Publicidade

Posts com a Tag Democratas

segunda-feira, 2 de abril de 2012 Congresso | 22:31

Demóstenes acerta desfiliação do DEM

Compartilhe: Twitter

Antes mesmo de ser comunicado por meio de carta sobre a abertura de processo de expulsão pelo DEM, o senador Demóstenes Torres (GO) acertou com integrantes da cúpula do partido, durante reunião no início da noite de hoje, sua saída da legenda.

Ele, inclusive, já comunicou à assessoria jurídica do DEM que vai se desfiliar.

Demóstenes pretende preservar seu mandato mesmo sem estar filiado a nenhum partido. Avalia que pode ter mais chance de defesa jurídica se mantiver foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal.

Autor: Tags: , , , , ,

domingo, 16 de outubro de 2011 Eleições | 06:05

DEM declara-se independente do PSDB, abre negociações com PMDB e veta alianças nas eleições com PSD em todo o país

Compartilhe: Twitter

Presidente nacional do Partido Democratas, o senador José Agripino Maia (RN) informa, em entrevista ao Poder Online, que abriu conversas com vice-presidente da República, Michel Temer, para discutir alianças com o PMDB nas próximas eleições municipais.

Em São Paulo, por exemplo, o DEM pode fechar com o candidato peemedebista, Gabriel Chalita. Quanto ao PSDB, José Agripino Maia avisa: amigos, amigos, eleições à parte. Não há qualquer obrigação de o seu partido apoiar os candidatos  tucanos em 2012.

Poder Online – O senhor recebeu um telefonema do ex-governador José Serra pedindo um encontro. Marcaram a data? qual o assunto?

José Agripino Maia – Recebi, sim. Mas não marcamos data. Tâo logo eu vá a São Paulo, ou ele passe por Brasília, nos veremos. Somos muito amigos.

Poder Online – Esse telefonema foi no dia da reunião do Conselho Político do PSDB, mais um round da disputa entre Serra e o senador Aécio Neves (MG) pela candidatura tucana a Presidência da República. O DEM, afinal, está de qual lado? Serra ou Aécio?

José Agripino Maia – Desconheço essa disputa, não tenho notícias dela e nem é assunto para o Partido Democratas. Aliás, nem estamos de lado algum. Na verdade, o DEM tem uma proximidade com o PSDB, pois estivemos juntos nas últimas eleições, mas não temos qualquer compromisso firmado para o futuro. Somos um partido independente. Tenho, inclusive, conversado muito com o Michel Temer (presidente licenciado do PMDB).

Poder Online – Com o Michel Temer? Qual o assunto?

José Agripino Maia – Vários. Inclusive alianças do DEM com o PMDB nas próximas eleições municipais.

Poder Online – O senhor pode adiantar em quais capitais?

José Agripino Maia – Ainda nãos estamos fechados. Há muita coisa para se discutir. Mas estamos conversando, por exemplo, sobre São Paulo,  Salvador, Recife, Campo Grande, enfim, diversos lugares.

Poder Online – Quer dizer que o DEM pode apoiar em São Paulo o Gabriel Chalita, do PMDB, independentemente da candidatura tucana?

José Agripino Maia – Não quero falar de nomes por enquanto. Já disse também que não temos compromissos amarrados com o PSDB. Assim como podemos apoiar o PMDB em São Paulo, também pode ocorrer o contrário em outros lugares, eles apoiarem a gente. Vamos conversar com o ex-deputado Geddel Vieira Lima (BA) sobre as possibilidades de o seu PMDB apoiar a candidatura do deputado ACM Neto (DEM) em Salvador. Eu mesmo irei falar com o senador peemedebista Jarbas Vasconcelos (PE) sobre nosso candidato em Recife, o Mendonça Filho. Enfim, ainda estamos em fase de negociações, muitas conversas.

Poder Online – E quanto ao PSD? Há chances de alianças?

