Publicidade

Posts com a Tag Pedro Novais

quinta-feira, 10 de abril de 2014 Congresso | 17:42

Tucano questiona CGU sobre paradeiro de ex-ministros

Compartilhe: Twitter
Líder da minoria na Câmara, Domingos-Sávio (PSDB-MG). (Foto: George Gianni/PSDB)

Líder da minoria na Câmara, Domingos-Sávio (PSDB-MG). (Foto: George Gianni/PSDB)

O deputado federal Domingos Sávio (PSDB-MG), líder da Minoria na Câmara, solicitou à Controladoria-Geral da União informações sobre investigações de escândalos que supostamente motivaram a queda de ministros durante os governos de Lula e Dilma Rousseff.

Nos sete requerimentos endereçados nesta semana a Jorge Hage, ministro-chefe da CGU, Sávio questiona se os investigados ocupam atualmente algum cargo ou função pública.

Leia também: Escolha de Berzoini para o ministério é alento para o PT

Na chamada “faxina ministerial”, foram exonerados os ministros Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil), Carlos Lupi (Trabalho), Wagner Rossi (Agricultura), Mário Negromonte (Cidades), Pedro Novais (Turismo), Orlando Silva (Esporte) e Alfredo Nascimento (Transporte).

O tucano também pergunta quais medidas administrativas e judiciais foram tomadas, os resultados das investigações e que mecanismos anti-corrupção o governo federal desenvolveu desde então para “correção das falhas apontadas, objetivando evitar a repetição dos atos de corrupção”.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quarta-feira, 9 de novembro de 2011 Congresso | 18:18

Pedro Novais diz que seu caso “foi diferente” de Lupi

Compartilhe: Twitter

Ex-ministro do Turismo, o deputado Pedro Novais (PMDB-MA) — que caiu da pasta após denúncias de irregularidades em convênios com ONGs — afirmou que seu caso é diferente da situação enfrentada pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi.

Segundo ele, os contratos denunciados na época não haviam sido firmados em sua gestão:

— Não tenho como avaliar a situação do Lupi, porque são casos diferentes. Só sei de uma coisa, eu não fiz convênio com ONGs — alegou ao Poder Online.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 21 de setembro de 2011 Governo | 11:23

Mesmo com saída de Pedro Novais, setor de Turismo ainda está em crise

Compartilhe: Twitter

O Comitê Gestor do Conselho Nacional de Turismo foi recebido ontem pelo novo ministro do turismo, Gastão Vieira. Foi uma reunião dura.

Gastão Vieira só queria receber os conselheiros daqui a alguns dias, depois de aprender um pouquinho sobre o setor para enfrentar os pesos-pesados. Mas abriu a agenda ao descobrir que o grupo — reunido em um auditório da Embratur — estava redigindo um documento para ser entregue à Casa Civil, à Secretaria Geral da Presidência e à própria presidenta.

A queixa maior dos conselheiros é ao que chamam de total omissão do Governo Federal com o setor do turismo, contrariando os dois governos do ex-presidente Lula. O plano Nacional de Turismo foi engavetado pela Casa Civil e já se perdeu um quarto do seu período de vigência.

Apesar do encontro com o ministro, o documento não foi desfeito. Assinado por diversas entidades (vide abaixo), além de ter sido entregue em mãos ontem mesmo ao ministro, foi levado para a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e, na sexta-feira, será apresentado ao secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho.

Poder Online obteve o texto. Veja:

Manifesto do Comitê Gestor do CNT

1. O turismo é uma atividade econômica que tem as suas bases na iniciativa privada. Durante os dois governos do presidente Lula e nestes primeiros meses do Governo da Presidenta Dilma Rousseff, o diálogo e a cooperação dos setores produtivos ocorreram sempre de forma transparente e franca.

2. O modelo de governança do Turismo implantado na gestão do ministro Walfrido dos Mares Guia, baseado na gestão descentralizada e participativa, fortaleceu a representatividade do Conselho Nacional de Turismo e do Fornatur – Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo.

3. O Comitê Gestor instituído pelo Conselho Nacional de Turismo se manifesta para evitar que todo um setor, que tem a sua base produtiva na iniciativa privada, continue a ser penalizado pelo colapso que tomou conta da pasta ministerial que deveria exercer o papel de coordenador da atividade e pelos sinais da pouca importância que o Poder Executivo tem demonstrado em relação ao turismo brasileiro, apesar de ter sido o primeiro ministério confirmado pela então candidata Dilma Rousseff.

