardo Cunha.

Para compensar a não transmissão pela TV Câmara, da sessão solene, que comemorou os 10 anos do PSOL, na última terça-feira, Verde garantiu aos deputados do PSOL que a sessão será exibida no sábado, na programação da TV.

Além disso, a produção também tratou de gravar com o líder do PSOL, Chico Alencar (RJ), o programa Palavra Aberta. A gravação ocorreu nesta quinta-feira (17) e o programa, que falará da história do partido, será exibido na próxima segunda-feira (21).

O líder não perdeu tempo durante a gravação de 11 minutos e acabou fazendo um trocadilho. Avisou que a sessão solene seria “prisada”, em vez de reprisada, já que não foi exibida ao vivo, como é de costume nas atividades do Plenário.

 

 

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 16 de setembro de 2015 Congresso | 16:42

Deputados do PSOL cobram explicação de Cleber Verde sobre veto na TV Câmara

Compartilhe: Twitter
O líder do PSOL na Câmara, Ivan Valente. (Foto: Divulgação)

O líder do PSOL na Câmara, Ivan Valente. (Foto: Divulgação)

Os deputados do PSOL marcaram uma reunião na tarde desta quarta-feira (16) para cobrar explicações do secretário de Comunicação da Câmara, deputado Cleber Verde (PRB-MA), sobre as suspeitas de veto a parlamentares do partido e outros deputados críticos ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nos veículos de comunicação da Câmara.

Os parlamentares pretendem, no encontro, entregar um documento formal de repúdio à censura que teria sido praticada durante a sessão solene de comemoração dos 10 anos do partido, na última terça-feira.

Contrariando a regra até então adotada pela TV Câmara, a sessão não foi transmitida, dando lugar a uma programação gravada de uma das comissões da Casa.

O encontro está marcado para as 17h30.

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 15 de setembro de 2015 Congresso, Justiça | 19:40

Funcionários da TV Câmara aplaudem discurso de Chico Alencar contra censura

Compartilhe: Twitter
Deputado Federal Chico Alencar (PSOL-RJ)

Deputado Federal Chico Alencar (PSOL-RJ)

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), que seria um dos “vetados” pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ,) nos veículos de comunicação da Câmara, subiu a tribuna, às 18h25 de terça-feira (14), para repudiar a decisão de não transmissão da sessão solene de comemoração dos 10 anos do partido.

Na redação, servidores da TV Câmara aplaudiram o discurso no momento em que o parlamentar disse que os funcionários da TV Câmara estão se sentindo “obrigados a praticar censura com a qual não concordam” e que o veículo deveria ser, acima de tudo, “suprapartidário”.

O PSOL acusa Cunha de ter censurado a exibição da sessão, ocorrida pela manhã. A sessão seria transmitida pela TV Câmara e acabou  substituída por uma reprise de uma das reuniões de comissões da Casa.
Autor: Tags: , , ,

domingo, 27 de fevereiro de 2011 Congresso | 07:06

Manuela d’Ávila: “Biografia das pessoas públicas é de todo mundo”

Compartilhe: Twitter

Manuela d'Ávila (Foto: Divulgação)

A beleza não é um tema relevante para a deputada federal Manuela d’Ávila (PCdoB-RS). Reeleita com cerca de 482 mil votos, o que a tornou a quarta deputada mais votada do Brasil, ela trata sua aparência física com desdém. “É mais fácil dizer que sou bonitinha”.

Mas ela não se incomoda com o que dizem. Está preocupada mesmo com a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) e com o projeto de lei que protocolou há alguns dias, que permite a divulgação da imagem e informações biográficas de pessoas de notoriedade pública. “Muitas pessoas caracterizam a censura como o ato de questionar judicialmente algo já publicado. Mas censura não é recorrer à Justiça depois da publicicação do fato. Censura é proibir uma informação de circular antes mesmo de ela ser publicada.”

Nesta entrevista ao Poder Online, a candidata natural do PCdoB à prefeitura de Porto Alegre, nas eleições de 2012, fala sobre a importância de se discutir a censura, sobre o seu papel durante o governo da presidenta Dilma Rousseff e afirma que sua beleza é “uma mera questão midiática”.

A senhora protocolou há uns dias o projeto de lei, de autoria de Antônio Palocci, que permite a divulgação da imagem e informações biográficas de pessoas de notoriedade pública. Qual é a importância desse projeto?

Trata de um tema que sensibiliza muito a sociedade, que é a censura. É um projeto que garante que tenhamos o direito de ter acesso à história do nosso país. A ideia é que aconteça o contrário do que tem acontecido hoje. Não estamos tirando o direito de as pessoas procurarem a justiça caso se sintam ofendidas por informações publicadas. Só estamos pensando no caminho contrário: primeiro a informação deve ser publicada, para depois ser questionada.

A senhora está preparada para enfrentar as manifestações de famílias de artistas que têm ido à Justiça para impedir a publicação de informações sobre suas vidas?

