Publicidade

Posts com a Tag João Pizzolatti

quinta-feira, 27 de outubro de 2011 Partidos | 09:02

O 56º deputado do PSD

Compartilhe: Twitter

O PSD anunciou ontem 55 deputados. Mas o 56º estava lá. É Odacir Zonta (SC). Ele chegou a assumir o mandato no início do ano mas, como a Justiça derrubou a validade da Lei da Ficha Limpa para 2010, foi obrigado a ceder a cadeira para João Pizzolatti (PP-SC).

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 4 de maio de 2011 Congresso | 09:01

Saem primeiras determinações do STF para a posse de políticos condenados pelo Ficha Limpa

Compartilhe: Twitter

O ministro Ayres Brito, do Supremo Tribunal Federal, despachou para o Tribunal Superior Eleitoral a chamada retratação da condenação — ocorrida com base na Lei do Ficha Limpa — do ex-líder do PP na Câmara João Pizzolatti (PR) e do ex-governador da Paraiba Cassio Cunha Lima (PSDB).

A retratação é consequência da decisão do STF de que a Lei do Ficha Limpa não valeu para as eleições de 2010.

Com isso, os Tribunais Regionais Eleitorais do Paraná e da Paraíba deverão comunicar nos próximos dias ao Congresso Nacional que Pizzolatti deve assumir sua cadeira de deputado federal e Cássio, como senador.

Autor: Tags: , , , , , ,

quinta-feira, 14 de abril de 2011 Partidos | 14:04

Petrobras ajudou Dornelles a garantir comando do PP

Compartilhe: Twitter

O senador Francisco Dornelles (RJ) foi reconduzido à presidência do PP. Pareceu tudo muito fácil. Afinal, ele não teve concorrente e foi reeleito por aclamação.

Nos bastidores, no entanto, um grupo formado por Pedro Corrêa (PE), Pedro Henry (MT), João Pizzolatti (SC) e pelo ministro Mário Negromonte (Cidades) chegou a articular o nome do senador Benedito de Lira (AL) para disputar com Dornelles. Estava tudo certo. Lira já se via como novo presidente do PP.

Só tinha um problema: a manutenção de Paulo Roberto da Costa na diretoria de abastecimento da Petrobras. O Palácio do Planalto fez chegar ao PPP (Pedro, Pedro e Pizzolati) que, se Dornelles não fosse mantido no comando do partido, Paulo Roberto perderia seu cargo.

Foi aí que o trio optou pelo quarto P, de Petrobras, e abandonou o B, de Benedito.

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011 Congresso | 17:03

Líder do PP sofre ataques da própria bancada

Compartilhe: Twitter

O líder do PP na Câmara, Nelson Meurer (PR), está com a cabeça a prêmio. Parte da bancada defende sua saída do cargo 30 dias após ele ter sido nomeado. 

O grupo avalia que o nome de Meurer foi imposto por seu antecessor, João Pizzolatti (SC), cujo mandato está sub-júdice no Supremo Tribunal Federal. 

O racha no PP ficou latente quando um grupo do partido lançou Rebecca Garcia (PP-AM) para disputar a vaga de segunda vice-presidente da Câmara contra Eduardo Da Fonte (PP-PE), que tinha o apoio de Meurer.

Da Fonte saiu vencedor, mas aliados próximos avaliam que Meurer seguirá sendo desafiado pelo grupo pepista insatifeito com suas decisões.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 30 de novembro de 2010 Congresso | 15:50

PT e PMDB tentam acordo sobre presidência da Câmara

Compartilhe: Twitter

Depois de ameaçar lançar candidatura à presidência da Câmara já nesta semana, o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves, se reúne neste momento com o líder do Governo, Cândido Vaccarezza (PT). Os dois são candidatos ao comando da Casa durante o governo de Dilma Rousseff.

O objetivo da nova rodada de negociações é definir quem vai ocupar o primeiro biênio na presidência da Câmara, e o que o partido que cedeu a vez levará em troca.

O almoço acontece na casa do líder do PP, João Pizzolatti, e conta com a presença de líderes de partidos que compõem o blocão do PMDB formado por mais de 200 parlamentares.

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 12 de novembro de 2010 Congresso | 13:58

Os três pês do PP

Compartilhe: Twitter

No governo, o PP não é conhecido, como seria de se esperar, como o partidos dos dois pês.

Mas, sim, o partido dos três pês.

O primeiro “P”, é de Pizzolatti. Trata-se do líder da legenda, João Pizzolatti (SC), cuja reeleição para a Câmara está sub judice, já que o TSE indeferiu o registro de sua candidatura com base na Lei do Ficha Limpa.

O segundo “P” é de Pedro Henry (MT). O deputado foi declarado inelegível pelo TRE de seu Estado, mas está com recurso tramitando no TSE.

E o terceiro “P” é do ex-deputado Pedro Corrêa (PE),  que continua muito forte nos bastidores da legenda. Ele foi cassado pela Câmara, em 2006, por causa do Mensalão, mas elegeu a filha, Aline, como deputada federal por São Paulo.

O grupo está em campanha para fazer do colega Mario Negromonte (PP-BA) ministro no governo de Dilma Rousseff. Mas sofre forte resistências do Palácio do Planalto.

Autor: Tags: , , , , ,