Publicidade

Posts com a Tag Congresso Nacional

sexta-feira, 21 de novembro de 2014 Congresso | 15:00

Líder do governo corre atrás de apoio para assegurar mudança na meta fiscal

Compartilhe: Twitter

O líder do governo, Henrique Fontana (PT-RS), está desde ontem disparando telefonemas diretamente a deputados da base.

Pediu pessoalmente até aos peixes pequenos que garantam o empenho na aprovação do projeto que altera a meta fiscal do governo.

 

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 19 de novembro de 2014 Congresso | 15:00

José Aníbal diz que agora vai usufruir da aposentadoria

Compartilhe: Twitter
Aníbal: conversa aberta (Foto: Mônica Zarattini/AE)

Aníbal: conversa aberta (Foto: Mônica Zarattini/AE)

O deputado José Aníbal (PSDB-SP), que é suplente do senador eleito José Serra, diz que tem um único plano para depois que terminar seu mandato na Câmara: usufruir de sua aposentadoria.

Aníbal é figurinha carimbada na disputa interna tucana e, ao menos pelo que esperam os colegas de partido. Ele diz que não pretende se apresentar como pré-candidato à prefeitura paulistana em 2016. E ainda diz considerar que o partido tem bons nomes para a vaga. Por exemplo, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP).

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 18 de novembro de 2014 Congresso | 18:50

Inocêncio Oliveira prepara discurso de despedida da Câmara

Compartilhe: Twitter
Inocêncio Oliveira (Foto: Agencia Câmara)

Inocêncio Oliveira (Foto: Agencia Câmara)

O deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE) marcou para amanhã seu discurso de despedida do Congresso. Ele falará aos colegas nesta quarta-feira, às 15 horas.

O discurso promete ser animado, já que Inocêncio deu o que falar durante a campanha, ao ser destituído do diretório do partido em Pernambuco depois de contrariar a orientação nacional de apoio à presidente Dilma Rousseff.

Inocêncio fez campanha para o tucano Aécio Neves.

Autor: Tags: , , , ,

segunda-feira, 17 de novembro de 2014 Congresso | 09:00

Márcio França veste a camisa de vice

Compartilhe: Twitter
Márcio França. (Foto: Divulgação)

Márcio França. (Foto: Divulgação)

O deputado Márcio França (PSB-SP) ainda não assumiu como número dois do governo Alckmin, mas já veste a camisa. França, que bateu de frente com a ex-senadora Marina Silva para garantir a aliança com o PSDB em São Paulo, anda comentando entusiasmado os projetos do tucano pelos corredores da Câmara.

Um programa que ganhou o gogó do deputado é o que prevê a criação de Fatecs voltadas à economia criativa, com atenção para áreas como moda e gastronomia.

Autor: Tags: , , , , ,

domingo, 16 de novembro de 2014 Congresso | 08:00

‘O povo que estava em silêncio gritou nas urnas’, diz Marco Feliciano

Compartilhe: Twitter

Agora com seu mandato revalidado nas urnas, o deputado Marco Feliciano (PSC-SP) diz que a eleição mostrou que a população o apoiou na maneira como comandou a Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Feliciano diz se orgulhar de ter tido o menor gasto por voto em seu estado e vê com bons olhos o fato de o Congresso ter saído das urnas com uma bancada mais conservadora. “O povo que estava em silêncio gritou nas urnas’, diz o deputado.

Sobre as propostas que a bancada evangélica pode retomar na próxima legislatura, como o projeto da cura gay, ele evita aprofundar demais a polêmica. Diz que acha importante “discutir” o assunto. Sobre a criminalização da homofobia, cuja articulação será retomada pelo PT, com endosso da presidente Dilma Rousseff, ele insiste que não vê motivo para uma norma específica para esses casos. Diz que a lei atual é suficiente para punir o mesmo tipo de violência contra qualquer pessoa. Veja os principais trechos da conversa de Feliciano com o Poder Online:

Que avaliação o senhor faz do resultado da eleição deste ano?
Acho que ficou claro que nós conseguimos colocar a família de volta na casa dos brasileiros. Aliás, o que eu pude perceber é também que o meu voto foi o mais barato de São Paulo. Foram R$ 0,37 por voto. O povo que estava em silêncio gritou nas urna. Mostrou que tudo aquilo que eu defendo tem respaldo. O fato é que no ano passado eu passei um período difícil sozinho. O povo agora me apoiou. 

Marco Feliciano (Foto: Alan Sampaio/iG Brasília)

Marco Feliciano (Foto: Alan Sampaio/iG Brasília)

Agora nesta nova legislatura, o senhor vai defender a volta do projeto da cura gay?
Primeiro, não é cura gay. Existem pessoas que de fato querem isso e, por esse motivo, é um projeto pertinente. Se existe uma orientação, é razoável dizer que pode haver uma reorientação. Vemos muitos adolescentes que em algum momento se voltaram para esse caminho e que voltaram. 

A bancada, na próxima legislatura, será mais conservadora. O que o senhor achou desse resultado? 
De fato. Nós, evangélicos, teremos 84 cadeiras. Foi uma conquista. Sem contar que foi muito positivo perceber que, com certeza, todos eles usaram a minha bandeira para chegar aqui. É um reflexo do que a sociedade quer.

