Publicidade

Posts com a Tag José Serra

segunda-feira, 6 de outubro de 2014 Eleições | 10:30

Com Aécio no 2º turno e Serra eleito, ministério deve voltar à mesa de negociações

Compartilhe: Twitter

Agora que o ex-governador José Serra está eleito senador e Aécio Neves disputa o segundo turno da corrida presidencial, a indicação do paulista para um eventual ministério do colega mineiro pode voltar à mesa de negociações. As conversas esfriaram por causa da dianteira da ex-senadora Marina Silva (PSB) nas pesquisas. Mas, segundo aliados do senador eleito, devem ser retomadas nesta nova fase da disputa.

José Serra: 'Paz e amor' (foto: divulgação)

José Serra: ‘Paz e amor’ (foto: divulgação)

Interlocutores de Serra reconhecem que, passada a eleição, um fator alterou o quadro das conversas sobre uma cadeira na Esplanada: o tucano foi criticado por adversários pela possibilidade de abandonar o mandato. Serra já amarga o desgaste de ter deixado a prefeitura em 2010, para disputar o governo paulista. Mas, até segunda ordem,  a ideia de integrar o primeiro escalão de um eventual governo tucano ainda é o plano A do time serrista.

Antes da largada da corrida eleitoral, Aécio e Serra chegaram a negociar reservadamente a indicação. Nenhuma proposta formal chegou a ser fechada, mas a alternativa tida como mais provável era o futuro superministério da Infraestrutura, que Aécio prometeu criar.

O PSDB considera importante o engajamento de Serra na campanha de Aécio neste segundo turno. Um acordo nesta etapa poderia ajudar a trazer o senador eleito para mais perto do mineiro.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 1 de outubro de 2014 Eleições | 06:00

José Serra vê cachorrinhos por todos os lados

Compartilhe: Twitter
José Serra (Foto: Alan Sampaio, iG Brasília)

José Serra (Foto: Alan Sampaio, iG Brasília)

O ex-governador paulista José Serra andou comentando com os amigos que ficou surpreso com a quantidade de candidatos que se lançaram na eleição deste ano apoiados na bandeira da defesa dos animais.

E até brincou com a tendência. “É tanto candidato, que daqui a pouco vamos ter que importar cachorrinhos”, disse o tucano, segundo um interlocutor.

Autor: Tags: ,

quarta-feira, 24 de setembro de 2014 Eleições | 09:00

Projeto Serra em 2018 ainda tem adeptos

Compartilhe: Twitter
José Serra: 'Paz e amor' (foto: divulgação)

José Serra: ‘Paz e amor’ (foto: divulgação)

Há entre os que conhecem bem o ex-governador José Serra quem aposte sem sombra de dúvida que o tucano baterá o pé para ficar no páreo para a disputa presidencial de 2018.

A idade e o desgaste da corrida de 2010 jogam contra o tucano. Mas, se o senador Aécio Neves de fato terminar a corrida deste ano em terceiro lugar, ele pode sim embarcar numa briga dura com o atual governador Geraldo Alckmin pela vaga.

Alckmin, se conseguir se reeleger, entraria com a bagagem dos mandatos que teve à frente do maior colégio eleitoral do país. Serra, se vencer a disputa do Senado, poderia investir para se tornar um nome de destaque no Congresso.

 

Autor: Tags: ,

terça-feira, 2 de setembro de 2014 Congresso | 19:21

Embalados pela eleição, parlamentares retomam proposta de plebiscito da reforma política

Compartilhe: Twitter

Os deputados federais Renato Simões (PT-SP) e Luiza Erundina (PSB-SP) iniciaram, nesta tarde, a coleta de assinaturas de seus colegas parlamentares para apresentar um projeto de decreto de lei que convocaria um plebiscito oficial sobre a reforma política.

A iniciativa precisa de 171 assinaturas para ser apresentada à Mesa Diretora da Câmara e já conta com o apoio de parlamentares de outras siglas como PSOL, PCdoB e até mesmo do tucano José Aníbal, deputado federal e candidato a primeiro suplente de José Serra (PSDB) ao Senado.

