Publicidade

Posts com a Tag MST

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012 Governo | 06:02

Balanço anual do MST critica governo Dilma

Compartilhe: Twitter

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) divulgou ontem seu balanço de 2011 com críticas ao governo Dilma Rousseff.

Segundo o texto do MST, “a ofenciva das forças do capital e a falta de iniciativa política do governo federal fizeram de 2011 mais um ano ruim para a Reforma Agrária. Apenas 35 áreas foram transformadas em assentamentos, beneficiando apenas 6 mil famílias. Os números correspondem a 20% do que o ex-presidente Lula realizou em seu primeiro ano de mandato, quando 135 assentamentos foram criados, assentando 9.195 famílias.”

Autor: Tags: , , ,

segunda-feira, 4 de julho de 2011 Brasil | 15:50

MST faz homenagem a Itamar Franco

Compartilhe: Twitter

O Movimento dos Sem Terra fez deferência especial a Itamar Franco. O coordenador do MST, João Pedro Stédile, enviou a seguinte carta aos parentes do presidente:

Estimados familiares do nosso querido Itamar Franco,

infelizmente, a vida tem seu ciclo natural e perdemos nosso querido Itamar.

Em nome do MST, manifestamos nossos pesares. Nossa base tem um carinho especial por Itamar Franco.

Mais do que um homem público irretocável, comprometido com a causa pública, com o povo brasileiro, ele sempre nos atendeu com carinho e amizade.

Tinha uma sensibilidade social enorme e sempre nos apoiou, mesmo nas batalhas mais duras, enfrentando enormes interesses na questão da Reforma Agrária.

Sentiremos muito sua falta, mas temos nele sempre um exemplo de homem público, de ser humano solidário e humilde.

Um forte abraço,
Joao Pedro Stedile
Coordenação Nacional do MST”

Itamar, lembra nota do MST, se orgulhava de ter sido o primeiro presidente da República a ter recebido o MST no Palácio do Planalto.

Autor: Tags: ,

segunda-feira, 27 de junho de 2011 Brasil | 06:08

Criação da AlbaTV é prioridade na tática do MST

Compartilhe: Twitter

João Pedro Stédile (Foto: Alex Silva/AE)

A estratégia de atuação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) para os próximos anos vai muito além da luta contra o latifúndio. Nos dia 5 e 6 de julho, em Caracas, o MST debaterá suas prioridades na Conferência dos Estados Latino-americanos, em Caracas, na Venezuela.

– Dois pontos são fundamentais para enfrentar os projetos do imperialismo capitalista e da integração do capitalismo continental: ampliar o poder dos setores sociais no setor de mídia e dominar o conhecimento científico – adiantou o coordenador-geral do MST, João Pedro Stédile, durante o XVI Encontro Nacional de Economia Política, que terminou no fim de semana, em Uberlândia.

Segundo Stédile, o MST estará empenhado em ajudar a criar uma rede alternativa de comunicação, como a TeleSur, criada em 2005:

– Seria uma AlbaTV, por exemplo, e também com rádios e portais na internet. A comunicação é fundamental para criar um clima que estimule a ascensão do movimento de massas. Não adianta ter governos progressistas sem o povo organizado  – diz Stédile.

No campo do conhecimento, o MST atua na formação de médicos para saúde preventiva, agrônomos e veterinários:

– Hoje a maior parte das faculdades de agronomia só formam agrônomos para fazer veneno e as de veterinária formam gente para trabalhar em pet shops, cuidar de cachorrinho de madame. Precisamos de profissionais para trabalhar na agroecologia, cuidar de gado de corte. Isso tá faltando – diz Stédile.

Autor: Tags: , , ,

terça-feira, 19 de abril de 2011 Brasil | 19:16

Wagner dá apoio ao MST e secretaria é desocupada após uma semana

Compartilhe: Twitter

Jaques Wagner recebe integrantes do MST (Foto: Manu Dias/AGECOM)

Os cerca de 3.000 integrantes do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) anunciaram o fim da ocupação da área externa da Seagri (Secretaria Estadual de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária) da Bahia.

Após audiência com o governador Jaques Wagner (PT), a liderança do MST decidiu acabar com a mobilização iniciada há uma semana. O governo apresentou um projeto de inclusão produtiva que visa dar apoio aos 553 assentamentos do Incra no estado e a proposta de um assentamento modelo.