O PT e a presidente Dilma Rousseff falam em resgatar a articulação do projeto que criminaliza a homofobia. Qual é o plano, nesse caso? 
Olha, eu sou a favor de discutir o assunto. Eu sou contra qualquer tipo de crime. Mas, na minha opinião, a legislação atual já atende a isso. Afinal, a lei hoje pune a violência contra qualquer pessoa. Não vejo motivo para uma legislação específica. Na verdade, eu até vejo com bons olhos algumas ideias, embora não sejam projetos que eu pretenda apresentar. Por exemplo, porque um deputado que represente essa comunidade não apresenta uma proposta para incluir travestis e transsexuais no mercado de trabalho? Dar um benefício fiscal a quem contratar essas pessoas. Aí eu vejo um motivo para uma lei.

Mas o senhor seria a favor? 
Olha, eu acho que é um assunto a se discutir, embora não seja uma proposta que eu vá apresentar. Mas o que eu sou contra, aí sim, é a se criar uma lei que penaliza as pessoas e que, na minha opinião, pode criar injustiças. Acho que a linha que separa a opinião do preconceito é muito tênue. Temos que estabelecer esse limite.

 

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 14 de novembro de 2014 Congresso | 09:00

Wellington Dias só pensa em namorar

Compartilhe: Twitter
Senador Wellington Dias (foto: Agência Senado)

Senador Wellington Dias (foto: Agência Senado)

O governador eleito do Piauí, Wellington Dias (PT), torceu o nariz nesta semana para o colega de Senado Humberto Costa (PE).

É que o pernambucano marcou uma reunião às 20 horas da quarta-feira. O problema é que Dias tinha combinado de jantar com sua mulher. Disse que queria “namorar” um pouco.

Costa não quis nem saber. Disparou, aos risos: “Ah, nem vem, que você não é essa beleza toda”.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 12 de novembro de 2014 Estados | 20:28

‘Represento os interesses da totalidade do Maranhão’, diz Flávio Dino

Compartilhe: Twitter

Após se reunir pela primeira vez com a bancada maranhense na Câmara dos Deputados, o governador eleito Flávio Dino (PCdoB-MA) disse estar “otimista” quanto à relação entre os dois poderes nos próximos quatro anos, apesar da diversidade de interesses que terá de enfrentar.

“Já fui parlamentar. Entendo bem que o Parlamento é a expressão da pluralidade da sociedade”, afirmou Dino. “Independentemente da posição política ou individual de cada deputado ou senador, todos foram eleitos pelo povo do Maranhão. Na condição de governador, eu represento os interesses da totalidade do estado.”

Assista:

Autor: Tags: , , ,

Estados | 07:30

Flávio Dino se reúne com bancada do PCdoB em Brasília

Compartilhe: Twitter
O candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB-MA). (Foto: Agência Brasil)

O candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB-MA). (Foto: Agência Brasil)

Primeiro governador eleito da história do PCdoB, o maranhense Flávio Dino estará em Brasília nesta quarta-feira, para se reunir com a bancada comunista do Congresso Nacional. A intenção é estreitar os laços com os parlamentares da sigla e estabelecer uma boa interlocução, que garanta apoio político e obtenção de recursos para seu mandato.

No Maranhão, Dino precisará administrar os diferentes interesses da aliança que garantiu sua vitória contra o peemedebista Lobão Filho. Embora tenha declarado apoio à presidente Dilma Rousseff no segundo turno, Dino terá em sua base PSDB, PSB, PDT, PROS, Solidariedade, PPS, PP e PTC.

Leia também: Roseana planeja renunciar antes de passar a faixa a Flávio Dino

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 7 de novembro de 2014 Congresso | 06:00

‘Faremos o que for necessário para não morrer na praia’, diz Júlio Delgado, sobre presidência da Câmara

Compartilhe: Twitter
Deputado Federal Júlio Delgado (PSB-MG). - (Foto: Agência Brasil)

Deputado Federal Júlio Delgado (PSB-MG). – (Foto: Agência Brasil)

Decidido a seguir na disputa pela presidência da Câmara, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), diz que não tem a menor intenção de abandonar o barco. Fazendo a ressalva de que ainda é cedo para fazer palpites sobre a briga pelo comando da Casa, ele afirma que vai trabalhar para consolidar um bloco de partidos alinhados à sua candidatura, para fazer frente ao líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ).

“Vamos consolidar apoios e levar essa candidatura adiante. Vamos fazer o que for necessário para não morrer na praia”, diz Delgado.

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 6 de novembro de 2014 Partidos | 16:55

Petistas enxergam a tesoura após convite para encontro com Dilma no Alvorada

Compartilhe: Twitter
A presidente Dilma Rousseff. (Foto: Alan Sampaio / iG Brasília)

a A presidente Dilma Rousseff. (Foto: Alan Sampaio / iG Brasília)

Petistas enxergaram no convite à reunião desta noite no Palácio da Alvorada um sinal de que o Planalto pretende fazer um aceno ao partido, para enfrentar a oposição e possíveis rebeldes no Congresso. Integrantes da legenda já esperam, entretanto, que a presidente Dilma Rousseff também tente amenizar reações futuras à necessidade de se abrir espaço no governo para siglas aliadas, em detrimento do próprio partido.

Leia também: No Congresso, PT já fala em ‘pacote do terceiro turno’

Foram chamados para o encontro os atuais parlamentares, assim como os eleitos para a próxima legislatura.

Desde que assumiu, a única vez em que a presidente reuniu a bancada petista para uma conversa conjunta foi em um jantar realizado às vésperas das eleições municipais de 2012. Na época, o convite foi visto como um “afago”, na tentativa de melhorar a relação com o Congresso.

Autor: Tags: , , ,

  1. Primeira
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 10
  8. 20
  9. Última