Publicidade

Posts com a Tag Solidariedade

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015 Governo | 09:00

‘Governo tá negociando na base da enrolação’, diz Paulinho da Força

Compartilhe: Twitter
Paulinho da Força Sindical (Foto: Leonardo Prado/Agência Câmara)

Paulinho da Força Sindical (Foto: Leonardo Prado/Agência Câmara)

De acordo com o deputado federal e presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), a expectativa das centrais sindicais de alcançarem um acordo com o governo federal sobre o pacote de ajustes fiscais é praticamente zero.

“Essa negociação tá tendendo ao fracasso. O governo tá negociando na base da enrolação. As centrais já não tão nem dando importância pra essas conversas”, diz Paulinho, que apelidou as Medidas Provisórias 664 e 665 de “pacote de maldades”.

Agora, o sindicalista diz que a aposta é tentar derrubar no Congresso as mudanças em direitos trabalhistas e previdenciários como seguro-desemprego, abono salarial e pensão por morte, anunciadas pela presidente Dilma Rousseff em dezembro do ano passado.

Leia também: Cunha reúne centrais sindicais para tentar barrar ajuste fiscal no Congresso

Autor: Tags: , , , , , , ,

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015 Congresso | 16:30

Oposição faz fila para emplacar CPIs no Congresso

Compartilhe: Twitter
O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PPS-PR). Foto: Divulgação

O líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PPS-PR). Foto: Divulgação

Para marcar o início da nova legislatura, parlamentares de siglas como PSDB, DEM, PPS, PV, PSB e Solidariedade pretendem protocolar até o final do dia o pedido para a abertura de cinco Comissões Parlamentares de Inquérito contra o governo, na Câmara dos Deputados. O grupo também se articula com senadores para abrir uma nova comissão de investigação mista sobre a Petrobras.

“É algo que estamos articulando desde o encerramento das atividades da CPMI da Petrobras, no ano passado. Não podemos deixar esse vazio”, diz o líder do PPS na Câmara, Rubens Bueno (PR). A ideia é emplacar uma nova CPI da Petrobras, bem como investigações sobre supostas irregularidades envolvendo o BNDES, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, a gestão dos fundos de pensão e do setor elétrico.

Enquanto parte dos assessores corre atrás das 171 assinaturas necessárias para encaminhar o pedido na Câmara, a outra guarda o lugar na fila do Protocolo, para não correr o risco de perder a vez para algum governista. Pelo regimento da Casa, apenas cinco CPIs podem funcionar simultaneamente. A reabertura de investigações sobre o esquema de corrupção na Petrobras, aliás, foi uma das principais promessas de campanha do novo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015 Congresso | 17:52

‘A oposição poderia controlar o Congresso’, diz Paulinho da Força

Compartilhe: Twitter
Paulinho da Força Sindical (Foto: Leonardo Prado/Agência Câmara)

Paulinho da Força Sindical (Foto: Leonardo Prado/Agência Câmara)

Nos últimos dias, o deputado federal Paulinho da Força (SDD-SP) tem pressionado aliados do candidato à presidência da Câmara Júlio Delgado (PSB-MG) a se unirem ao peemedebista Eduardo Cunha (RJ). O objetivo é evitar ao máximo a realização de um segundo turno contra o petista Arlindo Chinaglia (SP).

De acordo com Paulinho, “a candidatura de Delgado favorece apenas o PT” e deveria ser revista sobretudo pelos tucanos. “Nós poderíamos imprimir uma derrota como nunca vista antes pelos petistas. Tenho conversado com vários deputados do PSDB que já entenderam isso. Uma vitória do Chinaglia seria um desastre para o (senador) Aécio Neves (PSDB-MG)“, diz o deputado, que apoiou o tucano nas eleições presidenciais.

