Publicidade

Posts com a Tag Helder Barbalho

segunda-feira, 7 de setembro de 2015 Brasil, Governo, Partidos, Política | 10:51

Ministros do PMDB não comparecem a desfile de Sete de Setembro

Compartilhe: Twitter

Desfile de Sete de Setembro -  Agência BrasilEm meio aos rumores de conspiração e de afastamento do PMDB da presidente Dilma Rousseff, a ausência dos ministros peemedebistas no palanque das autoridades, neste Sete de Setembro, não passou despercebida.

O único peemedebista presente no desfile de sete de setembro foi o vice-presidente Michel Temer, um dia depois de divulgar nota negando a tese de que age nas sombras contra a presidente.

Além de Temer, que anunciou deixar parte da Articulação Política no mês passado, o PMDB comanda mais cinco pastas na Esplanada, com Kátia Abreu, na Agricultura; Eduardo Braga, no Ministério de Minas e Energia; Helder Barbalho, na Pesca; Eliseu Padilha, na Secretaria de Aviação civil; Edinho Araujo, na Secretaria de Portos, e Henrique Eduardo Alves, no Ministério do Turismo.

Estiveram presentes os ministros petistas José Eduardo Cardozo (Justiça), Aloizio Mercadante (Casa Civil), Miguel Rosseto (Secretaria Geral), Edinho Silva (Comunicação Social), Tereza Campello (Desenvolvimento Social), Luís Inácio Adams (Advocacia Geral da União), Pepe Vargas (Direitos Humanos), Ricardo Berzoini (Comunicações), e Carlos Gabas (Previdencia), além de Mauro Vieira (Itamaraty),  Gilberto Kassab (Cidades), do PSD, e Renato Janine Ribeiro (Educação).

Autor: Tags: , , , , , , ,

domingo, 11 de janeiro de 2015 Governo | 06:00

‘Não vim a Brasília para fazer estágio de cargos’, diz Helder Barbalho

Compartilhe: Twitter
O ministro da Pesca, Helder Barbalho (PMDB-PA). Foto: Divulgação

O ministro da Pesca, Helder Barbalho (PMDB-PA). Foto: Divulgação

Indicado para a Secretaria da Pesca dentro da cota do PMDB, Helder Barbalho nega diz enxergar na pasta “um grande desafio” e nega que pretenda usar o ministério como vitrine para uma nova candidatura a governador do Pará. Ele afirma que pretende corrigir “distorções” da pasta, que já se viu às voltas em denúncias de corrupção.

“Existe uma distorção, que precisa ser corrigida”, afirmou Helder, ao Poder Online, sobre o cadastro de pescadores e a política de distribuição de benefícios como o Seguro Defeso – uma espécie de seguro-desemprego garantido a pescadores artesanais no período em que a atividade é interrompida para reprodução dos animais. “A orientação da presidenta é que tenhamos todas as atitudes necessárias para garantir que haja transparência e controle sobre essas ações”, completa o filho do senador Jader Barbalho (PMDB-PA).

Ministro, o senhor assumiu o Ministério da Pesca já com o desafio de regularizar a situação do cadastro dos pescadores e de rever a política da pasta como um todo, após diversas denúncias de corrupção. Como o senhor pretende dar início a este trabalho?
Nós estamos avaliando com os técnicos do Ministério, em conjunto com os demais ministérios, no sentido de efetivamente termos clareza da atual situação do cadastro de pescadores em todo o Brasil e, com isso, garantirmos o máximo de transparência possível no recadastramento, além de termos uma avaliação real da quantidade de pescadores no país, para que os mesmos possam ter acesso às informações e aos benefícios originários do Seguro Defeso.

Hoje, então, ainda não há transparência?
Existe uma distorção, que precisa ser corrigida. A orientação da presidenta é que tenhamos todas as atitudes necessárias para garantir que haja transparência e controle sobre essas ações e que, desta forma, sejam efetivamente beneficiados aqueles que estejam envolvidos com estas atividades.

A presidente já falou na necessidade de uma revisão rápida com relação a estas questões, sobretudo quanto às evidências de fraudes anteriores. Vocês já estão trabalhando com algum prazo, para que a situação seja normalizada?
Nós estamos iniciando uma discussão com os ministérios da Previdência, do Desenvolvimento Social e do Trabalho, para que possamos construir uma transversalidade de cadastros entre estes ministérios e estabelecer uma nova tecnologia de recadastramento de todos os pescadores que possuem a documentação. A partir daí, poderemos obter um raio-x exato do quantitativo de pessoas envolvidas na cadeia da pesca e da aquicultura no Brasil.