4. Entre os pontos críticos apontamos:

4.1. Engavetamento do Plano Nacional de Turismo 2011/2014 que foi arduamente debatido e que teve texto final aprovado pelo Conselho Nacional de Turismo. Já estamos no final de setembro, ou seja, perdemos na prática um quarto do período de vigência do próprio plano.

4.2. Morosidade no lançamento da Conferência Nacional de Turismo que foi calorosamente acolhida no CNT – uma prioridade da Secretaria Geral da Presidência. Aguardamos desde então, a audiência solicitada oficialmente pelo Comitê Gestor, por meio do MTur, ao Ministro Gilberto Carvalho.

4.3. A incapacidade de reação do Ministério do Turismo, principalmente de sua estrutura de Comunicação Social, para reverter o processo de “demonização” do turismo e dos seus projetos na mídia nacional.

4.4. Igual incapacidade de divulgar de forma ampla as medidas saneadoras que foram adotadas pelo MTur, após os lamentáveis acontecimentos recentes. Nem mesmo a cadeia produtiva do turismo recebeu informações sobre as providencias adotadas.

4.5. Não acolhimento da proposta realizada pelo Comitê Gestor de convocação de uma Reunião Extraordinária do Conselho Nacional, para esclarecer e debater os reflexos da Operação Voucher no setor.

4.6. A inexistência de um comitê de crise que envolvesse diretamente o Conselho Nacional e o Fornatur, como foi proposto, em ata, no próprio Conselho Nacional.

4.7. O nosso desconforto com o papel secundário que o setor do turismo tem ocupado na organização da Copa de 2014. A Câmara Temática de Turismo foi a que teve o menor número de reuniões. O foco tem sido erroneamente colocado nos 600 mil turistas que virão para o evento e não nos milhões de possíveis visitantes que poderão ser impactados pela mídia do evento.

4.8. A redução brutal do orçamento do MTur, sem que houvesse a discussão com o Conselho Nacional sobre as conseqüências do corte e a revisão das prioridades anteriormente estabelecidas no PPA.

4.9. É incompreensível que os marcos legais implantados pelo ex-ministro Pedro Novais não tenham recebido a devida divulgação externa e nem mesmo dentro do setor do turismo. Foram regulamentações da Lei Geral do Turismo, como Cadastur, Classificação Hoteleira e a portaria da Ficha Nacional de Hospedagem, assinada na semana de sua saída.

4.10. Impedir que o modelo de gestão vitorioso do MTur voltado para a implantação de uma política publica de desenvolvimento do setor possa ser desvirtuado para atender interesses de particulares.

5. O Governo é um só. Nele a iniciativa privada não realizou indicações e nem foi consultada nas nomeações realizadas para o setor. Ao paralisar todo o turismo por erros cometidos por ocupantes de cargos públicos no MTur, o Executivo se omitiu de sua responsabilidade e se afastou de sua obrigatória posição de defensor do modelo de governança, permitindo que se lançasse a execração pública de entidades parceiras com histórico de idônea prestação de serviços à sociedade.

Assinam:

Federação Brasileira de Hospitalidade e Alimentação – FBHA

Associação Brasileira dos Agentes de Viagem – ABAV

Associação Brasileira de Bares e Restaurantes- ABRASEL

Confederação Brasileira de Conventions e Visit Bureaux – CBC&VB

Confederação Nacional dos Trabalhadores de Turismo e Hospitalidade – CONTRATUH

Associação Brasileira de Revistas e Jornais – ABRARJ

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial – SENAC

Associação Brasileira de Bacharéis de Turismo – ABBTUR

Associação Nacional dos Secretários e Dirigentes de Turismo das Capitais e Destinos Indutores – ANSEDITUR

Associação Brasileira das Empresas de Turismo de Aventura – ABETA

Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH

Autor: Tags: , , , , ,

quinta-feira, 15 de setembro de 2011 Governo | 06:02

Sarney dá uma “lambreta” para emplacar Gastão

Compartilhe: Twitter

A presidenta Dilma Rousseff ensaiou um ato de resistência ao presidente do PMDB, José Sarney. Mas durou pouco.

Na reunião dos vice-líderes no fim da tarde de ontem, o deputado Henrique Eduardo Alves (RN) comunicou – com todas as letras – que um nome do Maranhão, no caso o próprio Gastão Vieira, tinha poucas chances porque Dilma estava resistindo a substituir Pedro Novais por outro aliado de Sarney.

Seria constrangedor apresentar uma lista tríplice sem o nome preferido de Sarney e aí surgiu a esdrúxula saída – pelo menos publicamente – de indicar toda a bancada.