Autor: Tags: , ,

domingo, 17 de abril de 2011 Governo | 06:08

Coordenador do MST: “O Bolsa Família contribui com o movimento”

Compartilhe: Twitter

José Batista de Oliveira (Foto: Verena Glass/ Arquivo MST)

Coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e responsável pela relação do movimento com o governo, José Batista de Oliveira nega que o Bolsa Família tenha sido um dos fatores que levaram à redução do número de acampamentos de sem terra, como afirmou o líder João Pedro Stédile, abrindo uma polêmica na organização. Nesta entrevista, por email, ao Poder Online, ele afirma que o efeito do programa social foi justamente o contrário: “Sem perspectiva de conquistar a terra, as famílias buscam alternativas para a sobrevivência. O Bolsa Família é um elemento pontual, que em determinadas regiões contribui com a mobilização do movimento”.

À espera de um encontro com a presidenta Dilma Rousseff, ele diz que o movimento já fez mais de 70 ocupações em mais de vinte estados para marcar a Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária, o chamado Abril Vermelho. E garante que, até o fim do mês, o movimento vai intensificar suas ações.

Poder Online – O MST deve intensificar as ocupações para pressionar o governo?

João Batista de Oliveira – Já fizemos atividades em todos os estados onde estamos organizados em defesa da Reforma Agrária, como ocupações de terras, protestos no Incra e secretaria de agriculturas, marchas, audiências públicas e distribuição de alimentos sem agrotóxicos. Mais de 70 latifúndios foram ocupados, e a jornada segue até o final do mês. O 17 de Abril é dia nacional de luta pela reforma agrária, assinado em decreto pelo Fernando Henrique, que se estende pelo mês inteiro, com lutas do conjunto do movimento camponês pela reforma agrária e contra a impunidade do latifúndio e do agronegócio.

Poder Online – João Pedro Stédile avaliou que 2010 foi o pior ano para a reforma agrária e apontou o Bolsa Família como um dos fatores que levaram à redução do número de acampamentos. Concorda?

João Batista de Oliveira – O motivo central para a diminuição do número de famílias acampadas é a lentidão do processo de criação de assentamentos. Sem perspectiva de conquistar a terra, as famílias buscam alternativas para a sobrevivência. No entanto, elas continuam querendo entrar em um projeto de assentamento e vão voltar para os acampamentos se a reforma agrária avançar. O Bolsa Família é um elemento pontual, que em determinadas regiões contribui com a mobilização do Movimento. Em anos eleitorais, todos os órgãos públicos trabalham em velocidade mais reduzida. No caso da Reforma Agrária, que já anda devagar, a situação ficou pior ainda.

Poder Online – Quais são as reivindicações do movimento para 2011?

João Batista de Oliveira – O governo precisa resolver a situação das famílias acampadas. Algumas estão há mais de cinco anos vivendo embaixo da lona preta. Por isso, cobramos que o governo crie um plano emergencial para assentar as 100 mil famílias acampadas até o final deste ano. Queremos também que o governo construa um plano de reforma agrária, com metas anuais até 2014. A partir disso, deve construir as condições orçamentárias do Incra para fazer a obtenção de terras, fazer as desapropriações e criar os assentamentos. Precisamos também de políticas do governo para desenvolver os assentamentos mais novos, com política de crédito agrícola e assistência técnica, além de medidas para a construção de casas, posto de saúde, escolas, estradas para viabilizar a produção.

Poder Online – Durante seu discurso de posse no Incra, Celso Lacerda afirmou que o governo qualificará a gestão do Incra “nos padrões da iniciativa privada, com gasto cada vez menor e produtividade cada vez maior”. O orçamento para reforma agrária caiu de R$ 600 milhões para R$ 380 milhões. Como o movimento vê esse corte?

João Batista de Oliveira – Em vez de cortar o orçamento das áreas sociais, o governo tinha que cortar o superávit primário e a taxa de juros do Banco Central, que só remuneram o capital financeiro e os bancos. Um das nossas reivindicações é a recomposição do orçamento do Incra. Se o governo quer enfrentar o problema da pobreza, precisa fazer a reforma agrária. Para isso, tem que disponibilizar recursos necessários para fazer as desapropriações e assentar as famílias acampadas, que vivem numa situação muito difícil anos e anos na beira das estradas. Em relação ao Celso Lacerda, é um homem sério, honesto e tecnicamente preparado. Esperamos que ele consiga fazer do Incra um órgão ágil e eficiente para a realização da reforma agrária.

Poder Online – Há uma previsão de quando será o primeiro encontro do MST com a presidenta Dilma?

João Batista de Oliveira – Não tem previsão. Nós queremos fazer uma audiência com a presidenta Dilma e apresentar nossa proposta de reforma agrária.

Poder Online – Eldorado do Carajás completa 15 anos. A Comissão Pastoral da Terra divulgou o relatório Conflitos no Campo Brasil 2010, que mostra um aumento de assassinatos em conflitos de 26 em 2009 para 34 em 2010. Como analisa esses dados?