No caso de uma aliança entre as chapas de Delgado e Cunha, o ex-presidente do Solidariedade calcula que o grupo poderia chegar a cerca de 300 votos. “Juntos, nós teríamos não apenas a presidência da Câmara, mas também a grande maioria dos membros da Mesa Diretora. A oposição poderia controlar o Congresso”, completa.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015 Congresso | 07:30

‘Bloco com PPS e Solidariedade é um erro’, diz vice-líder do PSB

Compartilhe: Twitter
O deputado federal Glauber Braga (PSB-RJ). Foto: Agência Câmara

O deputado federal Glauber Braga (PSB-RJ). Foto: Agência Câmara

De acordo com o vice-líder do PSB na Câmara, Glauber Braga (RJ), a manutenção da aliança entre PSB, PV, PPS e Solidariedade ainda é motivo de discordâncias na bancada socialista.

“Um bloco com o PPS e o Solidariedade é um erro”, diz Braga, que pretende levar a crítica à primeira reunião da nova bancada do PSB. “Essa aliança tira a marca de independência que o PSB tem defendido, uma vez que estes dois partidos já estão consolidados como uma oposição ao governo federal”, completa.

Ainda segundo Braga, a discussão sobre uma possível reaproximação com o PT – defendida por setores do PSB liderados pelo ex-ministro de Dilma Rousseff Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE) – deve ser tema dos debates internos da sigla ao longo do ano. “São coisas que fazem parte do debate sobre a identidade do partido e o caminho que nós vamos seguir daqui pra frente.”

Leia também: ‘Daqui pra frente, pretendo voltar às minhas origens’, diz Erundina

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015 Partidos | 10:30

‘Um partido de oposição não é muito bem-vindo’, diz fundador do Partido Novo

Compartilhe: Twitter
O fundador do Partido Novo Cláudio Barra. (Foto: Divulgação)

O fundador do Partido Novo Cláudio Barra. (Foto: Divulgação)

O presidente do diretório distrital e fundador do Partido Novo, Cláudio Cavalcanti Barra, tem reclamado da demora para obtenção do registro da nova sigla. O grupo levou a documentação ao Tribunal Superior Eleitoral em julho do ano passado, mas quase seis meses depois o processo ainda não foi julgado.

“Eles não têm vontade política em tramitar o processo. Está demorando muito. Um partido de oposição não é muito bem-vindo. Se for para entrar na base, é outro tempo”, critica Barra. “Cada processo está instruído de forma diferente, o que é óbvio. Mas não se justifica demorar mais de 6 meses num processo administrativo”, completa.

O último pedido analisado foi o de criação da Rede Sustentabilidade, que levou menos de dois meses para ser concluído – e negado. Pouco antes, foi autorizada a criação do PROS e do Solidariedade, com cerca de três meses de tramitação. No ano anterior, entretanto, o Partido Ecológico Nacional (PEN) teve de aguardar mais de nove meses até ser registrado. Dos quatro, apenas o PROS compõe a base do governo.

Leia também: Ainda sem registro, Partido Novo é o terceiro maior no Facebook

 

Autor: Tags: , , , , , ,

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015 Eleições | 06:00

Solidariedade vai insistir em convite a Marta Suplicy

Compartilhe: Twitter

O Solidariedade ficou sem resposta até agora, mas não desistiu de filiar a ex-ministra Marta Suplicy e lançá-la candidata à prefeitura paulistana em 2016. O plano do partido é procurar a petista para uma nova conversa até o fim deste mês.

Marta seria candidata com apoio de todos os partidos do bloco formado na Câmara por Solidariedade, PSB, PV e PPS.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 Estados | 10:30

Domingos Dutra vai representar governo do Maranhão em Brasília

Compartilhe: Twitter
Deputado Federal Domingos Dutra (SDD-MA). Foto: Agência Câmara

Deputado Federal Domingos Dutra (SDD-MA). Foto: Agência Câmara

O ex-petista quilombola Domingos Dutra (SDD-MA) foi escalado para representar o governador eleito do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em Brasília.

