Publicidade

Posts com a Tag Dilma

quinta-feira, 6 de setembro de 2012 Eleições | 05:01

Dilma e as gravações para campanha: uma no ferro e outra na ferradura

Compartilhe: Twitter

Além de ter gravado ontem sua participação no programa de TV de Fernando Haddad (PT) para prefeito de São Paulo, a presidenta Dilma Rousseff também gravou para dois outros candidatos:  o petista  Patrus Ananias, em Belo Horizonte, e o peemedebista Eduardo Paes, no Rio de Janeiro.

Segundo o comando nacional do PT, a gravação para Eduardo Paes neutraliza eventuais protestos de aliados.

Mais ou Menos. Já que Patrus Ananias concorre contra o prefeito Márcio Lacerda, que é do aliado PSB.

Mas Dilma baseia-se no fato de que foi liberada pelo próprio presidente nacional do PSB, o governador de Pernambuco, Eduardo Campus, pois foi Lacerda que rompeu com o PT local.

Em contrapartida, a presidenta ainda não gravou para o candidato do PT no Recife, Humberto Costa, que concorre contra Geraldo Júlio, do PSB.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 4 de setembro de 2012 Governo | 09:27

Por que Dilma bateu em FHC

Compartilhe: Twitter

A presidenta Dilma Rousseff não é tão PT quanto os petistas mais ligados ao ex-presidente Lula queriam.

Mas a verdade é que há muitos petistas com cargos no governo e, portanto, hoje mais ligados ao Palácio do Planalto do que ao ex-presidente Lula.

O resultado disso, somado ao julgamento do Mensalão, CPI do Cachoeira, dissidências no Congresso, etc. é que hoje o partido tem a ala lulista, a ala dilmista e um terceiro grupo que se articula em torno da Câmara.

Foi para tentar acentuar esse racha que o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso escreveu um artigo atacando o que classifica de “herança maldita” deixada por Lula para Dilma, com quem tem trocado rapapés.

E foi para não deixar esse racha no seu partido se acentuar que a presidenta Dilma Rousseff fez questão de soltar uma nota oficial atacando o intrigante artigo de FHC.

Mas que o racha existe, existe…

Autor: Tags: , , , ,

Governo | 05:01

Dilma versus Sepúlveda: o mal estar permanece

Compartilhe: Twitter

O fato de o “Diário Oficial” ter publicado ontem a nomeação de três novos integrantes da Comissão de Ética Pública da Presidência da República não quer dizer que tudo tenha voltado às boas entre Dilma Rousseff e o presidente da Comissão, Sepúlveda Pertence.

Na última sexta-feira, quando anunciou que o colegiado não se reuniria nesta segunda-feira por falta de quórum, Sepúlveda disse aos repórteres: “Por que vocês não vão perguntar à autoridade que pode responder (o motivo de ainda não ter feito as nomeações)? ”

Dilma viu nos jornais a aressiva declaração e ficou ainda mais irritada com Sepúlveda, com quem já não se dá há tempos.

A propósito:

A comissão tem em pauta o processo administrativo contra o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, um amigão de Dilma desde os tempos de militância estudantil.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 3 de setembro de 2012 Congresso | 05:01

“O governo não tem voto para o Código Florestal”, alerta o petista Jorge Viana, que fechou acordo com ruralistas para aprovar medida provisória

Compartilhe: Twitter

O senador Jorge Viana (PT-AC) foi designado pela Comissão do Meio Ambiente como um dos relatores do projeto original de Código Florestal aprovado no Senado.

Era o texto que o governo queria, mas os ruralistas da Câmara conseguiram alterá-lo,  e a presidenta Dilma Rousseff acabou vetando vários pontos, o que obrigou o Palácio a editar a medida provisória do Código Florestal agora em votação no Congresso.

Foi o acordo para votação dessa MP na Comissão Especial que levou a presidenta Dilma Rousseff a dar uma bronca em suas ministras na quinta-feira.

Aliado e amigo pessoal de Dilma, Jorge Viana reafirma ao Poder Online o acordo. Mas diz que realmente o Palácio do Planalto foi ignorado por um motivo muito simples: “O governo não tinha voto.”

Poder Online – Afinal, houve acordo ou não houve?

Jorge Viana – Fechamos um grande acordo na  Comissão, por unanimidade. Mas o governo não participou desse acordo.

Poder Online – Não participou? Por quê?

Jorge Viana – Porque o governo não admitia mudar a medida provisória. E porque o governo não tinha maioria. Não tinha voto.

Poder Online – E o acordo foi bom ou ruim?

Foto de Joédson Alves - DPA - com Dilma Rousseff lendo resposta das ministras Ideli Salvatti e Izabella Teixeira à bronca por não ter sido informada do acordo em torno da MP do Código Florestal

Jorge Viana – Foi o acordo possível. Os ruralistas tinham ampla maioria e estavam passando o trator. Eles aprovaram um primeiro destaque desastroso para o meio-ambiente, pois destruiria os rios intermitentes. E  iam aprovar mais cinco destaques. Negociamos o abandono desse primeiro destaque já aprovado e evitamos a aprovação dos demais.

Poder Online – Quais foram os ganhos para os ambientalistas?

Jorge Viana – Primeiro, evitar o desastre desses destaques que iriam inviabilizar a recomposição florestal e promover a destruição de rios. Depois, conseguimos manter a recomposição de nascentes e não permitir uso de maciços exóticos na recomposição de áreas devastadas. Por fim, ganhamos tempo para que a medida provisória fosse votada em plenário sem caducar.

Poder Online – E no plenário?

Jorge Viana – No plenário, acho que os ruralistas também são ampla maioria. Se a presidenta Dilma quiser vencer, o governo tem que arrumar voto. Caso contrário, apesar dos protestos, o projeto que vai ser aprovado será este que acertamos na Comissão.