José Agripino Maia – Não. Isso é uma decisão formal do Partido Democratas: não serão permitidas alianças com o PSD nas próximas eleições em nenhum lugar do país. Eles nos agrediram muito, levaram 17 deputados federais, e ficamos apenas com 27. Precisamos agora, nessas eleições, demonstrar que as lideranças que deixaram o DEM não eram tão impostantes assim, não levaram os nossos eleitores, aqueles engajados com a história e as ideias do partido. Precisamos marcar posição. Mostrar que as lideranças que permaneceram no DEM têm mais votos.

E, sobretudo,  que somos reconhecidos pelo eleitorado como um partido de verdade, com uma história: nascemos da dissidência com a ditadura militar, quando foi formado o PFL para apoiar a eleição de Tancredo Neves a presidente da República. Temos história assim como o PMDB, que nasceu do rompimento com o arbítrio; ou como o PSDB, com sua história social-democrata. O PPS, o PCdoB, o PT, todos esses aí têm história e ideologia. São importantes para a própria democracia. Já o o PSD não tem nada. Nâo é um partido de verdade. Não tem importância alguma.

Poder Online – O prefeito Gilberto Kassab já declarou que o PSD é um partido de centro. Vocês ficaram, então, como o partido da direita?

José Agripino Maia – Não se trata de ser da direita ou da esquerda. O Democratas é um partido verdadeiramente liberal, contra o gigantismo do Estado, contra o aumento de impostos. Essa é a questão.

Poder Online – E qual a expectativa de vocês para as eleições municipais?

José Agripino Maia – Posso dizer uma coisa: sairemos maiores dessas eleições do que entramos.

Poder Online – Quantos prefeitos vocês esperam fazer?

José Agripino Maia – Seria mera futurologia falar em números.

Poder Online – Mas quantos prefeitos de capitais o DEM tem atualmente?

José Agripino Maia – Nenhum.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

terça-feira, 23 de agosto de 2011 Estados | 11:37

PSD toma deputada do DEM no DF

Compartilhe: Twitter

Em Brasília, o DEM perde mais uma.

A deputada distrital Eliane Pedrosa, um dos principais quadros do partido no DF anunciou a filiação ao PSD.

Autor: Tags: , ,

domingo, 13 de fevereiro de 2011 Partidos | 06:01

Agripino Maia propõe acordo a Bornhausen para pacificar o DEM

Compartilhe: Twitter

Foto: Elza Fiúza/ABr

O senador José Agripino Maia (RN) está candidatíssimo a presidente do Partido Democratas.

Ele é apontado na imprensa como um representante da ala ligada ao atual presidente, deputado Rodrigo Maia (RJ), contra o histórico dirigente supremo da legenda, Jorge Bornhausen (SC).

Mas Agripino tentará convencer Bornhausen de que ele pode ser o nome de consenso do partido. Eles têm encontro marcado, amanhã, em São Paulo, com a presença do ex-senador Marco Maciel (PE) — o preferido de Bornhausen para comandar o DEM — e do prefeito Gilberto Kassab, que ameaça deixar a legenda.

Poder Online: Mas o senhor não acha que a imprensa já o identificou demais com o grupo do Rodrigo Maia?

José Agripino Maia: Olha, eu fui convidado a me candidatar pelo Bornhausen. Depois é que surgiu essa história de grupo A e grupo B. Acho que qualquer figura, neste momento, é menor do que a necessidade de unirmos o partido.

Poder Online: Mesmo o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que ameaça deixar o DEM?

Agripino: Tenho o maior respeito e admiração pelo Kassab. Mas a unidade dos que ficarem no partido é mais importante do que a entrada ou saída de qualquer um.  Eu vou trabalhar pelo consenso. Acredito que podemos conseguir isso.

Poder Online: O sr. viu o artigo do ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM) em que ele diz que Bornhausen quer deixar o DEM para entrar no PMDB e aderir ao governo?

Agripino: Não li, e não pretendo ler. Tenho o maior respeito também pelo Cesar Maia, que é uma liderança muito importante do partido, mas não é hora de incentivar a discórdia.