João Batista de Oliveira – A indignação com o massacre não é só do MST, mas de toda a sociedade brasileira. O massacre é um exemplo de como o Estado funciona quando os trabalhadores se organizam e lutam pelos seus direitos. Em primeiro lugar, a polícia reprime e mata. Depois, o Poder Judiciário se omite e mantém em liberdade os responsáveis pelas mortes. Não mudaram as condições por trás do massacre: a concentração da terra, a violência do latifúndio, do agronegócio e Estado e a impunidade dos ricos e poderosos. Por isso, continuamos a nossa luta, porque o massacre não pode cair no esquecimento para não acontecer de novo.

Poder Online – Quais são as principais críticas ao projeto do Código Florestal?

João Batista de Oliveira – Viabilizar a diminuição da área de Reserva Legal e das Áreas de Preservação Permanente, para ampliar o espaço de expansão da fronteira do agronegócio, desmatando a Amazônia e o Cerrado para implementar a monocultura da soja, cana, eucalipto e do gado. O conjunto dos movimentos sociais do campo e a maior parte do movimento sindical dos trabalhadores rurais estão contra as mudanças propostas por Aldo Rebelo. Essa é a pressão do capital internacional, aliado com os fazendeiro brasileiros, que está por trás do relatório do Aldo Rebelo. Em relação ao passivo da pequenos agricultura, muito utilizado para justificar as mudanças, o governo poderia fazer um programa específico para resolver essa questão, em vez de devastar o Código Florestal. O problema central da pequena agricultura não é o Código Florestal, mas a domínio do modelo de produção do agronegócio, que tem crédito do BNDES, do Banco do Brasil e perdão de dívidas, enquanto o pequeno agricultor tem dificuldades para garantir o custeio e fazer os investimentos para ampliar a produção.

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 1 de abril de 2011 Brasil | 08:04

Cresce número de assassinatos em conflitos no campo

Compartilhe: Twitter

A Comissão Pastoral da Terra divulga no dia 14 de abril o relatório Conflitos no Campo Brasil 2010, que mostrará que o número de assassinatos em casos de conflitos no campo subiu de 26 em 2009 para 34 em 2010.

A divulgação do relatório coincide com o mês de maior número de ações do MST, o Abril Vermelho. Neste ano, o movimento lembrará os 15 anos do Massacre de Eldorado do Carajás, quando 19 trabalhadores rurais foram mortos durante um conflito com a polícia no município de Eldorado de Carajás, no sul do Pará.

Autor: Tags: , , , ,

terça-feira, 3 de agosto de 2010 Congresso | 12:03

Kátia Abreu: dúvidas sobre a CMPI do MST

Compartilhe: Twitter

A senadora pelo DEM de Tocantins, Kátia Abreu, dispensou hoje o serviço de assessores políticos que acompanhavam o passo-a-passo da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito do MST, responsável por investigar o suposto repasse de dinheiro público para o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra.

Os assessores prestavam uma espécie de consultoria para a atual presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que bateu o pé no fim do ano passado pela criação da comissão.

De duas, uma: ou a chefe dos ruralistas duvida do ressurgimento da CMPI – prevista para retomar as atividades depois das eleições – ou já não acredita em sua real eficácia.

Autor: Tags: , ,

segunda-feira, 5 de julho de 2010 Congresso | 18:16

Novo Código Florestal enche a Câmara de lobistas

Compartilhe: Twitter

Foram necessários seis plenários da Ala de Comissões da Câmara dos Deputados para abarcar todos os lobistas –ruralistas e ambientalistas — que compareceram ao Congresso hoje para pressionar sobre a votação do projeto de reformulação do Código Florestal Brasileiro, de relatoria do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

Integrantes de movimentos diversos, incluindo CUT e Sem Terra, assistem ao debate realizado na Comissão Especial por meio de telões disponibilizados nos plenários. A discussão do projeto começou pela manhã e se estende até agora. A votação da matéria em comissão só deve ocorrer amanhã. 

No plenário, só depois das eleições.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 23 de junho de 2010 Eleições | 18:04

DEM quer CPI do MST durante a campanha eleitoral

Compartilhe: Twitter

Sem fazer alarde, o deputado Onix Lorenzoni (DEM-RS) está coletando assinaturas para prorrogar por seis meses a CPI que investiga os recursos do governo federal repassados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

Se conseguir as assinaturas de 171 deputados e 27 senadores, a CPI segue até o fim do ano, estando ativa durante todo o processo eleitoral.

Autor: Tags: , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. Última