Muitas pessoas caracterizam a censura como o ato de questionar judicialmente algo que já está publicado. Mas censura não é recorrer à Justiça depois da publicicação do fato. Censura é proibir uma informação de circular antes mesmo de ela ser publicada. A história de um presidente da República, por exemplo, é de todo mundo. Estamos apenas permitindo que informações sobre a vida de pessoas que tenham relação com a nação sejam publicadas. O projeto apresenta uma emenda ao artigo 20 do Código Civil brasileiro para garantir a liberdade de expressão, informação e o acesso à cultura.

Para a senhora, qual será o maior desafio da atual legislatura?

Nosso desafio é construir uma pauta legislativa que avance nas condições de crescimento que nosso país precisa. Nós construímos uma série de iniciativas que propiciam este crescimento, mas é preciso avançar mais.

E como a Comissão de Direitos Humanos pode contribuir para isso?

Nosso mandato se pauta pelo diálogo permanente, com todas as forças e segmentos da nossa sociedade. A Comissão de Direitos Humanos e Minorias é um espaço privilegiado para que esta interlocução possa ser feita. Iremos debater pautas importantes como a violência urbana, a questão da juventude, a ampliação da lei Maria da Penha e também a questão da união civil, que já está em debate no Congresso.

A senhora vê o PCdoB perdendo espaço no governo da presidenta Dilma Rousseff?

Não perdemos espaço. Mantivemos o mesmo espaço que tínhamos. Os partidos que trabalharam pela eleição da presidente Dilma têm o direito de participar da construção de seu governo. Mas não é do feitio do PCdoB entrar na disputa por espaços no governo.

O convite para que a senhora assumisse o Ministério do Esporte aconteceu?

Não fui convidada. E não é do feitio da presidente Dilma convidar alguém que possa deixar o cargo daqui a um ano e alguns meses. Não poderíamos omitir a informação de que o partido tem a intenção de que eu seja candidata a prefeita de Porto Alegre em 2012. Se essa intenção vai se ou consolidar ou não, é uma questão que será discutida na hora certa. Mas, de qualquer forma, não poderíamos omitir essa informação.

Como a senhora tem visto as denúncias em relação ao PCdoB?

Não existem denúncias contra o meu partido. O que existe é que um jornal publicou supostas irregularidades a respeito de um programa do Ministério do Esporte. Separamos bem as questões partidárias do Ministério. E acho que o ministro, como de fato tem feito, tem a obrigação de investigar e criar novas regras para realização dos convênios.

A senhora é uma mulher bonita. E se destaca no meio político. Em algum momento, a sua beleza atrapalhou o seu trabalho parlamentar?

Obrigada pelo elogio. Mas essa é a sua opinião, não a minha (risos). Nenhuma característica física tem como atrapalhar o meu trabalho parlamentar. O que atrapalha são alguns setores da imprensa tentando colocar isso como algo importante. Não acho que eu sofra com isso mais do que qualquer outra mulher, já que vivemos numa cultura machista. A beleza é uma mera questão midiática. É mais fácil dizer que sou bonitinha. Quem tem que me conhecer e me conhece profundamente são as pessoas do meu estado, o Rio Grande do Sul, que é um estado muito politizado, onde as pessoas não votam nos candidatos por este tipo de questão. Eles conhecem minha história na militância. Comecei a militar no movimento estudantil com 16 anos. Em 2004, fui eleita com 9.498 votos, a mulher mais votada no Estado. Em 2006, fui eleita deputada federal pelo PCdoB, com 271.939 votos, a deputada mais votada do Rio Grande do Sul.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 20 de agosto de 2010 Eleições | 18:20

Hélio Costa tira do ar vídeo do Youtube e blogs de campanha de Aécio Neves e Antônio Anastasia

Compartilhe: Twitter

O vídeo da Discórdia (não adianta clicar)

O TRE de Minas Gerais acaba de conceder medida liminar a uma representação da campanha de Hélio Costa, candidato do PMDB a governador de Minas Gerais.

Hélio Costa reclamou contra um vídeo do Youtube que reproduz cartaz da Central Única dos Trabalhadores (CUT) apontando que,  quando ele disputou pela primeira vez o governo de Minas,  teve o apoio do então candidato a presidente Fernando Collor de Mello.

O TRE tomou uma decisão radical: mandou retirar do ar os blogs de campanha que reproduziram o cartaz — o “Amigos do Anastasia” e o “Amigos de Aécio Neves” — e determinou que o próprio Youtube não permitisse mais o acesso ao tal vídeo por nenhum usuário.

A campanha de Aécio e Anastasia está recorrendo contra a medida, que classifica como “um gesto extremado de censura à informação”.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 13 de agosto de 2010 Eleições | 09:02

Band censura CQC

Compartilhe: Twitter

Marcelo Tas e a equipe do CQC

A equipe do humorístico CQC, da Rede Bandeirantes, ganhou credencial cinza para cobrir os debates, ou seja, de livre acesso a qualquer dependência da emissora.

Mas com um detalhe: os repórteres de Marcelo Tas foram proibidos de fazer qualquer pergunta para políticos dentro de estúdio. Ao contrário de toda a imprensa, que pode perguntar o quê e para quem quisesse.

Autor: Tags: , , , , ,