Quando Alves e o vice-presidente Michel Temer acreditavam que Sarney havia jogado a toalha, o presidente do Senado deu uma “lambreta” na última hora. Disse que o cargo era dele. E, como se sabe, Sarney não abre mão de nenhum espaço político.

Sua mira foi melhor do que a do jogador Leandro Damião.

Autor: Tags: , , , , ,

quarta-feira, 14 de setembro de 2011 Governo | 23:45

Dilma formaliza convite a Gastão para assumir comando do Turismo

Compartilhe: Twitter

Gastão Vieira (Foto: Agência Brasil)

Acompanhado do vice-presidente da República, Michel Temer, o novo ministro do Turismo, deputado Gastão Vieira (PMDB-MA), se reuniu agora há pouco com a presidenta Dilma Rousseff.

Durante a conversa, que durou cerca de 40 minutos, Dilma formalizou o convite para Gastão assumir o comando da pasta deixada hoje por Pedro Novais, acusado de pagar empregados com verba parlamentar.

Segundo a ministra Helena Chagas (Comunicação Social), a escolha de Gastão foi feita em consenso com o PMDB.

A posse do novo ministro será nesta sexta-feira.

Autor: Tags: , , , ,

Governo | 20:47

Dilma e Temer se reúnem para definir novo ministro do Turismo

Compartilhe: Twitter

A presidenta Dilma Rousseff e o vice-presidente  da República, Michel Temer, se encontram agora para definir nome do novo ministro do Turismo em lugar de Pedro Novais, que entregou carta de demissão no início da noite de hoje.

O encontro ocorre após reunião da cúpula do PMDB no gabinete da vice-presidência. Os mais cotados são os deputados Manoel Junior (PB) e Gastão Vieira (MA).

Manoel Junior, que participou da reunião, afirmou ao sair que se sente preparado para assumir o cargo:

— Fui prefeito três vezes, na cidade de Pedras de Fogo, na Paraíba. Qual é o brasileiro que não se sente honrado em representar o seu país em qualquer instância — disse.

Autor: Tags: , , , , ,

Congresso | 18:23

PMDB define lista tríplice de nomes ao Turismo para escolha de Dilma

Compartilhe: Twitter

O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), está reunido neste momento com os vice-líderes do partido no gabinete da liderança  para definir uma lista tríplice de nomes para substituir Pedro Novais no comando do Ministério do Turismo.

A lista será entregue para a escolha da presidenta Dilma Rousseff.

Autor: Tags: , , , ,

Congresso | 11:30

Indicação de Marcelo Castro para Turismo enfrenta resistência no PMDB

Compartilhe: Twitter

A bancada do PMDB está reunida neste momento para discutir nomes para substituir o ministro do Turismo, Pedro Novais, afastado hoje pela presidenta Dilma Rousseff após denúncias de pagar empregados com verba parlamentar.

O líder do partido na Casa, Henrique Eduardo Alves (RN), defende o nome do deputado e psiquiatra Marcelo Castro (PI).

Mas a indicação de Castro enfrenta resistência no PMDB. É que o deputado — que foi recusado pela presidenta Dilma para a liderança do governo no Congresso — teve seu nome envolvido nos dois últimos escândalos que levaram a demissões nos Transportes e à prisão de funcionários no Turismo.

Autor: Tags: , , , ,

Governo | 10:56

Um psiquiatra no Turismo

Compartilhe: Twitter

Um dos nomes especulados para substituir Pedro Novais na pasta do Turismo é o do deputado Marcelo Castro (PMDB-PI).

Castro é médico psiquiatra. Faz sentido.

Autor: Tags: , , ,

Governo | 10:16

Dima Rousseff afasta mais um ministro

Compartilhe: Twitter

O ministro do Turismo, Pedro Novais, está virtualmente fora do governo.

Com a presidenta Dilma Rousseff irritada desde que foi divulgado que a governanta do ministro era paga com verba de seu gabinete de deputado federal, até mesmo o PMDB concluiu que não dá mais para segurar.

A situação se agravou com a informação de que a mulher do ministro utiliza um funcionário pago pela Câmara como seu motorista particular.

O Palácio do Planalto espera para as próximas horas a carta de demissão de Pedro Novais do comando do Ministério.

O PMDB já está à procura de um substituto.

Novais já estava bastante desgastado no governo e provocou uma crise em seu partido.

Ao Poder online, a vice-presidente da Câmara, Rose de Freitas (PMDB-ES), chegou a pedir o afastamento do ministro devido à prisão do secretário-executivo da Pasta, Frederico Costa. Reveja o vídeo:

Autor: Tags: , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. Última