Sem mandato na próxima legislatura, o atual deputado federal chegou a ser sondado para assumir a Secretaria Estadual de Agricultura Familiar, mas acabou optando pela representação governamental – que exigirá mais capacidade de articulação política do que experiência em gestão pública.

“Eu não quero ter que mexer com dinheiro do estado, então vou ser o cara que leva dinheiro pra lá”, brinca o maranhense.

 

Autor: Tags: , , , , ,

terça-feira, 16 de dezembro de 2014 Congresso | 19:59

Aliança com PV, PPS e Solidariedade enfrenta resistência no PSB

Compartilhe: Twitter
O deputado federal Glauber Braga (PSB-RJ). Foto: Divulgação

O deputado federal Glauber Braga (PSB-RJ). Foto: Divulgação

Causou desconforto em parte dos socialistas a participação do PSB no bloco composto também por PV, PPS e Solidariedade. Entre as críticas apresentadas, alguns parlamentares reclamaram da falta de um diálogo mais amplo com a bancada e da falta de identificação programática da sigla com o Solidariedade, presidido por Paulinho da Força (SDD-SP).

No evento de lançamento, foi notada a ausência da maioria dos 29 parlamentares do PSB. Além do presidente da sigla, Carlos Siqueira (PE), e do líder da sigla na Câmara, Beto Albuquerque (RS), – que compuseram a mesa oficial – apenas o mineiro Júlio Delgado (MG) esteve presente durante todo o ato político.

Contrariada, parte da bancada já se prepara para enfrentar a cúpula do partido. Ainda nesta semana, um manifesto assinado por parlamentares como Glauber Braga (PSB-RJ) e Luiza Erundina (PSB-SP) deve ser divulgado contra a presença do PSB no bloco recém-lançado.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014 Congresso | 07:30

PSB, PV, PPS e Solidariedade formalizam aliança nesta semana

Compartilhe: Twitter
Deputado federal Julio Delgado (PSB-MG). Foto: Gustavo Lima / Agência Câmara

Deputado federal Julio Delgado (PSB-MG). Foto: Gustavo Lima / Agência Câmara

Já existe acordo entre PSB, PV, PPS e Solidariedade para anunciarem formalmente a criação de um bloco entre os quatro partidos nesta quarta-feira, na Câmara dos Deputados.

Embora o Solidariedade tenha declarado a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a intenção é que o momento também sirva para engrossar a aliança dos outros partidos do grupo em torno da candidatura do socialista Júlio Delgado (PSB-MG) pela presidência da Câmara.

Entre os últimos ajustes antes da formalização estão as conversas sobre quem assumirá a liderança do bloco. Até o momento, a proposta com mais adesão é de que seja feita uma divisão dos meses de liderança proporcionalmente ao tamanho de cada bancada. Desta forma, PSB seria líder por mais tempo, seguido de Solidariedade, PPS e PV.

Autor: Tags: , , ,

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014 Congresso | 10:30

Três nomes disputam liderança do Solidariedade

Compartilhe: Twitter
O deputado federal Fernando Francischini (SDD-PR). (Foto: Divulgação)

O deputado federal Fernando Francischini (SDD-PR). (Foto: Divulgação)

Com a ida do líder do Solidariedade, Fernando Francischini, para o comando da Secretaria de Segurança Pública do Paraná, Arthur Maia (BA), Benjamin Maranhão (PB) e Aureo Ribeiro (RJ) entraram no páreo para assumir a liderança do partido.

Saiba mais: Francischini é convidado para Secretaria de Segurança de Beto Richa

De acordo com o presidente do partido, entretanto, a prioridade no momento é a consolidação do bloco parlamentar que deverá reunir Solidariedade, PSB, PV e PPS. “Nós só vamos definir liderança em janeiro”, diz Paulinho da Força (SP).

Autor: Tags: , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última