Poder Online – E se ela vetar? Como fica?

Jorge Viana – Não quero nem discutir isso agora, porque ainda não votamos na comissão.

Poder Online – Afinal o senhor gostou do resultado?

Jorge Viana – Olha, dizem que o Senado é o céu. Para mim, aquilo ali foi um inferno. Imagina ter que negociar um projeto estando em ampla minoria, mas que, pelo regimento, só poderia ser alterado por unanimidade e com o governo inflexível? No final, acho que foi um grande resultado.

Poder Online – E onde o governo errou?

Jorge Viana – Acho que o governo tem que pensar com antecedência na composição das comissões de seu interesse. Nesta da medida provisória, os ruralistas são franca maioria.

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 30 de agosto de 2012 Governo | 18:47

Dilma Rousseff, a ambientalista

Compartilhe: Twitter

Viu a nota postada aqui na coluna às 5h01 com o senador Blairo Maggi comemorando o acordo para a votação do Código Florestal que preservou interesses dos ruralistas?

Pois é. A alegria durou pouco: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2012-08-30/em-bilhete-para-ministras-dilma-irrita-se-com-acordo-do-codigo-florestal.html

Conforme atesta foto de Joédson Alves da DPA:

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 29 de agosto de 2012 Governo | 05:01

Sepúlveda Pertence à frigideira

Compartilhe: Twitter

A comissão de Ética Pública da Presidência da República está com apenas dois de seus sete membros titulares: o presidente, Sepúlveda Pertence, e Américo Lacombe.

Não houve quórum para a reunião desta semana.

Mas por que a presidenta Dilma Rousseff não nomeou os cinco membros que faltam?

É que Dilma inscreveu Sepúlveda Pertence em sua lista negra, desde quando ele comandou uma reunião quase secreta da Comissão para declarar publicamente que o então ministro do Trabalho, Carlos Lupi (PDT), tinha faltado com a Ética.

Dilma considerou o gesto uma vingança pessoal do jurista contra o PDT, por brigas passadas com o ex-governador do Rio de Janeiro Leonel Brizola.

Não perdoa o fato de, por causa disso, Sepúlveda ter tornado impraticável a permanência de um ministro sem antes avisá-la.

E qual a briga de Sepúlveda com o PDT?

Conta  Carlos Lupi  que o jurista foi advogado de Brizola na disputa pela sigla do PTB. Perdeu para Ivete Vargas por ter dado entrada no pedido de registro com atraso.

Diz-se que o então ministro da ditadura Golbery do Couto e Silva estava por trás de Ivete.

— Por causa disso o Brizola perguntava: “A quem pertence esse Sepúlveda?” — relata Lupi.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 27 de agosto de 2012 Governo | 11:43

Dilma despista manifestantes para viajar ao Rio

Compartilhe: Twitter

Dilma decidiu agora de manhã que vai o Rio daqui a pouco para a premiacao das Olimpíadas da Matematica, no Teatro Municipal.

A viagem tinha saído da agenda para despistar possiveis manifestações de grevistas do funcionalismo público.

Autor: Tags: , , , ,

Eleições | 07:01

Campanha de Temer para Chalita liberará Dilma em favor de Fernando Haddad

Compartilhe: Twitter

Está nas mãos do vice-presidente da República, o peemedebista Michel Temer,  a participação da presidenta Dilma Rousseff no primeiro turno da campanha eleitoral em São Paulo.

Se Temer entrar fundo na campanha a prefeito de seu correligionário no PMDB, Gabriel Chalita, Dilma se sentirá liberada para também enfiar o pé na campanha do petista Fernando Haddad.

Autor: Tags: , , , , , , ,

quinta-feira, 23 de agosto de 2012 Congresso | 08:32

Simon pede que Lula ajude Dilma Rousseff

Compartilhe: Twitter

Do senador Pedro Simon (PMDB-RS), do alto da tribuna, sobre a greve do funcionalismo público:

— O meu querido amigo Lula, esse sim amigão da CUT, que intervém em tudo e a qualquer pretexto, deveria conversar com a Central dos Trabalhadores para parar com isso.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 22 de agosto de 2012 Eleições | 05:01

Aliados estão conformados com participação de Lula e Dilma nas campanhas petistas. Mas, feridos, ameçam dar troco em 2014

Compartilhe: Twitter

Os partidos aliados do governo já estão conformados com a participação do ex-presidente Lula nestas eleições. E até mesmo com a presidenta Dilma Rousseff, como explica o deputado peemedebista Lúcio Vieira Lima (BA):

– Se a Dilma vai participar da campanha petista até na cidade de São Paulo, área do vice-presidente Michel Temer (PMDB) e onde ele tem candidato a prefeito, por que ela e o Lula não viriam aqui na Bahia apoiar o candidato do PT? Nós vamos seguir o que manda a Marta Suplicy: relaxar e gozar.

Mas Vieira Lima afirma que isso pode prejudicar a própria Dilma:

— A eleição de 2012 marca o início da campanha para 2014, quando qualquer candidato majoritário precisará de aliados. Cabe ao PT avaliar como está tratando seus aliados agora.

A propósito: Dilma marcou para sexta-feira uma viagem ao município baiano de Serrinha, a 173 km de Salvador.

Estará ao lado do governador Jaques Wagner (PT) no mutirão de cirurgias de cataratas promovido pelo governo do Estado. Não se pode dizer que é campanha. Mas que ajuda ao PT, lá isso ajuda.

Autor: Tags: , , , , ,

  1. Primeira
  2. 2
  3. 3
  4. 4
  5. 5
  6. 6
  7. 10
  8. Última