Em um país continental como o Brasil, esse raio-x é algo razoavelmente complexo, não?
Sem dúvida alguma, é um grande desafio porque envolve muitas pessoas e um grande volume de benefícios em torno disso. Por isso, nós precisamos deste raio-x exato sobre a pesca e a aquicultura no país.

O fato de o senhor ser paraense, ou seja, de um estado em que a pesca é uma atividade de grande relevância, pode contribuir na realização deste diagnóstico?
Certamente. É uma realidade da qual nós temos bastante conhecimento, o que possibilitará um diálogo mais próximo.

Sua ida para o Ministério da Pesca pode contribuir também para uma nova tentativa de se eleger governador do estado do Pará, em 2018?
Eu tenho dito que não vim a Brasília para fazer um estágio em busca de novos cargos. Meu objetivo é servir o país da melhor forma possível e estou muito honrado em poder assumir este projeto que é, sem dúvida alguma, o maior desafio que já tive em minha vida.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015 Congresso | 19:54

Arlindo Chinaglia busca aproximação com PMDB

Compartilhe: Twitter
Arlindo Chinaglia

Arlindo Chinaglia

O deputado federal e candidato à presidência da Câmara Arlindo Chinaglia (PT-SP) aproveitou as duas cerimônias de transmissão de cargos realizadas na tarde de hoje no Palácio do Planalto para pedir apoio aos peemedebistas presentes.

Um dos que o escutaram atentamente foi o ex-líder do governo no Senado e novo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB-AM), ao lado de quem Chinaglia acompanhou o discurso do novo ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Pepe Vargas. O pedido também foi feito ao novo ministro da Pesca, Helder Barbalho (PMDB-PA).

Além de Chinaglia, outros petistas como Sibá Machado (AC), Paulo Teixeira (SP) e Alessandro Molon (RJ) também aproveitaram a cerimônia para buscar mais apoio do governo às articulações da sigla em busca da presidência da Casa.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quarta-feira, 5 de novembro de 2014 Eleições | 13:30

Deputado que gastou R$ 700 mil na campanha diz estar endividado até 2018

Compartilhe: Twitter
O deputado federal Beto Faro (PT-PA). Foto: Divulgação

O deputado federal Beto Faro (PT-PA). Foto: Divulgação

Para quitar as dívidas de mais de R$ 700 mil investidos em sua reeleição a deputado federal, o paraense Beto Faro (PT) teve de fazer um empréstimo bancário que vai até o final de seu próximo mandato.

Leia também: No Congresso, PT já fala em ‘pacote do terceiro turno’

Mais votado entre os candidatos petistas do Pará, Beto diz ter gastado até o que não tinha na expectativa de também eleger o aliado peemedebista e candidato a governador, Helder Barbalho, filho do senador Jader Barbalho.

“Joguei todas as minhas fichas! Tinha município que se não fosse pela nossa campanha, não iria ter nada do Helder e da Dilma”, diz o deputado. “Só eu e minha esposa sabemos o tamanho do buraco”, brinca o petista, bem humorado.

Beto explica que também investiu na campanha do presidente estadual do PT, Milton Zimmer, na tentativa de aumentar a bancada de petistas paraenses na Câmara. O resultado foi frustrante: não apenas a bancada encolheu, com a derrota de Cláudio Puty, como Zimmer teve de se contentar com o posto de 14º suplente.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

terça-feira, 28 de outubro de 2014 Eleições | 10:30

PT já sonha com o governo do Pará em 2018

Compartilhe: Twitter
O candidato ao Senado Paulo Rocha (PT-PA). (Foto: Divulgação)

O senador eleito Paulo Rocha (PT-PA). (Foto: Divulgação)

Após o resultado do segundo turno, o clima entre boa parte dos petistas paraenses é de alívio. Embora o PT estivesse aliado ao peemedebista Helder Barbalho na disputa pelo governo local, o acordo já enfrentava muita resistência interna e causava preocupações acerca da composição de um eventual governo em parceria com o DEM.

Com a vitória da presidente Dilma Rousseff e do candidato ao Senado Paulo Rocha (PT-PA), a avaliação de lideranças petistas é de que o cenário que se desenhou é o ideal para que o PT possa construir um nome próprio, em condições de disputar 2018 contra o PSDB do governador reeleito Simão Jatene, mais forte que o herdeiro do ex-governador Jader Barbalho (PMDB-PA).

