Publicidade

Posts com a Tag Ibsen Pinheiro

segunda-feira, 24 de outubro de 2011 Congresso | 14:15

Veto de Dilma à redistribuição dos royalties de nada adianta

Compartilhe: Twitter

Uma parcela dos parlamentares governistas do Rio de Janeiro e do Espírito Santo tem dito acreditar que a presidenta Dilma Rousseff vetará o projeto de redistribuição dos royalities do petróleo conforme aprovado pelo Senado, se ele também for aprovado na Câmara.

Mas não é bem assim.

O presidente Lula vetou o primeiro projeto aprovado pelo Congresso — de autoria dos ex-deputados Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Humerto Spouto (PPS-MG), e do senador Pedro Simon (PMDB-RS). No entanto, todos no Congresso sabem que, se votado o veto de Lula, a maioria dos parlamentares o derruba com facilidade.

O medo dos estados não produtores é apenas quanto à constitucionalidade do texto inicialmente aprovado pelo Congresso. Por isso eles votaram um novo projeto no Senado.

Mas se a presidenta Dilma Rousseff vetar o novo texto, esse veto também pode ser facilmente derrubado pela maioria dos deputados e senadores. Quem explica é o próprio Ibsen Pinheiro:

— Nós aprovamos o primeiro projeto com 400 votos. Isso significa que temos maioria mais do que suficiente para derrubar qualquer veto.

Autor: Tags: , , , ,

quarta-feira, 19 de outubro de 2011 Congresso | 17:37

Ibsen Pinheiro volta ao Congresso para assombrar estados produtores de petróleo

Compartilhe: Twitter

Autor do projeto original de redistribuição dos royalties do petróleo, que foi vetado pelo ex-presidente Lula — e que esvaziou os recursos dos estados produtores–, o ex-deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) está neste momento no plenário do Senado em meio à sessão que votará um novo texto para o projeto.

O fotógrafo Orlando Brito flagrou Ibsen bem atrás de alguns dos principais negociadores, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), Wellington Dias (PT-PI) e Francisco Dornelles (PP-RJ).

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 28 de outubro de 2010 Eleições | 13:19

Deputado Ibsen Pinheiro diz que não tolera mais o sistema eleitoral brasileiro

Compartilhe: Twitter

O deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) não se reelegeu. Na verdade, nem se candidatou.

Presidente da Câmara durante o impeachment do ex-presidente da República Fernando Collor de Mello, Ibsen acabou cassado pela CPI que apurou o escândalo do Orçamento. Havia sido acusado de possuir uma movimentação  bancária muito superior a seus ganhos. O autor da reportagem, depois, confessou ter errado, mas o deputado já tinha sido cassado.

Agora ele explica assim por que desistiu de concorrer novamente:

— Desisti porque não tolero mais este sistema eleitoral. Especialmente o financiamento privado das campanhas, que nos obriga a pedir contribuições sem saber a ficha policial do doador. Já caí numa esparrela uma vez, e não quero cair em outra.

Poder Online pergunta: Mas então por que o senhor se candidatou para esta legislatura que termina agora?

Ibsen Pinheiro: Porque acreditava que aprovaríamos uma reforma política. Quando a reforma fracassou eu desisti. Mas resolvi cumprir o mandato até o final por respeito aos que me elegeram. Daí porque não tentei a reeleição. Não é desencanto com a vida pública, é irritação com a lógica eleitoral que produziu um fenômeno muito curioso no Brasil: de 1946 para cá só exitiram duas espécies de presidentes da República, os que cooptaram o Congresso e os que foram depostos.

Poder Online pergunta: O  senhor está dizendo que o Collor, de cujo impeachment participou ativamente, foi deposto porque não cooptou o Congresso?

— Exatamente. Os malfeitos do Collor foram superados, em muito, por vários dos que vieram antes e depois dele. Realmente, só caiu porque lhe faltou uma base parlamentar forte.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 27 de outubro de 2010 Congresso | 08:02

Para líder, autor da proposta de redistribuição dos royalties não tem cacife para dizer que derrota o governo

Compartilhe: Twitter

Líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP) afirmou que o deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) — autor do projeto de redistribuição igualitária dos royalties do petróleo entre todos os municípios —  não tem cacife para declarar, como fez ao Poder Online, que  o projeto será aprovado este ano “quer o governo queira, quer não queira”:

— O Ibsen não tem autoridade para dizer se a Câmara vai aprovar ou não o projeto. Já o derrotamos outras vezes e podemos derrotá-lo novamente. 

Mas, quando é perguntado se o governo vai adiar a votação para o ano que vem, Vaccarezza desconversa:

— A questão do pré-sal vai ser decidida em reunião de líderes. Teremos apenas seis semanas para votar entre 10 e 12 Medidas Provisórias, alé do Orçamento da União e o todo o marco regulatório do pré-sal.

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 26 de outubro de 2010 Congresso | 19:14

Ibsen Pinheiro: “Vamos aprovar a redistribuição dos royalties do pré-sal este ano. Quer o governo queira, quer não queira”

Compartilhe: Twitter

O deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) é um dos autores e dos principais  articuladores — junto com Humberto Souto (PPS-MG) — do projeto de redistribuição igualitária dos royalties do petróleo entre todos os municípios do Brasil. Ele não se candidatou à reeleição, mas diz ter certeza de que o governo não conseguirá evitar aprovação definitiva do seu projeto pelo Congresso ainda este ano.

