Publicidade

Posts com a Tag quarentena

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012 Governo | 16:28

Desenvolvimento foi o que gastou mais com a quarentena

Compartilhe: Twitter

O ministro Fernando Pimentel (Foto: Dida Sampaio/AE)

Na transição do governo Lula para o da presidenta Dilma Rousseff, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio foi o que mais gastou com a saída de servidores por conta da troca de governo.

De acordo com o Ministério do Planejamento, de janeiro a junho de 2011, a pasta gastou R$ 190.306,24 com o pagamento da quarentena. O valor refere-se ao pagamento de quatro salários a apenas quatro autoridades que deixaram o governo por conta da substituição de Miguel Jorge por Fernando Pimentel.

O Ministério do Meio Ambiente, que continuou sob o comando da ministra Izabella Teixeira, manteve praticamente intacto o quadro de funcionários do governo Lula. Foi o que menos gastou com o pagamento da quarentena. Foram R$ 11.431,88 apenas no mês janeiro.

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 3 de janeiro de 2012 Governo | 06:02

Ministros saíram na “faxina” sem receber salários de quarentena

Compartilhe: Twitter

Impedidos por lei de exercer qualquer outra atividade remunerada para evitar a circulação de informações sigilosas, nenhum dos sete ministros que foram demitidos ou pediram demissão em 2011 – seis deles após denúncias de corrupção – procurou o governo para requerer o pagamento da quarentena.

Mesmo assim, de acordo com o Ministério do Planejamento, no primeiro ano do mandato da presidenta Dilma Rousseff, o governo gastou R$ 1.167.714,89 com salários de 25 autoridades que tiverem direito a receber quatro meses de salário.

A legislação prevê a quarentena apenas em casos de exoneração, seja ou não a pedido da autoridade.

Quem é demitido não tem direito.

Autor: Tags: ,

terça-feira, 4 de outubro de 2011 Governo | 06:02

Qual o melhor presente para Palocci?

Compartilhe: Twitter

O ex-ministro Antônio Palocci (Foto: Wilson Pedrosa/AE)

Hoje é aniversário do ex-ministro Antônio Palocci, que deixou o governo em junho, após denúncia sobre seu enriquecimento rápido. Ele completa 51 anos.

No final da semana, Palocci ganha um presente: termina sua quarenta e ele está liberado por lei para voltar a exercer atividade remunerada.

Alias, Poder Online pergunta: qual o melhor presente a ser enviado a Palocci?

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 29 de julho de 2011 Governo | 07:02

Governo gasta mais de R$ 1 milhão com quarentena

Compartilhe: Twitter

Luiz Antônio Pagot, ex-diretor-geral do Dnit, em depoimento no Congresso: faxina aumenta gastos do governo (Foto: Beto Barata/AE)

As nomeações políticas no Ministério dos Transportes e as demissões promovidas pela faxina da presidenta Dilma Rousseff tendem a ampliar uma conta alta do governo federal: a dos pagamentos com as quarentenas.

Até o mês de março, o governo gastou R$ 728.980,65 com os salários de 55 autoridades – entre as quais ministros – que estavam naquele período de quatro meses, durante o qual recebem porque estão impedidos por lei de exercer qualquer outra atividade remunerada para impedir a circulação de informações sigilosas.

De acordo com o Ministério do Planejamento, a conta subiu para R$ 1.127.678,40. Foram pagos salários a 88 demitidos ou exonerados nos primeiros seis meses do governo Dilma Rousseff. Sem somar os dados de julho, mês da faxina dnitiana.

A legislação prevê a quarentena apenas em casos de exoneração, seja ou não a pedido da autoridade. Quem é demitido não tem direito.

Com a faxina no Ministério dos Transportes, 20 deixaram a pasta – quinze foram exonerados, dois pediram exoneração, dois foram afastados e um demitido.

Autor: Tags: , , , ,

sexta-feira, 8 de abril de 2011 Congresso | 07:02

Projeto de quarentena mais rigorosa está parado no Congresso há quatro anos

Compartilhe: Twitter

Esplanada dos Ministérios: 47 autoridades estão em quarentena

De janeiro a março, o governo gastou R$ 686.282,82 com os salários de 47 autoridades – entre os quais ministros – que estão no período de quarentena. No fim do mês, o total chegará a R$ 950.043,76.

Estabelecida em 2001, a quarentena é o período em que, após a exoneração, os titulares de cargos comissionados nos ministérios, secretarias, fundações e autarquias ligadas ao Executivo e do grupo mais bem recompensado de Direção e Assessoramento Superior, o chamado DAS-6, ficam impedidos de exercer atividades ou prestar serviços no setor de sua atuação.

Considerando as atuais regras ultrapassadas, a Controladoria-Geral da União elaborou um projeto de lei para tornar mais rigorosos os critérios da quarentena.

O governo Lula enviou o projeto ao Congresso em 2006, mas desde 2008 ele está parado na Mesa Diretora da Câmara.

As novas regras ampliarão o rol de cargos abrangidos e modificarão as penalidades e a política de remuneração para os  ex-integrantes do governo. Se aprovadas, o período de quarentena passa de quatro meses para um ano e o pagamento fica condicionados à prova de que as autoridades não possam trabalhar em suas respectivas áreas.

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 29 de março de 2011 Brasil | 15:04

Em quarentena, Miguel Jorge prepara livro de contos

Compartilhe: Twitter

Miguel Jorge (Foto: Divulgação)

O ex-ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Miguel Jorge recusou dois convites para voltar a ser executivo de grandes empresas.

Para diminuir o ritmo de trabalho dos últimos anos, ele abriu uma consultoria, a MJ Consultores Associados, para dar conselhos a empresas sobre jornalismo, recursos humanos e questões relacionadas ao governo.

O ex-ministro, que curtiu parte das férias na Bahia e emagreceu seis quilos durante esse período, também aproveitou a quarentena para se dedicar ao projeto de um livro de contos.

Miguel Jorge, que é jornalista, reunirá histórias que viveu desde que começou a carreira na sucursal do Jornal do Brasil, em São Paulo. Entre eles, um da época em que foi vice-presidente de recursos humanos da Volkswagen.

Recém-eleito, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ligou para o amigo dizendo que queria presentear a mulher, Ruth Cardoso, com um carro. Mas a exigência de FHC: que fosse um carro usado.

Miguel Jorge, então, pediu que a fábrica separasse uma Quantum vinho. E mandou que o carro fosse embrulhado num enorme laço vermelho, que deixassem um buquê de rosas no banco do motorista e que estacionassem o carro na garagem do ex-presidente.

Avisou FHC para que, quando dona Ruth agradecesse, ele não fizesse cara de espanto. Só anos depois ela soube que a ideia, na verdade, tinha sido de Miguel Jorge e não o marido quem tinha pensado em tudo.

Autor: Tags: , , , , , ,

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011 Governo | 09:04

Ninguém é de ferro

Compartilhe: Twitter

Enquanto aguarda a quarentena passar para definir seu rumo profissional depois de deixar o poder, o ex-ministro Franklin Martins curte uma namorada nova.

Autor: Tags: ,