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 10 de outubro de 2014 Eleições | 15:00

No Pará, partidos da base tucana fecham apoio a aliado de Dilma

Compartilhe: Twitter
O candidato a governador Helder Barbalho (PMDB-PA). Foto: Divulgação

O candidato a governador Helder Barbalho (PMDB-PA). Foto: Divulgação

Favorito na disputa pelo segundo turno ao governo do Pará, Helder Barbalho, filho do ex-governador Jader Barbalho, conseguiu atrair o endosso de vários partidos que integram a base tucana.

Aliado da presidente Dilma Rousseff, ele já tem o apoio formal do PP e do PV – além dos partidos que já compunham a chapa originalmente, como DEM, PDT, PROS, PR, PPL e PHS. O PRTB, que tinha candidato próprio, também declarou apoio ao peemdebista. Seu adversário é o atual governador tucano, Simão Jatene.

Entre as lideranças que apoiam a candidatura estão o segundo candidato mais votado ao Senado, Jefferson Lima (PP), e os ex-adversários ao governo do estado, Zé Carlos (PV) e Elton Braga (PRTB) – terceiro e quarto colocados na disputa, respectivamente. Desde o início, a coligação já surpreendeu ao ser a única no país em que PT e DEM se uniram nas disputas majoritárias.

Autor: Tags: , , , ,

segunda-feira, 11 de agosto de 2014 Estados | 07:30

‘Efeito será devastador’, diz petista, sobre reajuste da conta de luz no Pará

Compartilhe: Twitter
Deputado federal Claudio Puty (PT-PA). Foto: Divulgação

Deputado federal Claudio Puty (PT-PA). Foto: Divulgação

O deputado federal Cláudio Puty (PT-PA) afirma que procurou o governo federal, para tentar uma solução para o reajuste da conta de Luz no Pará, anunciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica. O aumento previsto no estado é de 34,41% nas residências e 36,41% nas indústrias.

“Eu levei pessoalmente a informação ao ministro (de Relações Institucionais) Ricardo Berzoini, para tentarmos encontrar uma solução”, disse Puty, que, no entanto, evita fazer projeções sobre o impacto eleitoral do aumento nas campanhas de Dilma Rousseff e do candidato a governador Helder Barbalho (PMDB-PA). “Ainda é cedo para apontar culpados, mas isso terá um efeito devastador para o comércio e para as famílias. É algo absurdamente abusivo, mostra como as agências reguladoras foram completamente capturadas pelas empresas privadas.”

Nesta semana, Puty irá solicitar ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), a instalação de uma comissão externa de parlamentares para investigarem a situação. Além disso, em reunião com Puty e o líder do PT na Assembleia Legislativa do Pará, Edilson Moura, o Ministério Público Federal no Pará afirmou que também investigará o aumento.

De acordo com o procurador-chefe do Ministério Público Federal no Pará, Bruno Valente, é preciso esclarecer porque o aumento ocorreu com tal proporção apenas no Pará. Além disso, também será questionada a ausência de audiências públicas no estado por parte da concessionária Celpa e a “razoabilidade” de se aumentar em mais de um terço a tarifa energética.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

terça-feira, 24 de junho de 2014 Eleições | 13:41

PT e DEM se unem para apoiar filho de Jader Barbalho no Pará

Compartilhe: Twitter
Deputado federal Lira Maia (DEM-PA) será candidato a vice de Helder Barbalho (PMDB). Foto: Divulgação

Deputado federal Lira Maia (DEM-PA) será candidato a vice de Helder Barbalho (PMDB). Foto: Divulgação

Está confirmada a aliança que unirá DEM, PT e PMDB no Pará, na tentativa de conduzir Helder Barbalho (PMDB-PA) – filho de Jader – ao governo do estado.

O deputado federal Lira Maia (DEM) ficará com a vaga de vice, enquanto o ex-deputado federal Paulo Rocha (PT) disputará o Senado.

“Até eu estou surpreso em saber que a vaga do Senado ficou com o PT”, afirmou o senador e presidente nacional do DEM, Agripino Maia. “Mas o Lira Maia apoiará o Aécio Neves claramente, independente da aliança regional”, minimizou.

A intenção original do DEM era fechar um acordo com o atual governador Simão Jatene (PSDB), que acabou cedendo a vaga de vice ao PSC do deputado federal Zequinha Araújo.

 

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,