 

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 22 de agosto de 2014 Eleições | 19:06

PT adota mote de Serra e cria ‘time do bem’

Compartilhe: Twitter
O governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT) também é alvo de questionamento na Justiça. (Foto: Cristiano Mariz)

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT). (Foto: Cristiano Mariz)

Após o tucano José Serra ter adotado o jingle “Serra é do bem”, quando disputava as eleições para a prefeitura de São Paulo, em 2012, agora é a vez do PT usar o mote.

No Distrito Federal, os candidatos proporcionais que integram a coligação do governador e candidato à reeleição, Agnelo Queiroz (PT), têm sido apresentados como “Time do Bem”. Ampla, a chapa reúne candidatos do PT, PRB, PC do B, PP, PSC e PROS.

Leia também: Candidato, Capitão Bruno pede voto com slogan ‘porque eu quis’

O tal time gerou constrangimentos nas campanhas de alguns candidatos, conhecidos por serem rivais no Congresso Nacional. Conhecida por sua atuação na área de Direitos Humanos, a deputada federal Erika Kokay (PT-DF), por exemplo, não gostou de se associar ainda mais ao evangélico Ronaldo Fonseca (PROS-DF) ou ao Capitão Bruno (PP-DF), da Polícia Militar.  

Já Serra decidiu diversificar seus jingles, nestas eleições. O ex-governador manteve o mote de 2012, com o “Samba do Bem”, mas lançou um segundo jingle com a rima “Serra, Serra, senador, 456” – em referência à música infantil, onde no lugar de senador aparece serrador.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 8 de agosto de 2014 Eleições | 06:00

Aécio negocia com José Serra superministério da Infraestrutura

Compartilhe: Twitter
Aécio Neves e José Serra

Aécio Neves e José Serra

Aécio Neves e José Serra já conversaram sobre os possíveis destinos do ex-governador paulista num eventual governo comandado pelo tucano.

Entrou na conversa a ideia de alocar Serra no Ministério da Infraestrutura, que deverá ser ressuscitado por Aécio, caso seja eleito.

O superministério reuniria várias pastas que hoje estão entre as mais cobiçadas por aliados do governo petista, entre elas Transportes e Energia.

Leia também: Aécio promete anunciar ministério ainda durante a campanha

Autor: Tags: , ,

quinta-feira, 7 de agosto de 2014 Política | 15:00

Em biografia de Roberto Freire, Serra diz que o deputado acertou mais do que errou

Compartilhe: Twitter
Presidente nacional do PPS, Roberto Freire. Foto: Divulgação

Presidente nacional do PPS, Roberto Freire. Foto: Divulgação

O ex-governador José Serra assina o texto de apresentação da biografia que o deputado Roberto Freire (PPS-SP) lança na noite desta quinta-feira, em São Paulo.

Ao discorrer sobre o colega, que chegou a convidá-lo a integrar o PPS e se lançar candidato a presidente, Serra disse que Freire “ao longo de sua trajetória política, acertou bem mais do que errou”.

O livro, organizado por Milton Coelho da Graça, será autografado a partir das 18h30, na Livraria da Vila do Shopping Pátio Higienópolis.

Autor: Tags: ,

Eleições | 06:00

Saulo de Castro entra na lista de cotados do PSDB para 2016

Compartilhe: Twitter

A dificuldade do PSDB de apresentar novos quadros eleitorais em São Paulo é velha conhecida do partido. Mas a recente troca feita pelo governador Geraldo Alckmin na Casa Civil acendeu as expectativas de alguns grupos dentro da legenda. A indicação de Saulo de Castro Abreu para a vaga que ficou aberta com a ida de Edson Aparecido para a campanha de Alckmin foi automaticamente entendida como uma aposta para a próxima corrida para a Prefeitura de São Paulo.

Geraldo Alckmin e Saulo de Castro (Foto: Divulgação/SSP-SP)

Geraldo Alckmin e Saulo de Castro (Foto: Divulgação/SSP-SP)

Não é de hoje que Alckmin tenta emplacar o auxiliar como alternativa eleitoral. O problema é que ele costumava esbarrar no ex-governador José Serra. Mas, na avaliação de aliados próximos, Serra dificilmente se colocará no páreo para a corrida de 2016. O mais provável, diz um interlocutor, é que ele opte por permanecer no Senado se vencer em outubro, apostando em um nome como o vereador Andrea Matarazzo para a corrida municipal.