— A Petrobrás e o mercado não abrem mão de votar o marco regulatório do pré-sal logo. Até mesmo o governo precisa dessa legislação para negociar a entrada do capital estrangeiro necessário a ajudar na exploração do pré-sal. E, regimentalmente, o texto dos royalties está amarrado à questão do marco regulatório. O governo vai tentar novamente separar, para adiar a votação dos royalties, mas não conseguirá. Vai ter que colocar em pauta e será derrotado outra vez no plenário.

Poder Online:  Mas o sr. não acha que o governo vai insistir em adiar para tratar do assunto sem a sua presença e do deputado Humerto Souto, que também não se reelegeu?

Ibsen Pinheiro: Acho que, de fato, nós atrapalhamos bastante os planos deles. Fui presidente da Câmara e o Souto foi líder e deputado por dezenas de anos, além de presidente do Tribunal de Contas da União. Entendemos do Regimento Interno muito mais do que o Henrique Eduardo Alves (líder do PMDB) e do que o Cândido Vaccarezza (líder do governo). Mas eles não se livrariam da gente. Continuaremos com o broche de ex-deputado que nos dá acesso livre ao plenário. Ficaríamos aqui articulando até derrotar o governo. Mas isso não vai acontecer. Vamos votar e decidir antes.

Autor: Tags: , , ,

quarta-feira, 13 de outubro de 2010 Congresso | 13:03

Defensores da redistribuição dos royalties não foram reeleitos

Compartilhe: Twitter

Humberto Souto

O projeto de redistribuição igualitária dos royalties do petróleo entre todos os municípios do Brasil perderá dois de seus maiores e mais bem-sucedidos articuladores no Congresso. Exatamente os dois autores da emenda que derrotou o governo na Câmara e no Senado e que voltou para votação na Câmara: Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) e Humberto Souto (PPS-MG).

Ambos não foram reeleitos (Ibsen nem sequer disputou). Vão tentar de todas as formas fazer o projeto ser votado em definitivo na Câmara logo depois do segundo turno das eleições. Eles dizem que derrotam novamente, no plenário, tanto o governo como os estados produtores de petróleo  — principalmente Rio de Janeiro e Espírito Santo .

Tanto Dilma Rousseff quanto Josaé Serra, se vencerem a eleiçõe presidencial, vão querer deixar o projeto para ser votado no ano que vem. Dilma, para estar livre de Ibsen e Souto durante a votação. Serra, para poder pensar e negociar melhor o texto: não está clara a vantagem ou desvantagem para São Paulo.

Autor: Tags: , , , ,

sábado, 7 de agosto de 2010 Eleições | 06:01

Royalties: Ibsen e Souto articulam para surpreender o governo novamente

Compartilhe: Twitter

Os dois dias de esforço concentrado do Congresso, nesta semana, não serviram para votar grandes coisas. Mas os parlamentares aproveitaram o reencontro para retomar velhas articulações.

Os deputados Ibsen Pineiro (PMDB-RS) e Humberto Souto (PPS-MG), por exemplo, são os autores do projeto de redistribuição igualitária dos royalties do pré-sal entre todos os municípios. Surpreenderam o governo federal e os governadores do Rio de Janeiro e do Espírito Santo aprovando o texto tanto na Câmara como no Senado.

O Palácio conseguiu adiar a votação definitiva para depois das eleições, na expectativa de jogar o assunto ainda mais para a frente. Quem sabe, para o próximo governo…

Mas Ibsen e Souto, devagarzinho, aproveitaram cada minuto no Congresso esta semana para falar ao pé do ouvido de seus colegas e convencê-los a aprovar o texto final. Os dois são experts neste tipo de ariculação de bastidores. E têm tudo para  surpreender o governo novamente após as eleições.

Abordados pelo Poder Online dentro do plenário, pareciam dois meninos arteiros pegos de surpresa. Veja só:

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 29 de junho de 2010 Congresso | 07:10

Ibsen acha que Lula não vetará redistribuição dos royalties

Compartilhe: Twitter

O deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) divide com o colega Humberto Souto (PPS-MG) e o senador Pedro Simon (PMDB-RS) a autoria do projeto de redistribuição dos royalties do petróleo de maneira iguialitária entre todo os estados brasileiros.

Ele diz não acreditar que o presidente Lula vetará a emenda, conforme afirmou o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP):

– Vaccarezza não conhece bem o Lula. Eu convivi com o presidente no Congresso, quando eu era líder do PMDB e ele, líder do PT. O Lula não é homem de confrontos, é um construtor de caminhos. Acho que, se o projeto for aprovado, ele não vai contrariar o Congresso.

Autor: Tags: , , , , , , ,

terça-feira, 8 de junho de 2010 Brasil | 19:31

“Querem enganar os prefeitos”

Compartilhe: Twitter
O deputado Humberto Souto (PPS-MG) é autor – junto com Ibsen Pinheiro (PMDB-RS) – do projeto aprovado pela Câmara que distribui igualmente os royalties do pré-sal entre todos os estados da União, e não mais apenas entre os produtores.

Ao ver que os líderes governistas do Senado acertaram votar apenas o pré-sal até o recesso, deixando os royalties para depois das eleições, Souto deixou a Câmara e foi para o plenário da outra Casa tentar convencer os senadores a mudar de ideia. No vídeo ao lado, ele fez questão de gravar o seu protesto para o Poder Online.

 

Autor: Tags: , ,