Poder Online: Numa convenção, quem vence? O grupo dos Maia ou o dos Bornhausen (Jorge Bornhausen e o filho, Paulo Bornhausen)?

Agripino: Bem, você viu o resultado da eleição na bancada (nota da coluna: o candidato de Rodrigo Maia, ACM Neto (BA), derrotou Eduardo Sciarra (PR), que foi apoiado pelo ex-líder Paulo Bornhausen).  Mas não interessa neste momento falar quem é mais forte ou mais fraco. Interessa saber uma forma de compor os diversos grupos do partido, dando-lhes uma representação consensual na Executiva, capaz de manter o Democratas unido.

Poder Online: Mas parece que isso vai ser difícil…

Agripino: Na política é preciso habilidade e capacidade de negociação. Veja o ACM Neto: chamou o próprio Sciarra para seu vice-líder e outros dois nomes que votaram contra ele. É isso que tem que ser feito. Superar problemas do passado e unificar a legenda. A unidade é que nos trará força. É isto que vou propor na reunião de segunda-feira: que encontremos uma equação em que todos caibam no partido.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quarta-feira, 6 de outubro de 2010 Eleições | 10:03

E o DEM afirma que ganhou

Compartilhe: Twitter

Tudo na vida depende do ponto de vista.

Os analistas políticos andam falando por aí que o partido Democratas foi talvez o maior derrotado desatas eleições.

Mas veja a avaliação do líder do DEM na Câmara, Paulo Bornhausen, numa nota distribuída ontem:

Tivemos perdas valiosas na Câmara e no Senado.

Mas, ganhamos novos companheiros e elegemos, no primeiro turno, dois governadores, Raimundo Colombo em Santa Catarina, e Rosalba Ciarlini no Rio Grande do Norte.

Participamos de coligações vitoriosas nos estados, com Afif Domingos e Geraldo Alkimin em São Paulo; José Eliton e Marconi Perillo, em Goiás; e João Oliveira e Siqueira Campos no Tocantins.

Estamos no segundo turno com José Thomaz Nonô e Teotônio Vilela em Alagoas; e Chico Rodrigues e José de Anchieta, em Roraima.

Vamos agora eleger José Serra e Indio da Costa para presidirmos o Brasil.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 26 de agosto de 2010 Eleições | 06:03

Roberto Brant calcula que, após as eleições, metade do DEM vá para o governo

Compartilhe: Twitter

Ministro da Previdência Social do governo Fernando Henrique Cardoso, na cota do PFL-DEM, Roberto Brant não se candidatou à reeleição. Mas continua opinando e participando das reuniões da cúpula nacional do partido Democratas. Para ele, no caso de derrota do aliado José Serra, na disputa presidencial, o DEM vai cair na velha regra do “ou vai, ou racha”. 

 — Não vamos nos fundir com o PSDB, porque ficaríamos absolutamente apagados. Só restam duas opções para o DEM: ou se torna um partido forte de oposição, para atuar com a firmeza que o PSDB não tem, ou se junta ao governo. No último caso, o partido viraria uma espécie de PTB ou PR. Mas não duvido nada que metade dos deputados, se convidados, vá para a base governista.

Autor: Tags: , , ,

Eleições | 06:01

“Gilberto Kassab fará a maior bancada do DEM no país”

Compartilhe: Twitter

Para Roberto Brant, forte mesmo no DEM deverá ficar o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab

— Ele deve eleger uns 12 deputados federais. São Paulo será a maior bancada do partido no Congresso Nacional.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 28 de maio de 2010 Eleições | 07:12

DEM estava preparado para o pior

Compartilhe: Twitter

O partido Democratas estava preparado desde a noite de anteontem para a ação do PT contra a aparição,  em seu programa de TV de ontem, do candidato do PSDB a presidente, José Serra. Inclusive com o vídeo alternativo, caso os petistas conseguissem impedir na justiça as cenas com o tucano. Depois do programa, o comando do DEM comemorou o que considerou o sucesso da operação.

Autor: Tags: , , , , , ,