Se for o caso, alckmistas acreditam que Saulo de Castro tem boas chances de levar a candidatura, ainda mais com a visibilidade que pode vir a ter na Casa Civil. Sua passagem pela Secretaria de Segurança Pública do estado, por exemplo, já é apontada como possível bandeira de campanha.

Mas ainda há outros cotados. É o caso de Bruno Covas, que também integra o time alckmista e pode vir a disputar internamente a indicação. Na corrida interna, ninguém descarta também um possível interesse de José Aníbal.

Leia também: Edson Aparecido assume campanha de Alckmin; Saulo de Castro vai comandar Casa Civil

 

Autor: Tags: , , , , , ,

domingo, 3 de agosto de 2014 Eleições | 07:00

‘Carregar o Padilha com 89 Kg foi tranquilo’, diz Suplicy

Compartilhe: Twitter

Com 73 anos, o senador e candidato à reeleição Eduardo Suplicy (PT) surpreendeu ao carregar nas costas o companheiro petista e candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha. Mas a boa forma de dar inveja aos adversários não vem do nada. Suplicy contou ao Poder Online que cumpre uma rotina rigorosa de exercícios físicos, mesmo com a agenda dividida entre Brasília, São Paulo e dezenas de municípios já visitados durante a campanha.

Senador Eduardo Suplicy (PT-SP). Foto: Divulgação

Senador Eduardo Suplicy (PT-SP). Foto: Divulgação

“Faço aula de ginástica com uma personal trainer toda segunda e sexta-feira. Carregar o Padilha com 89 Kg foi tranquilo”, diz o senador. “Acho que saúde é uma coisa muito importante. Antes de me candidatar, fiz um check-up completo e perguntei ao médico se tinha condições de cumprir mais 8 anos de mandato. Ele me respondeu que eu estava tão saudável que poderia me candidatar para os próximos 24”, se orgulha o candidato, que já cumpriu três mandatos como senador.

Suplicy, no entanto, evita comparar sua condição física à dos demais candidatos e se limita a dizer que acredita em um apoio crescente à sua candidatura: “É evidente que o José Serra (PSDB) sai de um patamar com muito mais exposição do que eu, que fui candidato pela última vez em 2006. Mas sempre competi com candidatos extremamente fortes e, ainda assim, em 1990 fui eleito ao Senado com 30% dos votos válidos, em 1998 com 43% e em 2006 com 48%”, lembra o senador.

Confira os principais trechos da entrevista:

Poder Online: Senador, o senhor deve estar com dor nas costas, depois de ter carregado o Padilha
Senador Eduardo Suplicy (PT-SP): Não, de forma alguma. Não tive nenhuma dor, estou perfeitamente bem. Eu faço aula de ginástica com uma personal trainer toda segunda e sexta-feira, às 6h45. Na segunda-feira, costumo ir bem cedinho para depois embarcar para Brasília. Faço uma hora de ginástica – ando 7 minutos, corro mais 30 e faço diversos exercícios.

E durante a semana, em Brasília, o senhor também consegue se exercitar?
Sim, eu acordo logo cedo e faço caminhadas, corridas. E, no fim de semana, quando estou em São Paulo, vou pelo menos uma vez a algum parque. Então, carregar o Padilha com 89 Kg foi tranquilo.

O senhor acredita que está em melhor forma do que seus adversários José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (PSD)?
O que eu posso dizer é que eu procuro sempre estar em boa forma. E acho que saúde é uma coisa muito importante. Antes de me candidatar, fiz um check-up completo e perguntei ao médico se tinha condições de cumprir mais 8 anos de mandato. Ele me respondeu que eu estava tão saudável que poderia me candidatar para os próximos 24. Eu levei essa informação para a convenção do PT, onde fui aplaudido e tive o apoio, por unanimidade, à minha reeleição.

Falando então politicamente, como o senhor pretende enfrentar essa vantagem que o Serra tem apresentado nas intenções de voto?
É evidente que o Serra sai de um patamar com muito mais exposição do que eu, que fui candidato pela última vez em 2006. Mas sempre competi com candidatos extremamente fortes. Em 1990, disputei a eleição com o Ferreira Neto (PTB), que tinha o apoio do Fernando Collor, o Afif Domingos (PMDB) e o Franco Montoro (PSDB) e, ainda assim, fui eleito ao Senado com 30% dos votos válidos. Em 1998, havia o campeão mundial de basquete Oscar Schmidt (PPB), muito querido pela população, e obtive 43%. Em 2006, já foram 8,8 milhões de votos, um total de 48%.

O senhor acredita que essa crise da água pode enfraquecer o PSDB na disputa contra o PT?
Eu sei que deveriam ter sido feitos alguns investimentos que nem sempre foram realizados. Mas vivemos um problema sério de escassez de água e todos nós somos responsáveis por evitar esse desperdício. Eu tenho ligado para a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) para me informar sobre os problemas no abastecimento e o que eu acho é que é preciso haver um entrosamento muito bom dos três níveis de governo para sair dessa crise. Também brinco dizendo que seria bom pedir para o Papa Francisco pedir para São Pedro fazer as pazes com São Paulo (risos).

E com relação ao prefeito Fernando Haddad, o senhor acredita que os altos índices de rejeição podem atrapalhar o PT? Aliás, o senhor considera que essas críticas têm sido injustas?
Sim, completamente injustas. Tenho a convicção de que o Haddad será um dos melhores prefeitos que São Paulo já teve e de que à medida que a população conhecer melhor suas características pessoais isso irá mudar. Eu estive na cerimônia que sancionou o Plano Diretor de São Paulo e fiquei extremamente estimulado com sua capacidade de discernimento, articulação e diálogo. Desde os movimentos sociais aos empresários presentes, todos elogiaram sua postura. O Haddad conseguiu articular mais de 25 mil pessoas, distribuídas em 112 reuniões de consulta, para pensarem o futuro de São Paulo.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 21 de julho de 2014 Eleições | 09:00

PSDB entra na campanha com atenções voltadas para 2018

Compartilhe: Twitter

Os principais grupos que compõem o PSDB se movimentam na corrida às urnas deste ano tendo em vista a eleição presidencial de 2018. Entre uma alfinetada e outra, serristas, alckmistas e aecistas concordam em pelo menos um ponto: tudo o que acontecer nos próximos meses dará a linha para o plano do partido na próxima corrida ao Palácio do Planalto.

Alckmin e Aécio, rivais para disputa de 2018 (Foto: Marcel Frota/iG Brasília)

Alckmin e Aécio, rivais para disputa de 2018 (Foto: Marcel Frota/iG Brasília)

Aliados do ex-governador José Serra admitem que o tucano perdeu feio a primeira parte da disputa. Ficou fora da corrida presidencial, como sonhava, tem a idade jogando contra uma candidatura futura e acabou tendo de aceitar a incorporação de grande parte de seu grupo político ao círculo próximo ao senador Aécio Neves.

Aliados de Aécio comemoram a dianteira. Com a candidatura presidencial neste ano, conseguiram ampliar o apoio interno ao senador e, agora, dependem do desempenho nas urnas. Mas admitem que, por trás dos eventos de campanha com direito a pastel na feira e mãos dadas no palanque, têm no governador paulista Geraldo Alckmin o concorrente natural para a cabeça de chapa em 2018, principalmente se o governador se reeleger e se Aécio perder a corrida ao Planalto.

Alckmin, na visão de aecistas, tem dado sinais de que a disputa não será leve. No time alckmista, ninguém faz muito mistério ao dizer que o governador não tem motivo para se empenhar de fato na campanha de Aécio. Nem mesmo em assegurar um bom desempenho do tucano na corrida. O mais provável, afirmam, é que ele se dedique até o ponto em que for interessante para ele próprio. Prova disso, afirmam, foi a insistência em selar a aliança com o PSB do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos.

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última